Tradutor

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

10 de jan de 2011

Pentecostes - Leonard Ravenhill




Lorde Montgomery, aquele imprevisível Marshall Inglês, disse recentemente que a Inglaterra entrou na Segunda Guerra Mundial equipada para lutar a Primeira Guerra Mundial. Isto foi um modo gentil de dizer que na Segunda Guerra Mundial a Inglaterra estava atrasada em equipamento e estratégia para batalha.
Quando o Sr. Christopher Wren desenhou a grande catedral de São Paulo em Londres, ele planejou uma coisa de permanente beleza e imarcescível encanto, porém não a pediu com ar condicionado. Quando George Stephenson construiu seu potente motor, ele não era silencioso e à diesel, mas uma máquina pouco motorizada que assobiava. Em outras palavras, tanto Wren como Stephenson subestimaram as necessidades de nossos dias, pois projetaram unicamente para os seus dias.
Muitos têm hoje um patrocínio benevolente da igreja de Jesus Cristo (ou do que eles equivocadamente pensam ser a igreja de Jesus Cristo). Estes "sábios" pensam que estes santos que ainda cantam salmos estão tão fora de lugar com a era atômica, como uma bicicleta sem valor estaria comparada com um motor comprimido numa rodovia de quatro vias. Foi Jesus Cristo culpado, então, de subestimar a necessidade deste século vinte? É a Igreja que Cristo fundou uma coisa enfadonha e de lenta mudança, gravemente necessitando de uma gigantesca revisão e de um subsídio do governo para conseguir ser atualizada e comovente? Não! A igreja não necessita de auxílio do estado.
Admitimos, contudo, que a Igreja necessita de um poderoso recondicionamento pelas mãos Divinas, isto é, ela necessita o batismo com o Espírito Santo e com fogo. Quando o Senhor Jesus Cristo ascendeu aos céus no Monte das Oliveiras, Ele declarou aos seus discípulos que eles deveriam "esperar a promessa do Pai" - o "batismo do Espírito Santo" com seu poder resultante.
A promessa foi exclusiva - "Vós recebereis poder". Quem recebeu esta promessa? Somente os seguidores de Cristo.
A promessa foi emocionante - "Vós recebereis poder". Em ávida antecipação desta benção, a espera podia ver toda sua fraqueza evaporando no batismo de fogo.
A promessa foi explícita - "Não muito depois destes dias".
A promessa foi expansiva - Esta coisa não era para ser feita em uma esquina, nem sussurrada entre os redimidos. Ela deveria estender-se através deles à Judéia, Samaria, e até aos confins da terra.
A promessa foi exaltante - No mundo inteiro das coisas criadas não há poder maior do que o do Espírito Santo de Deus. Eles foram cheios com o Espírito do Deus vivo. A terra não poderia ter nenhuma honra maior do que esta.
Anjos, contemplai e maravilhai-vos!
Cada coisa que há em cima nos céus, ou em baixo na terra, ou nas águas debaixo da terra - todas estas são obras dos Seus dedos e Poderoso é Aquele que condescendeu em vir e habitar entre os mortais.
Mas apesar do Pentecostes significar poder aos discípulos - ele também significou prisão para eles. Pentecostes significava revestimento - ele também significava exclusão. Pentecostes significava favor com Deus - ele também trazia ódio da parte dos homens. Pentecostes trouxe grandes milagres - ele também trouxe poderosos obstáculos. Pentecostes trouxe unção para os pregadores do cenáculo - ele também trouxe unção para um mero diácono que virou Samaria de cabeça para baixo.
Na Europa, o Domingo de Pentecostes é sempre chamado Domingo Branco, e as crianças usualmente vestem-se de branco. Os discípulos foram "feitos brancos" no primeiro Pentecoste - isto é, seus corações foram "purificados pela fé" (Atos 15:8,9). Esta purificação é uma ênfase perdida atualmente na interpretação do Batismo com o Espírito. Sob o título de igrejas cheias do Espírito, há algumas coisas estranhas e frívolas operando no presente.
Se muita ênfase não fosse dada aos dons do Espírito, então não seria tão pouco falado sobre os frutos do Espírito. Note quão poucos livros disponíveis falam sobre os frutos do Espírito; porém, quantos sobre os dons do Espírito. Todavia o Filho de Deus disse: "Pelos seus frutos os conhecereis".
A primeira coisa essencial para a vinda do Espírito Santo em um coração hoje é: que o coração esteja limpo do pecado, porque o Espírito Santo não enche um coração sujo. O que Deus limpou, Ele então enche. Finalmente, quem Deus enche, Ele usa. Uma vida santa é o autêntico sinal de ser cheio do Espírito.
Necessitamos hoje de um reavivamento de vida santa. Porque temos que pendurar um letreiro do lado de fora de nossas igrejas para anunciar que somos Fundamentais e Bíblicos? Porque sem um letreiro ninguém poderia nos identificar? Quando passei por uma cidade que há poucos dias tinha sido despedaçada por um tornado, lhes asseguro que não precisava que alguém me contasse que um poderoso vento tinha despedaçado o lugar. Um incêndio não necessita de publicidade. Quando o fogo do Espírito Santo cai novamente e o poderoso vento do Espírito vem (estou certo de que Ele está vindo), então nossa "sarça" queimará também, e um Moisés tornará a ver uma grande visão. Assim pois, venha Espírito Santo! Venha rapidamente!

Cuiabá-MT, 11 de Março de 2003.


Estudo sobre o livro de Romanos - Parte I



"PAULO, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus." (Romanos 1 : 1)

Em toda a bíblia não há maior exposição do Evangelho de Deus do que o livro de Romanos. Romanos é tão sólido, duradouro, confiável, inabalável e profundo, quanto a verdade deve ser.

Não me lembro de quando me converti. Só me lembro de acreditar. Mas eu me lembro de aprender o significado da minha conversão - e eu aprendi a partir do livro de Romanos: "Todos pecaram e ficaram aquém da glória de Deus" (3:23) e "o salário do pecado é a morte" (6:23) e "Deus demonstra o seu próprio amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós" (5:8) e "Se você confessar com sua boca como Jesus Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo" (10:9).

Qual de nós, que provou a bondade e a glória de Deus neste grande evangelho, não acha o livro de Romanos precioso além da conta?

Eu fui para a faculdade pensando que talvez eu seria um médico ou um veterinário. Então, no verão de 1966, entre o meu segundo ano, toda a minha vida mudou de direção, na dolorosa e preciosa providência de Deus. Ele me chamou para o ministério da Palavra. Senti-me impulsionado a estudar. E aí eu me lembro - eu posso vê-lo e quase cheirá-lo - lendo o livro de John Stott pouco de amarelo em Romanos 5-8 chamado “Fazendo um Novo Homem”.

O efeito sobre mim foi para selar a vocação a ser fiel ministro da Palavra de Deus. Assim, Romanos confirmou minha conversão, e Romanos confirmou a minha chamada ao ministério da Palavra.

Então veio seminário em 1968-1971, com todas as descobertas da esmagadora a soberania de Deus. Estes foram os dias de formação teológica decisivo na minha vida. Tudo o que tenho pensado desde que está enraizado lá. Assim, a minha conversão, meu chamado para o ministério da Palavra, e a formação decisiva da minha visão de Deus foi selada pelo livro de Romanos.

Então, depois de três anos de estudos na Alemanha e seis anos de ensino em Bethel, os romanos tornaram-se novamente o agente decisivo de Deus em minha saída ensino para se tornar um pastor nesta igreja em 1980. Como eu mergulhei em Romanos 9, dia após dia, algo totalmente inesperado aconteceu. A palavra que eu ouvia era: "Eu, o Deus de Romanos 9, serei anunciado, e não apenas analisado ou explicado."

E apesar de eu nunca ter pregado por romanos, foi o grande verdades de Romanos 8:28 e 8:32 que têm sustentado o ministério aqui nestes 18 anos. Então, eu tenho uma história pessoal com este livro. E assim o fazem muitas pessoas.





"Porque estou convencido de que nem a morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presente, nem o porvir, nem poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra coisa criada, será capaz de nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor "(Romanos 8:38-39).





Eu vou dizer-lhe algumas de suas histórias nas próximas semanas - e anos – a vir (por exemplo, Agostinho, Martinho Lutero, John Wesley, Karl Barth e alguns de vocês nesta congregação). Por ora, basta dizer que Samuel Coleridge, falando para muitos, disse: "Eu acho que a Epístola aos Romanos é o trabalho mais profundo na existência "(Conversa à mesa [Oxford: Oxford University Press, n.d.], p. 232). E John Knox (não a Scot) disse que é "sem dúvida a obra mais importante escrito teológico já escrito" (The Interpreter's Bible, Vol. 9. Nashville [: Abingdon Press, 1954], p. 355).

Como isso aconteceu? Como se explica que o mais importante trabalho da teológica cristã já escrito veio de um ex-judeu Fariseu que odiava o Cristianismo (Atos 9:1), e ajudou a matar o primeiro mártir cristão (Atos 07:58; 08:01), e perseguiu a igreja primitiva com paixão (1 Timóteo 1:13)? Como aconteceu que esse homem escreveu a carta que século após século foi a chama em que os grandes líderes cristãos acenderam sua própria tocha para o renascimento da igreja e o enriquecimento de Cristandade "(AM Hunter, introduzindo o Gateshead [New Testament: SCM Press Ltd., 1972], p. 94)?

A resposta começa em Romanos 1:01, nas três primeiras frases do livro - "Paulo, servo de Cristo Jesus, chamado de apóstolo, separado para o evangelho de Deus." Em todas as três frases a coisa crucial não é quem Paulo é, mas a quem Paulo pertence. Esse versículo não é sobre Paulo! E esta é, ao final, o que torna a sua vida importante ou não - não quem você é, mas a quem você pertence.

Primeiro, Paul, o autor desta carta, diz que é "um servo de Cristo Jesus.” Então nós, os leitores, somos confrontados imediatamente com uma escolha: será esse homem um lunático? Porque esseJesus, chamado Cristo, foi morto por volta de 30 dC por um governador romano chamado Pilatos. Temos várias testemunhas oculares desse fato. Ele estava morto. Ora aqui está Paulo dizendo que este homem, Jesus Cristo não está morto, mas é o seu mestre, e que ele é o escravo do homem. 

O que significa ser ‘servo de Jesus’? Significa que Paulo foi comprado, possuído e governado por Jesus. Em 1 Coríntios 7:23, Paulo diz: "Fostes comprados com um preço, não se tornem escravos de homens." Em outras palavras, os cristãos são escravos de Cristo, porque ele nos comprou por morrer por nós, e, portanto, ele é dono de nós. " Paulo é o servo de Jesus Cristo, porque Cristo comprou-o e possui. Em Gálatas 1:10, Paulo diz, "estou me esforçando para agradar a homens? Se eu estivesse ainda agradando aos homens, eu não seria servo de Cristo." Em outras palavras, ser um servo de Cristo significa submissão absoluta.

Em outras palavras, nesta história não estamos lidando com um homem e sua genialidade. Estamos lidando com um homem e o seu dono. Isso começa a explicar porque essa não é uma simples carta. 
Em segundo lugar, Paulo diz que ele "não é [apenas] um servo de Cristo Jesus, [Mas também] chamado para apóstolo." Ele não é só propriedade, ele também é chamado. A importância de Paulo não é, o que ele fez, mas o que tem sido feito para ele - foi comprado, foi chamado e ele foi separado. Deus é o ator principal aqui não, Paulo. 

Nós não estamos tratando apenas da presente carta como trabalho de um homem, mas com a obra de Deus em um homem. Na mente de Paulo, ser apóstolo era para ser uma pessoa que tinha visto Jesus Cristo ressuscitado dos mortos para que ele pudesse dar o testemunho em primeira mão, e que havia sido autorizado por Cristo para representá-lo e falar para Ele e para fornecer uma base para sua igreja através da verdade e magistério.

Paulo viu Jesus na estrada de Damasco. E Jesus o chamou para o ministério apostólico. "Mas levanta-te e põe-te sobre teus pés, porque te apareci por isto, para te pôr por ministro e testemunha tanto das coisas que tens visto como daquelas pelas quais te aparecerei ainda;" (Atos 26 : 16)

Com esta comissão que ele se tornou um dos fundadores do cristianismo, como se diz em Efésios 2:20, a igreja tem sido "construída sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, Jesus Cristo si mesmo sendo a pedra angular".

Se perguntarmos hoje, onde está o fundamento dos apóstolos para a Igreja e sua vida e ministério, a resposta é: no depósito de escritos que eles deixaram para trás. E entre todos os escritos apostólicos não há nenhum como a Carta aos Romanos. É simplesmente o resumo bíblico de grande o evangelho e por isso é eminentemente da fundação do Igreja, com Cristo como pedra angular. 

Paulo diz que ele é "chamado como um apóstolo ", de modo que nós, a igreja, recebemos o livro de Romanos como a mensagem não apenas de um homem, mas de Cristo. Romanos não é grande porque é a palavra de um gênio, mas porque é a palavra de Deus (cf. 1 Tessalonicenses 2:13, 1 Coríntios 2:13).

Essa é a importância de ser chamado de um apóstolo. Separado para o evangelho de Deus Finalmente, Paulo diz que ele não é apenas "um servo de Cristo Jesus, [E não só], chamado e apóstolo, [mas ele era também] separado para o evangelho de Deus". Quando isso aconteceu? Quando Paulo foi separado para o evangelho de Deus? Ele respondeu em Gálatas 1:15 dizendo: "Deus... Me separou desde o ventre de minha mãe." 

Isso significa que antes de Paulo ter sido comprado como escravo, e antes de ter sido chamado a estrada de Damasco, e antes de ele nascer, Deus o pôs à parte para o evangelho de Deus. O que significa que Deus não estava procurando uma pessoa para preencher o papel apostólico, ele preparou Paul desde o ventre de sua mãe para servir o evangelho - que é uma coisa surpreendente, quando você percebe que o caminho que levou desde o ventre para a estrada de Damasco, a saber, a incredulidade de Paulo e perseguição da igreja. O que significa que no primeiro versículo deste livro já se pode provar a magnitude da sabedoria insondável de Deus, que adora Paulo em 11:33-36 ("Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria e do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos e impenetráveis seus caminhos! ").

Deus não deixa nada ao acaso na fundação de sua igreja através da escrita dos seus apóstolos: Ele o pôs à parte antes do nascimento, ele comprou-o pela morte de seu Filho, ele chamou-o eficazmente na estrada de Damasco. Assim, um verso pode parecido ser sobre o autor da carta, mas por trás de cada frase é Alguém muito maior. 

Leon Morris está certo quando diz: "Deus é a mais importante palavra nesta epístola. Romanos é um livro sobre Deus. Nenhum assunto é tratado com maior freqüência que Deus. Tudo o que Paulo toca nesta carta se relaciona com Deus. Em nossa preocupação de entender o que o apóstolo está dizendo sobre a justiça, a justificação, não devemos negligenciar sua tremenda concentração em Deus. Não há nada como ele em outra parte "(Epístola aos Romanos [Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing Co. 1988), p.40).

É por isso que a carta teve o efeito que ela tem. Ela é de Deus e por Deus e para Deus. Deus escolheu o autor antes dele nascer. Deus comprou sua liberdade pela morte de seu Filho. Deus chamou-o para apóstolo. E então Deus deu-lhe um evangelho - o evangelho de Deus.
E já que estamos como uma igreja dedicada a espalhar uma paixão pela supremacia de Deus em todas as coisas para a alegria de todos os povos, eu acredito que é o tempo para encontrar Deus no livro de Romanos. Creio que Deus tem nos escolhido, nos chamou e nos separou para isso mesmo. Ore comigo que a sua palavra seja executada em triunfo na salvação de muitos e na construção de sua igreja para a glória do seu nome.

A Malignidade do Pecado - John Flavel





Se a morte de Cristo foi aquilo que satisfez a Deus em favor de nossos pecados, existe uma infinita malignidade no pecado, visto que ele não pôde ser expiado de outro modo, senão por meio de uma satisfação infinita. Os tolos zombam do pecado, e existem poucas pessoas no mundo que se mostram verdadeiramente sensíveis a respeito de sua malignidade. No entanto, é certo que, se Deus exigisse de você a penalidade completa, os sofrimentos eternos não seriam capazes de expiar a malignidade que se encontra em um só pensamento pecaminoso. Talvez você pense que é muito severo o fato de que Deus sujeitaria as suas criaturas aos sofrimentos eternos por causa do pecado e nunca mais ficaria satisfeito com elas.

Quando, porém, você considerar bem a verdade de que o Ser contra o qual você peca é o Deus infinitamente bendito e meditar em como Ele agiu em relação aos anjos que caíram, você mudará de idéia. Oh! Que malignidade profunda existe no pecado! Se você deseja entender quão grave e horrível é o pecado, avalie seus próprios pensamentos, quer à luz da infinita santidade e excelência de Deus, que é ofendido pelo pecado; quer à luz dos sofrimentos de Cristo, que morreu para oferecer satisfação pelo pecado. Então, você obterá compreensões profundas a respeito da gravidade do pecado.

Se a morte de Cristo satisfez a Deus e, conseqüentemente, nos redimiu da maldição do pecado, a redenção de nossa alma é caríssima. As almas são preciosas e muito valiosas diante de Deus. “Sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo” (1 Pe 1.18-19). Somente o sangue de Deus é um equivalente para a redenção de nossa alma. Ouro e prata podem redimir-nos da servidão humana, mas não podem livrar-nos da prisão do inferno. Toda a criação não vale a redenção de uma única alma. As almas são muito preciosas; Aquele que pagou o preço da redenção delas pensou nisso. Mas os pecadores vendem por um valor muito baixo as suas próprias almas. Se a morte de Cristo satisfez a Deus no que diz respeito aos nossos pecados, quão incomparável é o amor de Deus para com pobres pecadores! Se Cristo, por meio de sua morte, consumou uma plena satisfação pelo pecado, Deus pode perdoar com segurança o maior dos pecadores que crer em Jesus.

( Áudio Devocional ) Dia após Dia Morro - C. H. Spurgeon



"Bem-aventurado aquele que vigia” – Apocalipse 16.15





O Temor de Deus - Prof. Herman C. Hanko




Tradução: Mateus Mota 

 “Arrepia-me a carne com temor de ti, e temo os teus juízos” (Salmo 
119:120). 
“Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha 
presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a 
vossa salvação com temor e tremor” (Filipenses 2:12). 
“No amor não existe medo; antes, o verdadeiro amor lança fora o 
medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é 
aperfeiçoado no amor” (1 João 4:18). 
A questão que nos foi submetida, em relação a esses textos, é essa: 
como podemos harmonizar esses versículos em relação à palavra “temor”?
 1
A questão surge pelo fato de que as Escrituras, nessas passagens (e 
muitas outras poderiam ser incluídas), parecem falar sobre o temor de uma 
maneira contraditória. Paulo diz aos filipenses que eles deveriam desenvolver 
a sua salvação com temor e tremor, mas João insiste que no amor não há 
medo, que, na verdade, o perfeito amor lança fora o medo, e que este produz 
tormento. De um lado, o cristão é exortado a ter temor; de outro, é alertado 
contra o medo. 
Tanto o hebraico como o grego usam uma palavra idêntica para 
“temor”, embora ela possua dois sentidos distintos nas Escrituras. (Devo 
fazer um parêntese e mencionar que o hebraico tem muitas palavras diferentes 
para “temor”, mas a mais freqüentemente usada possui os mesmos dois 
significados do grego). 
Um dos sentidos é ter “medo” ou “terror”. Esse sentido é o mais 
comum entre nós. Se eu temo algo, estou com terror. 
O outro sentido pode ser mais bem traduzido por palavras como 
“reverência, respeito, espanto”.
2
Particularmente, prefiro a palavra “espanto” e 
penso que esse significado se aproxima bastante da idéia bíblica. 
                                                  
1
Nota do tradutor:  No inglês, em todos os versículos aparece a palavra “fear”, que pode ser traduzida 
como “temor, medo, terror, etc.”. 
2
Nota do tradutor: O autor usa a palavra “awe”, que poderíamos traduzir como “admiração, veneração, 
assombro, espanto, perplexidade”. “Awe” é um sentimento de espanto e admiração, freqüentemente 
misturado com medo.
2
No Salmo 119:120 as Escrituras se mostram claras em relação ao fato 
de que a palavra significa “terror” ou “medo”. Que isso é verdadeiro fica 
evidente, em primeiro lugar, pelo fato de que o salmista canta sobre sua 
“carne” arrepiando-se por causa do temor. Nossa carne é nossa natureza do 
ponto de vista do pecado e da fraqueza que a caracteriza. Que nossa carne 
deve tremer por temor a Deus é compreensível porque Deus é um Deus santo 
e justo, que odeia o pecado e o pune severamente nessa vida e na vida porvir. 
Nossa carne teme diante de Deus! 
Mas, em segundo lugar, é claro que a palavra usada no Salmo 119:120 
significa medo porque o versículo é um exemplo de paralelismo hebraico em 
que a primeira e segunda parte dele se explicam mutuamente. A segunda parte 
diz, “temo os teus juízos”. Facilmente se nota como elas desenvolvem uma a 
outra mais plenamente. 
No Novo Testamento a mesma idéia é encontrada em 1 João 4:18. 
Quando o apóstolo fala aqui de amor, ele se refere ao amor de Deus por nós, 
não ao nosso amor por ele. Se conhecemos o amor de Deus por nós, nunca 
precisamos ter medo dele. Nem podemos ter medo dele. Como podemos ter 
medo de chegar à presença daquele que nos ama?  O amor lança fora o medo. 
Se, por outro lado, não conhecemos o amor de Deus, então temos medo dele, 
porque somos, em nós mesmos, pecadores que certamente receberão o justo 
castigo pelo pecado. O medo nos atormenta, pois o fogo do inferno fustiga os 
nossos pés mesmo enquanto estamos aqui no mundo, somente para nos 
consumir após a morte. Mas quando o amor de Deus, revelado na cruz de 
Jesus Cristo, é derramado em nossos corações, então esse amor lança fora o 
medo. 
Mas Filipenses 2:12 fala de temor como uma virtude necessária no 
desenvolvimento de nossa salvação, pois aqui refere-se à reverência ou 
espanto. Ambas as palavras (reverência e espanto) se encaixam perfeitamente 
nesse versículo. Nós desenvolvemos a salvação que nos foi dada 
graciosamente por Deus. Fazemos isso com reverência, pois o fazemos diante 
da presença de Deus, como um ato de adoração ao Altíssimo. E 
desenvolvemos nossa salvação com espanto, pois estamos cheios de espanto 
diante da grandeza do nosso Deus, que nos concedeu tão gloriosa salvação. 
Porque a Escritura usa a mesma palavra com significados diversos, deve 
haver uma relação entre os dois significados. Entendo que essa relação se 
encontra nas idéias que mostrarei a seguir. 
Porque sabemos que merecemos com justiça os mais terríveis 
julgamentos e punições de Deus pelos nossos pecados, nos colocamos diante 
dele com reverência e espanto. Maravilhamo-nos que ele, por mera graça e 
sem qualquer mérito da nossa parte, nos fez objetos de seu amor e nos deu 
Cristo, seu próprio Filho, a fim de nos tornar seu povo. À medida que Monergismo.com – “Ao Senhor pertence a salvação” (Jonas 2:9) 
www.monergismo.com
3
ponderamos sobre as bênçãos que são nossas por causa de seu amor, tal 
reverência e espanto aumentam. 
Se nos envolvêssemos numa conspiração para matar uma rainha, o 
simples fato de sermos pegos e considerados culpados nos encheria de terror 
ao sermos arrastados diante de sua presença; mas se ela não só nos perdoasse, 
mas nos tornasse herdeiros de seu trono, certamente nos encheríamos de 
espanto por tamanha bondade imerecida, e seríamos incapazes de falar da 
rainha com algo senão reverência. Deus fez infinitamente mais do que isso 
por nós. 
A segunda relação entre os dois significados do termo é essa: mesmo 
tendo sido salvos de nossos pecados, e em espanto pela grandiosidade da 
misericórdia de Deus para conosco, certa medida de medo permanece em 
nossos corações. Mesmo os santos, quando confrontados com a santidade de 
Deus, sentiram certo terror (cf. Isaías 6). Tal terror se manifesta 
apropriadamente em reverência e espanto. O temor é, portanto, ter tanto 
receio de ofender a Deus com nossos pecados, tendo ele feito tanto em nosso 
favor, que somos cuidadosos em obedecê-lo em tudo o que fazemos. Eis 
porque “o temor do SENHOR é o princípio da sabedoria”. Portanto, nós 
“cumprimos os seus mandamentos”, e cantamos o seu “louvor” (Salmo 
111:10). 
Fonte: http://www.cprf.co.uk/

Um Deus Atraente e Irresistível


Eros é como um imã que nos arranca do isolamento, nos congregando ao redor da fonte do Amor e da vida: Cristo.

Eros é a energia atrativa, que faz convergir em torno de Cristo todas as coisas, para que, uma vez reunidas n’Ele, possam então cumprir o propósito de suas existências. Céu e terra, divino e humano, coisas espirituais e materiais, invisíveis e visíveis, eternidade e tempo, encontraram sua síntese em Cristo. A realidade n’Ele se integrou. Não há duas realidades, como bem frisou Dietrich Bonhoeffer, o extraordinário teólogo alemão.[1] Há uma realidade que contém dois lados, o visível e o invisível. O pecado gerou uma crise entre esses dois lados da realidade única, estabelecendo um abismo entre Deus e o homem. Mas o que faria um Deus apaixonado? Desistiria da criatura amada? Absolutamente. Em vez disso, Deus tomou a iniciativa, e transpondo esse abismo, fez-Se homem. Cristo é a união de duas naturezas antagônicas pelo pecado. N’Ele, o humano e o divino Se unem novamente. E não apenas se unem, mas se fundem. Ele não é parte Deus, parte homem. Ele é 100% Deus, e 100% Homem. Por meio d’Ele, o invisível se faz visível, o divino se faz humano, a eternidade adentra o tempo, o espírito se materializa. É o Eros divino que produz essa síntese, fruto da convergência entre as duas faces da mesma realidade. N’Ele céu e terra se reconciliam.[2]

“Quando eu for levantado na terra, atrairei todos a mim”, declarou Jesus.[3]

Era necessário que como homem, Ele experimentasse a morte inerente a todo ser humano, e assim, atraísse a Si todas as coisas.

Cerca de setecentos anos antes de Cristo, Isaias profetizou acerca do que Ele teria que passar para que o propósito de Deus, de fazer convergir n’Ele todas as coisas se concretizasse: “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias, e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão. Ele verá o trabalho da sua alma, e ficará satisfeito”.[4]

Eis o poder do Eros divino em ação. Embora a Cruz tenha sido uma morte horrível, tinha como propósito “o bom prazer do Senhor”. E que propósito é esse? “Fazer convergir em Cristo todas as coisas”.[5]

O que é a Igreja, afinal? O termo grego ekklesia significa “aqueles que foram atraídos para fora”. É isso que somos, enquanto povo de Deus na face da Terra. Aliás, mesmo os que deixaram a Terra, continuam a fazer parte desta ekklesia.[6] Juntos formamos uma única assembléia.
Isaías diz que “todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho”.[7] E Pedro diz: “Antes não éreis povo, mas agora sois povo de Deus”.[8] E Paulo vai ainda mais longe, ao dizer que estávamos sem Cristo,“não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto”.[9]

Convergir e converter são a mesma coisa. Antes que Cristo nos fosse apresentado, levantado naquela Cruz, posicionado verticalmente entre o céu e a terra, estávamos à deriva, como que entregues à própria sorte. Cada qual se desviava pelo seu próprio caminho. Mas aquele gesto supremo de amor seduziu nossa alma. De repente, demos meia-volta, giramos 180o, e fomos atraídos para Ele. A surpresa se dá quando percebemos que não somos os únicos seduzidos por Seu Amor. Gente de todas as direções, de todos os povos, línguas e culturas, está andando na mesma direção.

Por isso, quem se converte, converge, e quem converge, congrega. Todos são atraídos ao mesmo ponto: Cristo, nosso Alfa e nosso Ômega, nossa origem e destino comuns.

Qual deve ter sido a surpresa de João, o vidente de Patmos, ao perceber que não era o único a jubilar pelo Cordeiro que vencera a morte para abrir o livro lacrado, escrito por dentro e por fora, desencadeando assim a execução do propósito de Deus para toda a criação? Ele relata:

“Então olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos seres viventes, e dos anciãos; e o número deles era milhões de milhões e milhares de milhares (...) Então ouvi a toda criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e no mar, e a todas as coisas que neles há, dizerem: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o poder para todo o sempre”.[10]

Nós, e todos aqueles que foram igualmente atraídos a Ele, formamos a ekklesia de Deus no céu e na terra. Essa guinada de 180o graus é o que chamamos de conversão.

Essa conversão só é possível, por causa do poder atrativo que há n’Aquele que está assentado no Trono. Em Apocalipse, a ekklesia é apresentada como vinte e quatro anciãos, que vivem em torno do Trono. O Trono fica no meio de um círculo. Os vinte e quatro anciãos formam dois grupos de doze, que por sua vez formam uma meia-lua cada. Uma parte está à frente do Trono, a outra meia-lua está atrás do Trono. O grupo que está à frente representa os que estão do lado de cá da eternidade, representando também o povo de Deus da Nova Aliança; o grupo que forma a meia-lua por trás do Trono, representa os que estão do lado de lá da eternidade, representando também o povo da Antiga Aliança. Trata-se, portanto, da Igreja de Cristo de todas as eras, formada por aqueles que foram atraídos pelo poder do Eros divino.

Uma vez atraído a Ele, torna-se impossível escapar do Seu amor. Por isso, Paulo declara veementemente que “nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”.[11]

[1] R.MARLÉ, Dietrich Bonhoeffer, Témoin de Jésus-Christ parmi ses Frères.Tournai, 1967, p.210: “Não existem duas realidades, mas uma só realidade de Deus, a qual em Cristo manifestou-se à realidade deste mundo. A realidade de Cristo abrange também a realidade do mundo. O mundo por si só, independentemente da Revelação de Deus em Cristo, não tem realidade nenhuma [...] Não há, portanto, duas esferas, mas um só, a da realização de Cristo, em que se encontram unidas a realidade de Deus e a do mundo”.
[2] Colossenses 1:20
[3] João 12:32
[4] Isaías 53:10-11a
[5] Efésios 1:10
[6] Hebreus 12:22-24
[7] Isaías 53:6a
[8] 1 Pedro 2:10a
[9] Efésios 2:12-13
[10] Apocalipse 5:11.13
[11] Romanos 8:38-39


-Hermes C. Fernandes

APENAS UM HOMEM E DEUS - Josemar Bessa



“Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e DEU também ao seu Marido, e ELE COMEU” (Gn 3.6).
Amamos fazer parte da maioria, e isso tem se tornado o veneno mortal que destrói a igreja da nossa era. Nada mais difícil para nós em nos contentarmos em ser o que temos que ser para a glória de Deus, sabendo que o mundo, e com isso a maioria, jamais viverá para esse propósito.
“igreja” de hoje é como Adão. Mesmo sabendo das conseqüências em desobedecer a Deus, já que Deus falara diretamente com ele, Adão depois de Eva ter comido o fruto proibido por Deus, tomou e comeu também. Quanto não foi perdido naquele momento. Por quê ele não a deixou sozinha naquela loucura? Por que participar de algo que você sabe ser a morte e ruína inevitável? Talvez tenha começado aí a inclinação de preferirmos nos unir a maioria a sermos obedientes a Deus sozinhos. Adão ficou com medo de ficar só? Medo de perdê-la? O que a “Igreja” teme perder ao se unir ao mundo num culto antropocêntrico quando ela podia desfrutar da glória da Verdade de Deus?
Alargamos as portas e o mundo entrou. O mundo ao entrar, a atração da maioria fez seu trabalho e nos tornamos a imagem do mundo. Escolha tão louca quanto a escolha de Adão. Era melhor ficar só no Éden na companhia do Altíssimo ( se é que isto é estar só) – do que ter Eva, e com isso perder tudo. Tudo pelo qual tinha sido criado – A GLÓRIA DE DEUS! Não é esta a louca história dessa geração que ENCHE templos VAZIOS de Deus e da Verdade? Escolhemos comer o fruto proibido por Deus junto com o Mundo do que perdê-lo. Perdemos Deus, perdemos a verdade, perdemos a glória da existência como homem e como igreja. Podemos ter ficado juntos com o Mundo como Adão conservou Eva, mas então iremos juntos em direção a MORTE. Depois de tanto tempo, já devíamos ter perdido o medo de sermos MINORIA na terra. Ter acreditado que a porta era estreita e o caminho apertado – mas que conduz a salvação.
A igreja quis construir pontes para o mundo – a intenção inicial podia ser até influenciar o mundo. Mas as pontes não tem uma mão única, mas mão dupla. Não foi a Igreja que invadiu o mundo através destas pontes, mas por essas pontes o mundo invadiu a igreja.
Por que insistimos se está claro que isso conduz tudo a perdição? Porque achamos que está tudo bem, afinal estamos nos tornando grande multidão. Se somos pragmáticos não há mais nada que possa nos interessar. Mas uma pergunta sempre ecoará sobre nossas cabeças. POR QUE CONTAR PESSOAS? Não há dúvidas de que um homem com Deus é a MAIORIA. Melhor um Jeremias do que toda a população de Jerusalém que está fadada por sua obstinação ao cativeiro babilônico. A Palavra de Deus nos diz: “UM SÓ HOMEM dentre vós perseguirá mil, pois o Senhor, vosso Deus, é quem peleja por vós, como já vos prometeu” (Jz 23.10).
Então por que contar pessoas? Por que mensurarmos o valor das coisas contando cabeças? Um homem com Deus se torna maioria, embora existam milhares do outro lado. Ficamos com a força da multidão e não percebemos que os muitos que nos ajudam podem ser muitos, e de fato são MUITOS, para que Deus possa nos ajudar. Esses muitos são nosso empecilho e não nossa benção. Deus disse a Gideão “É demais o povo que está contigo, para que eu possa entregar os medianitas nas suas mãos”. (Jz 7.2) – Deus desejou diminuir as fileiras. A vitória do Reino de Deus não depende delas. Conforme aconteceu com Gideão que não pôde fazer nada, até que FORTALECEU SEU EXÉRCITO, REDUZINDO O NÚMERO DE SOLDADOS. Teremos que perder a paixão pela maioria, parar de contar pessoas... Havia o perigo de Israel dizer que sua própria mão o livrou – e é nossa própria mão que tem transformado o igreja num monstro enorme, feita de pedaços de cadáveres, um FRANKENSTEIN – enorme, mais um monstro – fruto, como na história de Mary Shelley, de um homem querendo gerar vida e força a partir de pedaços mortos, que além de mortos não podem se encaixar – fruto do homem querendo fazer o que só Deus pode fazer, DAR VIDA. Deus quis que Gideão reduzisse o número de soldados. De trinta e dois mil, para trezentas pessoas – muitos diriam, que fracasso esse grupinho. Mas Deus diz: “Um só homem dentre vós perseguirá mil!!!!” – E Deus fortaleceu o exército o diminuindo. Mas as hostes de Deus são infinitas – Um perseguirá mil por quê? “Pois o Senhor, vosso Deus, é quem peleja por vós!”
Se você desejasse criar uma nação poderosa para cumprir um propósito, como você começaria? Escolheria uma raça de homens fortes, organizados, constituídos por laços antigos? Quando DEUS FUNDOU a nação de Israel, Ele chamou apenas um homem. Um para Deus basta para formar uma grande nação – Ele chamou ABRAÃO. Chamou Abraão SOZINHO e o ABENÇOOU!! Aí está a diferença. Cremos nas escolhas de Deus. Cremos que de um ele faz uma nação? “Ele é quem peleja por vós, como já vos prometeu”.
Quatrocentos anos de cativeiro. Geração após geração nascida e acostumada com a vida de escravos. Escravos do maior Império que a terra conhecera até então. Como tirar aquele povo inteiro do cativeiro? Como enfrentar tão grande poder? Tão grande e temido exército? Ah! Se pudéssemos entender hoje. Quando Deus quis DERROTAR O ORGULHOSO Faraó, não recrutou um exército. Não preparou armas, arcos, bigas, lanças, multidão... Apenas chamou UM homem – Apenas Um! Moisés! Como podemos denominar isso? O MINISTÉRIO DE UM ÚNICO HOMEM. É isso que Deus tem utilizado por gerações e gerações. Então, porque continuamos contando pessoas? O exército, o ministério de UM HOMEM tem sido mais utilizado por Deus do que multidão de soldados treinados e comandados por grandes oficiais.
O filisteus eram uma nação poderosa. Trabalhava o ferro, criava armaduras e armas letais. Dominavam povos e os escravizavam. Entre estes povos estava Israel. Debaixo das garras mortais da força filistéia. Deus irá libertar seu povo de novo. Quantos ele levantará? Quantos ele treinará e dará armas mais poderosas para poderem fazer frente a tão grande poder dominador? Me responda: quantos israelitas seriam necessários para destruir o poder filisteu – que SANSÃO não pudesse, tendo sido levantado por Deus para fazer? Deus levanta um SANSÃO, e isso lhe basta!
Saul era um homem valente e grande guerreiro. Seu filho Jônatas também. Davi disse sobre eles quando morreram:”A tua glória, ó Israel, foi morta sobre os altos! Como caíram os valentes!...” (2Sm 1.19) – Saul era valente, Jônatas era valente e com eles estava grande exército de valentes. Mas o quê é dito para nós? SAUL E SEUS EXÉRCITOS mataram os seus milhares, porém DAVI destruiu seus DEZ MILHARES!!
Então por quê continuar a contar pessoas? Por quê estreita é a porta e poucos entram por ela? Por quê o caminho é apertado...? Deus pode, Deus quer OFERECER GRANDE VANTAGEM AOS INIMIGOS e, apesar dessa grande vantagem, VENCÊ-LOS!! Por quê contar pessoas? Isso não te dá vontade de mandar a multidão para casa como Gideão?
“Um só dentre vós perseguirá mil...” – Por quê??? “Porque Deus é quem peleja por vós, como vos prometeu!” – Por quê mercadejar o evangelho para atrair a multidão quanto temos essa promessa? Diante disso, O QUE SIGNIFICAM MULTIDÕES DE HOMENS? Se Deus envia um homem (Abraão, Moisés, Gideão, Sansão, Davi...) ou um pequeno povo, meu irmão – O PODER DELE REALIZARÁ O SEU PROPÓSITO.
O segredo para a pureza da igreja é acreditar na Palavra de Deus, não mercadejá-la. CONFIAR!! “O Senhor, vosso Deus, é quem peleja por vós, como já vos prometeu”. (Js 23.10) – Confiem na divina promessa. A mesma feita a Josué. Com essa promessa no coração Deus diz a nós: “Sê forte e corajoso, porque tu farás este povo herdar a terra...” (Js 1.6).
A igreja não precisa se mundanizar para que Deus realize o seu propósito. Então por que contar pessoas????


Josemar Bessa

Crescendo em Deus - C. H. Spurgeon Postado por Charles Spurgeon / On : 12:41/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.


José reconheceu os irmãos; porém eles não o reconheceram.
Gênesis 42.8

Todos nós desejamos crescer em nosso relacionamento com nosso Senhor Jesus Cristo e em nosso conhecimento de sua vontade. Hoje, devemos considerar o conhecimento que Ele tem a respeito de nós, o conhecimento que era completamente perfeito muito antes de possuirmos o menor conhecimento dEle. "Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias... quando nem um deles havia ainda" (Salmos 139.16). Antes mesmo de existirmos neste mundo, existíamos no coração do Senhor Jesus. Quando éramos inimigos dEle, Ele já nos conhecia: nossa miséria, nossa insensatez, nossa impiedade. Quando lamentávamos amargamente em arrependimento e O víamos apenas como juiz e governador, Ele nos via como seus irmãos amados, e seu coração anelava por nós.

O Senhor Jesus nunca esqueceu seus eleitos, mas sempre os contemplava como objetos de sua infinita afeição. "O Senhor conhece os que lhe pertencem"(2 Timóteo 2.19) — esta afirmativa é tão verdadeira a respeito dos pródigos que estão se alimentando juntamente com os porcos quanto a respeito dos filhos que se assentam à mesa do Senhor. No entanto, nós não conhecíamos nosso Irmão real, e, como resultado desta ignorância, surgiram pecados inumeráveis. Apartávamos nosso coração do Senhor e não permitíamos que Ele desfrutasse de nosso amor. Não confiávamos nEle, nem dávamos crédito às suas palavras. Éramos rebeldes para com o Senhor Jesus e não Lhe oferecíamos qualquer recepção amável.

O Sol da Justiça resplandeceu, e não podíamos vê-Lo. O céu veio à terra, e esta não o reconheceu. Deus seja louvado, pois aqueles dias ainda permanecem sobre nós! Mas, agora mesmo, ainda é pouco o que sabemos a respeito de Jesus, se compararmos isto com o que Ele sabe a respeito de nós. Temos apenas começado a vê-Lo; Ele, porém, nos conhece completamente. Quando o Senhor Jesus retornar, para julgar o mundo, Ele não dirá para nós: "Eu nunca te conheci". Pelo contrário, Ele confessará nosso nome diante de seu Pai.

Marcadores

(I Pedro 5:8) (1) 1 Coríntios (3) 1 Pedro (1) 1Pedro (1) 2 Pedro (2) A (1) A palavra da Cruz é Loucura (3) A Parábola do Rico e Lázaro (1) a Semente e os Solos (1) A Volta de Jesus (4) A. W. Tozer (36) A.W Pink (2) Abandonado (1) Aborto (9) Adoração (18) Agostinho (1) Aids (1) Alegria (22) Aliança (1) Alívio (1) Almas (17) Amarás o Próximo (1) Amargura (1) Amém (3) Amizade (5) Amor (70) Anátema (1) Angústia (2) Animais (1) Anjos (3) Anorexia (1) Ansiedade (5) Anticristo (2) Antidepressivo (1) Antigo Testamento (1) Apocalipse (10) Apostasia (5) Apóstolo Paulo (4) Arca de noé (2) Arrebatamento (3) Arrependimento (22) Arrogância (1) Arthur W. Pink (5) As Igrejas de todos os Tipos e para todos os Gostos (1) Ateísmo (4) Ateus (5) Augustus Nicodemus (2) Autoridade (4) Avareza (1) Aviso (2) Avivamento (10) Batalha Espiritual (7) Batismo (4) Bebida Alcóolica (1) Benção (2) Bíblia (49) Boas Novas (1) Bullying (1) Cálice (2) Calvinismo (2) Campanhas no Facebook (1) Cansado (1) Caráter (4) Carnal (1) Carnaval (2) Carne (11) Carta de Deus e do Inferno (2) Carter Conlon (1) Casamento (32) Castigo (1) Catolicismo.Religiao (1) Céu (14) Chamados ao primeiro amor (5) Charles Haddon Spurgeon (274) Cigarro (1) Circo ou Igreja? (1) Cirurgia Plástica (1) Citações Redes Sociais (2) Clodoaldo Machado (1) Cobiça (1) Comunhão (4) Comunidade no Orkut (1) Conhecendo as Histórias da Bíblia (1) Conhecimento (2) Consciência (2) Consolador (3) Copa do Mundo (1) Coração (31) Coragem (4) Corra (1) Corrompidos (1) Cosmovisão Cristã (1) Crer em Jesus (3) Criação (3) Criança (7) Cristãos (60) Cristianismo (19) Cristo (85) Crucificaram (1) Cruz (29) Culto (2) Cultura (4) Cura (6) David Wilkerson (43) Demônio (4) Dennis Allan (23) Denominações (1) Dependência (2) Depravação Humana (11) Depressão (6) Desanimado e fraco (11) Descanso (1) Desejo (1) Desenhos para Crianças (9) Deserto (1) Desigrejados (1) Desonra (1) Desprezado e Rejeitado (3) Desviado (5) Deus (328) Devoção (1) Diabo (9) Dinheiro (11) Discernimento (1) Discipulado (7) Discípulos Verdadeiros (4) Divórcio (9) Divulgue esse Blog (2) Dízimos e Ofertas (3) Dons Espirituais (1) Dor (6) Dores de Parto (1) Doutrinas (5) Dr J.R (1) Drogas (1) Dúvidas (1) Eclesiastes (1) Ego (1) Enganados (1) Envelhecer com Deus (1) Equilibrio (1) Errando (2) Escolha (2) Escolhidos De Deus (10) Escravo por Amor (2) Esforço (1) Esperança (8) Espíritismo (1) Espirito Santo (27) Espirituais (35) Estudo da Bíblia (257) Estudo Livro de Romanos por John Piper (17) Estudo Livro de Rute por John Piper (5) Eternidade (10) Eu Não Consigo (1) Evangelho (76) Evangelho da Prosperidade (13) Evangelho do Reino (1) Evangelismo (5) Evangelizar pela Internet (7) Evolução (1) Exaltação (1) Êxodo (1) Exortação (3) Ezequiel (1) Falar em Linguas (3) Falsos Profetas(Enganação) (17) Família (16) Fariseus (3) (49) Felicidade (6) Festas do Mundo (1) Festas juninas(São João) (1) Fiél (3) Filmes Bíblicos (43) Finais dos Tempos (11) Força (1) Fruto (8) Futebol (1) Gálatas (1) George Müller (1) George Whitefield (2) Glória (44) Graça (47) Gratidão (3) Guerra (4) Hebreus (1) Heresias (3) Hernandes Lopes (110) Hinos (1) Homem (46) Homossexual (6) Honra (1) Humanismo (1) Humildade (9) Humilhado (8) Idolatria (12) Idoso (1) Ignorância (1) Igreja (79) Ímpios (1) Incentivo (1) Incredulidade (2) Inferno (8) Ingratidão (2) Inimigo (2) Inquisição Católica (1) Intercessão (1) Intercessor (1) Intervenção (9) Intimidade (1) Inutéis (1) Inveja (1) Ira (12) Isaías (1) J. C. Ryle (9) James M. Boice (1) Jejum (4) Jeremias (2) Jesus (88) (1) João (4) João Calvino (145) Jogos VIDEO GAMES (2) John Owen (15) John Pipper (587) John Stott (28) John Wesley (1) Jonathan Edwards (92) José (1) Joseph Murphy (1) Josué Yrion (8) Jovens (15) Julgamento (20) Justiça (2) Lave os pés dos seus irmãos Vá em busca dos perdidos e fale do amor de Deus (1) Leão da Tribo de Judá (1) Legalismo vs. Bem-Aventuranças (1) Leonard Ravenhill (52) Liberdade (10) Língua (5) Livre arbítrio (10) Livros (67) Louvor (4) Lutar (7) Maçonaria e Fé Cristã (1) Mãe (2) Mal (18) Maldições Hereditárias (3) Manifestações Absurdas (2) Marca da Besta (1) Mártires (5) Martyn Lloyd-Jones (173) Masturbação (2) Mateus (2) Maturidade (2) Médico dos Médicos (1) Medo (2) Mefibosete (1) Mensagens (372) Mentira (8) Milagres (2) Ministério (10) Misericórdia (13) Missão portas abertas (21) Missões (27) Missões Cristãos em Defesa do Evangelho (1) Monergismo (1) Morrendo (12) Morte (43) Morte de um ente querido que não era crente (1) Mulher (11) Mulheres pastoras (2) Mundanismo (3) Mundo (28) Murmuração (3) Músicas (38) Músicas nas Igrejas.Louvor (8) Namoro ou Ficar (12) Natal (4) Noiva de Cristo (2) Nosso Corpo (1) Novo convertido (10) Novo Nascimento (11) O Semeador (1) O Seu Chamado (13) Obediencia (8) Obras (15) Obreiros (2) Observador (2) Oração (67) Orgulho (10) Orgulho Espiritual (1) Orkut (1) Paciência (7) Pai (1) Pais e Filhos (21) Paixão (3) Paixão de Cristo (2) Parábola Filho Pródigo (2) Parábolas (9) participe do nosso grupo e curta nossa página! (1) Páscoa (1) Pastor (18) Paul Washer (216) Paulo Junior (239) Paz (4) Pecado (106) Pecadores (12) Pedofilia (2) Perdão (16) perse (1) Perseguição (13) Pobre (4) Poder (18) Por que tarda o pleno Avivamento? (3) Pornografia (8) Porque Deus permite o sofrimento dos inocentes (2) Porta Estreita (2) Pregação (24) PREGAÇÕES COMPLETAS INTRODUÇÃO ESCOLA DE OBREIROS (1) Profecias (3) Profetas (3) Prostituição (2) Provação (2) Provar o Evangelho Para Aqueles que Não acreditam Na Bíblia (1) Provérbios (1) Púlpito (3) Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma (1) R. C. Sproul (29) Realidade (1) Rebelde (1) Redes Sociais (2) Reencarnação (2) Refletindo Sobre Algumas coisas (1) Reforma e Reavivamento (1) Reforma Protestante (3) Refúgio (2) Regeneração (16) Rei (3) Relativismo (1) Religião (7) Renúncia (2) Ressuscitou (5) Revelação (1) Ricardo Gondim (1) Richard Baxter (7) Rico (12) Romanos (20) Roupas (1) Rupert Teixeira (4) Rute (5) Sabedoria (12) Sacrifício (3) Salvação (45) Sangue de Cristo (3) Santa Ceia (2) Santidade (34) Satanás (15) Secularismo (1) Segurança Completa (1) Seitas (3) Semente (1) Senhor (10) Sensualidade (2) Sermão da Montanha (2) Servos Especiais (4) Sexo (8) Sinais e Maravilhas (2) Soberba (1) Sofrimento (24) Sola Scriptura (1) Sola Scriptura Solus Christus Sola Gratia Sola Fide Soli Deo Gloria (4) Soldado (1) Sozinho (3) Steven Lawson (12) Submissão (1) Suicídio (2) Televisão um Perigo (8) Temor (4) Tempo (5) Tentação (9) Teologia (2) Teologia da Prosperidade (4) Tesouro que foi achado (4) Tessalonicenses 1 (1) Testemunhos (29) Thomas Watson (17) Tim Conway (38) Timóteo (1) Todo homem pois seja pronto para ouvir tardio para falar tardio para se irar Tiago 1.19 (1) Trabalho (2) Tragédia Realengo Rio de Janeiro (2) Traição (4) Transformados (1) Trevas e Luz (2) Tribulação (10) Trindade (2) Tristeza (5) Trono branco (2) Tsunami no Japão (2) tudo (231) Uma Semente de Amor para Russia (1) Unção (3) Ungir com Óleo (1) Vaidade (3) Vaso (2) Velho (1) Verdade (30) Vergonha (3) Vestimentas (1) Vícios (6) Vida (39) Vincent Cheung (1) Vitória (5) Vontade (1) Votação (1) Yoga (1)

Comentários:

Mensagem do Dia

O homem, cujo tesouro é o Senhor, tem todas as coisas concentradas nEle. Outros tesouros comuns talvez lhe sejam negados, mas mesmo que lhe seja permitido desfrutar deles, o usufruto de tais coisas será tão diluído que nunca é necessário à sua felicidade. E se lhe acontecer de vê-los desaparecer, um por um, provavelmente não experimentará sensação de perda, pois conta com a fonte, com a origem de todas as coisas, em Deus, em quem encontra toda satisfação, todo prazer e todo deleite. Não se importa com a perda, já que, em realidade nada perdeu, e possui tudo em uma pessoa Deus de maneira pura, legítima e eterna. A.W.Tozer

"A conversão tira o cristão do mundo; a santificação tira o mundo do cristão." JOHN WESLEY"

Minha foto

Darliana+ Missões Cristãos em Defesa do Evangelho+✿Apenas uma alma que foi resgatada através da graça e misericórdia de Deus,Dai de graça o que de graça recebeste' (Mt. 10,8). Latim para estar em consonância com as cinco teses que dão sustentação ao “pensamento”e à vida do genuíno cristão reformado: sola scriptura,sola gratia, sola fide,solus christus, soli deo gloria. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8 : 32) "Um cristão verdadeiro é uma pessoa estranha em todos os sentidos." Ele sente um amor supremo por alguém que ele nunca viu; conversa familiarmente todos os dias com alguém que não pode ver; espera ir para o céu pelos méritos de outro; esvazia-se para que possa estar cheio; admite estar errado para que possa ser declarado certo; desce para que possa ir para o alto; é mais forte quando ele é mais fraco; é mais rico quando é mais pobre; mais feliz quando se sente o pior. Ele morre para que possa viver; renuncia para que possa ter; doa para que possa manter; vê o invisível, ouve o inaudível e conhece o que excede todo o entendimento." A.W.Tozer✿

Postagens Populares

Bíblia OnLine - Leitura e Audio

Bíblia OnLine - Leitura e Audio
Alimentar-se da Palavra "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." (Hebreus 4 : 12).Erram por não conhecer as Escrituras, e nem o poder de Deus (Mateus 22.29)Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo. Apocalipse 1:3

Feed: Receba Atualizações Via Email

Coloque o seu endereço de email e receba atualizações e conteúdos exclusivos:

Cadastre seu E-mail.Obs.: Lembre-se de clicar no link de confirmação enviado ao seu e-mail.