Tradutor

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

5 de jan de 2011

Discípulos Encorajados


Selah & Paul Washer - Ante ao Trono de Deus nas Alturas


Música cantada por Selah e Pregação de Paul Washer

Estudo sobre o livro de Rute - John Piper (parte 5 - final)


As Lições do Livro de Rute

Aqui está o que eu gostaria de sugerir como a principal lição do livro: A vida do santo é não uma linha reta para a glória, mas eles chegam lá. A vida dos santos há deslizamento de pedras, precipícios, névoas escuras, ursos e curvas escorregadias e fechadas que fazem você regredir a fim de ir em frente. Mas em toda esta perigosa estrada, que não deixa você ver muito longe, há freqüentes sinais que dizem: "O melhor ainda está para vir." E no canto inferior direito escrito com uma letra inconfundível estão as palavras, "Como eu vivo, diz o Senhor! "

O livro de Rute é um dos sinais para você ler. Ele foi escrito e tem sido pregado para lhe dar algum incentivo e a esperança de que todas as curvas desconcertantes em sua vida ultimamente não são becos sem saída. Em todos os reveses de sua vida como um crente Deus está tramando para a sua alegria.



Contratempos, Esperança e Estratégias de Justiça

A história de Rute é uma série de contratempos. No capítulo 1 Noemi e seu marido e dois filhos foram obrigados a deixar sua terra natal em Judá, por conta da fome. Então o marido de Noemi morre. Seus filhos se casarão com moabita e por dez anos as mulheres se revelaram estéreis. E então seus filhos morrem deixando duas viúvas na casa de Noemi. Apesar de Rute se unir à Noemi, o capítulo 1 termina com a queixa amarga de Noemi: "Eu fui embora cheia e o Senhor me trouxe de volta vazia. . . O Todo-Poderoso tem tratado muito amargamente comigo."

No capítulo 2 Noemi é cheia com uma nova esperança, porque Boaz aparece na cena como um possível marido para Rute. Mas ele não propõe a Rute. Ele não faz qualquer movimento. Pelo menos é o que parece à primeira vista. Assim, o capítulo termina cheio de esperança, mas também com grande suspense e incerteza sobre como tudo isso vai funcionar.

No capítulo 3 Noemi e Rute fazem um movimento arriscado no meio da noite. Rute vai a Boaz na eira e diz: "Eu quero que você estenda as suas asas sobre mim como o meu marido." Mas, quando a tragédia da viuvez Rute parece ter se resolvido, em uma linda história de amor, aparece um problema inesperado. Há um outro homem que, segundo o costume hebraico, tem o direito de casar com Rute. O impecavelmente honesto Boaz não vai continuar sem dar a este homem a oportunidade legal. Assim, o capítulo 3 termina novamente no suspense de outro revés.
Capítulo 4 E BOAZ subiu à porta, e assentou-se ali; e eis que o remidor de que Boaz tinha falado ia passando, e disse-lhe: Ó fulano, vem cá, assenta-te aqui. E desviou-se para ali, e assentou-se. 2  Então tomou dez homens dos anciãos da cidade, e disse: Assentai-vos aqui. E assentaram-se. 3  Então disse ao remidor: Aquela parte da terra que foi de Elimeleque, nosso irmão, Noemi, que tornou da terra dos moabitas, está vendendo. 4  E eu resolvi informar-te disso e dizer-te: Compra-a diante dos habitantes, e diante dos anciãos do meu povo; se a hás de redimir, redime-a, e se não houver de redimir, declara-mo, para que o saiba, pois outro não há senão tu que a redima, e eu depois de ti. Então disse ele: Eu a redimirei. 5  Disse porém Boaz: No dia em que comprares a terra da mão de Noemi, também a comprarás da mão de Rute, a moabita, mulher do falecido, para suscitar o nome do falecido sobre a sua herança. 6  Então disse o remidor: Para mim não a poderei redimir, para que não prejudique a minha herança; toma para ti o meu direito de remissão, porque eu não a poderei redimir. 7  Havia, pois, já de muito tempo este costume em Israel, quanto a remissão e permuta, para confirmar todo o negócio; o homem descalçava o sapato e o dava ao seu próximo; e isto era por testemunho em Israel. 8  Disse, pois, o remidor a Boaz: Toma-a para ti. E descalçou o sapato. 9  Então Boaz disse aos anciãos e a todo o povo: Sois hoje testemunhas de que tomei tudo quanto foi de Elimeleque, e de Quiliom, e de Malom, da mão de Noemi, 10  E de que também tomo por mulher a Rute, a moabita, que foi mulher de Malom, para suscitar o nome do falecido sobre a sua herança, para que o nome do falecido não seja desarraigado dentre seus irmãos e da porta do seu lugar; disto sois hoje testemunhas. 11  E todo o povo que estava na porta, e os anciãos, disseram: Somos testemunhas; o SENHOR faça a esta mulher, que entra na tua casa, como a Raquel e como a Lia, que ambas edificaram a casa de Israel; e porta-te valorosamente em Efrata, e faze-te nome afamado em Belém. 12  E seja a tua casa como a casa de Perez (que Tamar deu à luz a Judá), pela descendência que o SENHOR te der desta moça. 13  Assim tomou Boaz a Rute, e ela lhe foi por mulher; e ele a possuiu, e o SENHOR lhe fez conceber, e deu à luz um filho. 14  Então as mulheres disseram a Noemi: Bendito seja o SENHOR, que não deixou hoje de te dar remidor, e seja o seu nome afamado em Israel. 15  Ele te será por restaurador da alma, e nutrirá a tua velhice, pois tua nora, que te ama, o deu à luz, e ela te é melhor do que sete filhos. 16  E Noemi tomou o filho, e o pôs no seu colo, e foi sua ama. 17  E as vizinhas lhe deram um nome, dizendo: A Noemi nasceu um filho. E deram-lhe o nome de Obede. Este é o pai de Jessé, pai de Davi. 18  Estas são, pois, as gerações de Perez: Perez gerou a Esrom,  19  E Esrom gerou a Rão, e Rão gerou a Aminadabe, 20  E Aminadabe gerou a Naassom, e Naassom gerou a Salmom, 21  E Salmom gerou a Boaz, e Boaz gerou a Obede, 22  E Obede gerou a Jessé, e Jessé gerou a Davi.


Mais contratempos no caminho para a glória

Após o encontro da meia-noite no capítulo 3, Boaz vai até o portão da cidade onde o negócio oficial foi feito. O parente mais próximo se aproxima, e Boaz define a situação diante dele. Noemi está dando a pequena propriedade que ela tem, e dever do parente mais próximo é o de comprá-la, para que a herança permaneça na família. Para nosso espanto o parente diz: "Eu vou resgatá-lo." Nós não queremos que ele resgate a propriedade, nós queremos que Boaz faça-o. Então, novamente parece haver um retrocesso. E a ironia desse revés é que ele está sendo causado pela justiça. A parente está apenas fazendo o seu dever. Às vezes a estrada está entupido, não com pedras ou ursos, mas com bons operários que estão apenas fazendo seu dever. Nossas frustrações não são apenas causadas pelo pecado, mas também (aparentemente) pela justiça inoportuna.

Só quando estamos prestes a dizer: "Ó não! Parar a história! Não deixe que este outro rapaz leve Rute!" Boaz diz ao parente mais próximo: "Você sabe, não é, que Noemi tem uma nora. Então, quando você se faz como resgatador você também deve tomá-la como sua esposa e dar filhos ao nome de seu marido, Malom?" Então, para nosso grande alívio, o parente diz no versículo 6, que ele não pode fazê-lo. Talvez ele já seja casado. Seja qual for a razão, nós estamos torcendo para que Boaz chegue mesmo em meio a dificuldades e  problemas a festa de casamento com a linda Rute em seu braço.

Mas há uma nuvem no céu. Rute é estéril. Ou pelo menos ela parece ser. No capítulo1 versículo 04 nos vemos que ela tinha sido casada por dez anos Malom e não tinha filhos. Assim, mesmo agora o suspense ainda não acabou. Você entende agora porque eu disse que a lição do livro de Rute é que a vida do santo não é uma linha reta para a glória? A vida é uma curva atrás da outra. E nós nunca sabemos o que virá. Mas o ponto principal da história é que o melhor ainda está por vir. Não importa onde você está, se você ama a Deus, o melhor ainda está por vir.

Por que é o foco em Noemi?

A nuvem sobre a cabeça de Rute e Boaz está cheia de misericórdia, e derrama bênção sobre as suas cabeças no versículo 13. "Assim tomou Boaz a Rute, e ela lhe foi por mulher; e ele a possuiu, e o SENHOR lhe fez conceber, e deu à luz um filho." Mas note como o foco nos versículos 14-17 não está em Rute nem em Boaz. O foco está em Noemi na criança. Por quê?

Como o ponto do livro é que a vida do santo não é uma linha reta para a glória, mas eles chegam lá. A história começou com a perda de Noemi. E ele termina com ganho de Noemi. É
começou com a morte e termina com o nascimento. Um filho... para quem? O versículo 17 é o
grande destino da longa e tortuosa estrada da vida de Noemi. " E as vizinhas lhe deram um nome, dizendo: A Noemi nasceu um filho". Não para a Rute, mas sim para Noemi! Por quê? Para mostrar que não era verdade, o que Noemi havia dito em 1:21, que o Senhor a tinha trazido de volta vazia de Moabe. E se pudéssemos aprender a esperar e confiar em Deus, todas as nossas queixas contra Deus iram se revelar falsas.

Sinalização de obra da graça de Deus em retrocessos amargos

Rute foi escrito para nos ajudar a ver os sinais da graça de Deus em nossa vidas, e para nos ajudar a confiar em sua graça, mesmo quando as nuvens são tão grossas que não podemos ver a estrada e muito menos os sinais ao lado. Vamos voltar e lembrar que foi Deus que agiu no sentido de transformar cada revés em um trampolim para a alegria, e que é Deus em todas as nossas amargas providências que está planejando para o nosso bem.

O presente que foi Rute

Primeiro, quando toda a vida de Noemi parecia desabar em Moabe, foi Deus quem deu Rute a Noemi. Nós sabemos isso a partir de dois versos: em 1:16 nós sabemos que na raiz do compromisso de Rute a Noemi está o compromisso de Rute com o Deus de Noemi: "Seu Deus será meu Deus." Deus tinha ganhado a fidelidade de Rute em Moabe, e é a Deus que Noemi devia o incrível amor de sua nora. Também em 2:12 ele diz que quando Rute veio a Judá com Noemi, ela viria a refugiar-se sob as asas de Deus. Por isso, é devido a Deus que Rute deixou sua casa e família para seguir e servir Noemi. O tempo todo Deus estava transformando o revés de Noemi em alegria.

A Preservaçãode Boaz

Em segundo lugar, Noemi dá a impressão no capítulo 1, que não há esperança que Rute pudesse se casar e criar filhos para continuar a linhagem da família (1:12). Mas o tempo todo Deus está preservando um homem rico e piedoso chamado Boaz, para fazer exatamente isso. O motivo, sabemos que isso foi obra de Deus é que Noemi admite em 2:20. Ela reconhece que por trás do encontro "acidental" de Rute e Boaz estava a bondade "de Deus, que não abandonou nem vivos nem mortos." Em todos os prejuízos que o santo tem que suportar Deus já está planejando para o seu ganho.

A abertura do ventre de Rute

Em terceiro lugar, quem foi que deu para o ventre estéril de Rute uma? Deus deu o filho. Olhe 4:11. Os habitantes da cidade oraram para Boaz e Rute. Eles sabem que Rute estava casada há dez anos sem uma criança. Então, eles oram que Deus fizesse com Rute como havia feito com Raquel e Lia. E assim o autor faz deixa claro no versículo 13 que causou essa criança a ser concebida. "e ele [Boaz] a possuiu, e o SENHOR lhe fez conceber".

Então, repetidas vezes neste livro foi Deus quem estava trabalhando nos amargos contratempos de Noemi. Quando ela perdeu o marido e os filhos, Deus lhe deu Rute. Quando ela não conseguia pensar em nenhum parente para levantar a prole e o nome da família, Deus deu-lhe Boaz. Quando a estéril Rute casou-se com Boaz, Deus lhe deu um filho. A moral da história é revelada na vida de Noemi. A vida do santo não é uma linha reta para a glória, mas Deus faz com que eles cheguem lá.

Será "glória" uma palavra muito forte?

Talvez você ache que a palavra glória é um pouco de exagero. Afinal de contas ele é apenas uma criança. Uma avó segurando uma criança depois de uma vida longa e dura de muita dor de cabeça. Ah, mas esse não é o fim da história.

Em 1912, John Henry Jowett, então pastor da Igreja Presbiteriana em Nova York, deu em Yale uma palestra sobre Pregação. Há uma passagem em uma de suas palestras, que descreve o que o autor do livro de Rute estava fazendo quando ele terminou a sua história.

Jowett descreveu um grande pregador como aquele que parece,

olhar para o horizonte e não em um campo fechado, ou uma paisagem local. Ele [tem] uma maneira maravilhosa de conectar todos os sujeitos com eternidade passada e com a eternidade por vir. (O Pregador: Sua Vida e de Trabalho, p. 95)


Se essa história de Rute terminasse apenas em uma pequena aldeia da Judéia com uma avó abraçando um neto novo, glória seria uma palavra muito forte. No versículo 17 ele diz de forma muito simples que esta criança Obede foi pai de Jessé e Jessé foi o pai de Davi. De repente, percebemos que ao longo de toda a história algo muito maior do que poderíamos imaginar estava acontecendo. Deus não estava traçando uma bênção temporal para alguns judeus em Belém. Ele estava preparando a vinda do maior rei que Israel teria, Davi. E o nome de Davi traz consigo a esperança do Messias, a nova era de retidão, paz, liberdade da dor e do choro e tristeza e culpa. Esta pequena história se desdobra em um grande rio de esperança.

A Doença de trivialidade

Uma das grandes doenças do nosso tempo é trivialidade. As coisas com as quais a maioria das pessoas passam a maior parte do seu tempo são absolutamente triviais. E o que faz isto ser uma doença é que nós que fomos criados à imagem de Deus, fomos feitos para viver coisas magníficas. Nenhum de nós será realmente satisfeito com coisas banais do mundo. Nossas almas não ficam satisfeitas com ninharias. Porque é que existe uma seção inteira do jornal dedicado ao esporte, e quase nada dedicado a maior história no universo - o crescimento e expansão da Igreja de Jesus Cristo? É loucura, pura loucura, que os jogos insignificantes ocupem um papel tão central na nossa cultura. É simplesmente um dos muitos sinais de que estamos escravizados em trivialidades. Vivemos em uma luta perpétua e desesperada para satisfazer os nossos anseios em ninharias. Assim, nossas almas secam. Nossas vidas são triviais. E a nossa capacidade de grande adoração morre.

A obra gloriosa de Deus na História

O livro de Rute quer ensinar-nos que o propósito de Deus para a vida de seu povo é conectar-nos a algo muito maior do que nós. Deus quer que nós saibamos que quando nos o seguimos, as nossas vidas sempre vão significar mais do que pensamos que eles signifiquem. Para o cristão, há sempre uma ligação entre os eventos comuns da vida e do estupendo trabalho de Deus na história. Tudo o que fazemos em obediência a Deus, não importa quão pequeno seja tem significado. Faz parte de um mosaico cósmico que Deus está pintando para mostrar a grandeza do seu poder e sabedoria para o mundo e para os principados e potestades nos lugares celestiais (Efésios 3:10). A profunda satisfação da vida cristã é que ela não seja entregue a ninharias. Servindo a sogra viúva, sendo catadora em um campo, se apaixonando, tendo um bebê - para o cristão, essas coisas estão todas ligadas a eternidade. Eles são parte de algo muito maior do que parecem.

Assim, a palavra glória não é muito forte. A vida do santo não é uma linha reta para a glória, mas Deus garante que eles cheguem lá. Há uma esperança para nós além do bonito do bebê e da avó feliz. Se não houvesse nós seriamos os homens mais miseráveis. A história aponta para Davi. Davi aponta para Jesus. E Jesus aponta para a ressurreição de nossos corpos mortais (Rm 8:23), quando "não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas." (Apocalipse 21:4).

O melhor ainda está para vir. Essa é a verdade inabalável sobre a vida de uma mulher e um homem que seguem a Cristo na obediência da fé. Digo para os jovens que são fortes e esperançosos, e eu digo que para os antigos, para quem a natureza exterior está rapidamente definhando. O melhor ainda está para vir.

(Sermão em Áudio) - Livre-Arbítrio, Um Escravo - C. H. Spurgeon


Sermão pregado em 2 de Dezembro de 1855

Por Charles Haddon Spurgeon

At New Park Street Chapel, Southwark.

Sermão Nº 52



Termos Bíblicos do Novo Nascimento - John Gill



Dr. John Gill nasceu na Inglaterra, em 1697. Ainda muito jovem, foi instruído em latim clássico, grego e hebraico. Recebeu seu título de Doutor em divindade pela universidade de Aberdeen; foi ministro batista e pastoreou sua igreja (que mais tarde se tornou o Metropolitan Tabernacle, de Spurgeon) por 51 anos. Foi autor de diversos livros e tratados teológicos.

A regeneração pode ser considerada de forma mais ampla, incluindo a chamada eficaz, a conversão e a santificação; ou de forma mais restrita, designando o primeiro princípio de graça infundido na alma. [Isto] faz da alma um objeto preparado para a chamada eficaz, um vaso apropriado à conversão, sendo também a fonte daquela santidade que é gradualmente desenvolvida na santificação e aperfeiçoada no céu. No que diz respeito à regeneração, os seguintes fatos devem ser examinados com atenção: o que é a regeneração ou... a sua natureza, que é tão misteriosa, desconhecida e inexplicável para um homem natural, como o foi para Nicodemos, embora ele fosse um mestre em Israel. Nós a compreenderemos melhor observando as expressões e termos pelos quais a regeneração é apresentada:
1. Nascer de novo — isto é o que a regeneração significa (veja Jo 3.3, 7; 1 Pe 1.3, 23). Esta expressão supõe um nascimento anterior, um primeiro nascimento, em relação ao qual a regeneração é o segundo. Se observarmos a diferença entre os dois nascimentos, os conceitos ficarão mais claros. Esses nascimentos são opostos entre si: o primeiro vem de pais pecadores e acontece à imagem deles; o segundo vem de Deus e acontece à imagem dEle. O primeiro é de semente corruptível, o segundo, de incorruptível. O primeiro acontece em pecado, o segundo, em santidade e justiça. Por meio do primeiro nascimento, os homens são corrompidos e depravados; pelo segundo, eles se tornam consagrados e começam a ser santos. O primeiro nascimento é carnal; o segundo é espiritual, transformando os que passam por ele em homens espirituais. Por meio do primeiro nascimento, os homens são loucos e insensatos; nascem como crias de asnos monteses. Por meio do segundo nascimento, eles se tornam instruídos e sábios para a salvação. Por meio do primeiro nascimento, eles são escravos do pecado e das paixões carnais: sua condição de escravo é inata. Por meio do segundo nascimento, eles se tornam os libertos de Cristo. Por meio do primeiro nascimento, eles são transgressores e seguem um caminho de pecado, até que são interrompidos pela graça. No segundo nascimento, eles param de cometer pecados, isto é, param de seguir o caminho de pecado, passando a viver em santidade. Sim, aquele que é nascido de Deus não vive em pecado. Por meio do primeiro nascimento, os homens são filhos da ira e estão sob o desprazer divino; no segundo nascimento, eles se tornam objetos do amor de Deus, sendo a regeneração o fruto e o efeito desse amor...
2. Nascer do alto — assim poderia ser traduzida a expressão de João 3.3, 7. O apóstolo Tiago disse, de um modo geral, que toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto; e a regeneração, sendo esse tipo de dádiva, deve vir do alto... “Pois, segundo o seu querer, ele nos gerou pela palavra da verdade” (Tg 1.17-18). O autor desse nascimento é do alto; e os que nasceram de novo nasceram de Deus Pai, que está no céu. A graça concedida na regeneração vem de cima (Jo 3.27). A verdade no íntimo, a sabedoria no espírito ou a graça de Deus no coração, produzida na regeneração, é a sabedoria que vem do alto (Tg 3.17). Assim são os nascidos de novo, pois eles são nascidos do alto, têm excelente nascimento, são participantes da vocação soberana e celestial de Deus, em Cristo Jesus, e certamente a possuirão (1 Pe 1.3-4; Hb 3.1; Fp 3.14).
3. É comum a regeneração ser expressa por novo nascimento; e com grande propriedade, visto que o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo estão juntos, como que significando a mesma coisa. A regeneração produz o que as Escrituras chamam de nova criatura novo homem, e os nascidos de novo são chamados de crianças novamente nascidas (Tt 3.5; 2 Co 5.17; Ef 4.24; 1 Pe 2.2). É um novo homem em oposição ao velho ou ao princípio da natureza corrupta, que é tão antigo quanto o homem. Mas o princípio da graça infundido na regeneração é novo. É algo novo, inserido no coração; é algo que antes nunca esteve na natureza humana, nem mesmo em Adão, quando vivia em seu estado de inocência. Não é uma influência sobre os velhos princípios da natureza, nem a elevação deles a um grau superior. Não é uma melhoria dos velhos princípios, nem uma correção da imagem de Deus corrompida e arruinada no homem. É uma obra totalmente nova. É chamada de nova criatura; é uma obra realizada pelo poder onipotente, uma nova criatura, um novo homem constituído de várias partes, todas elas novas. Nessa nova criatura, existem um coração novo, um espírito novo, uma mente nova, para conhecer e entender coisas que antes não podiam ser conhecidas nem entendidas — um novo coração para conhecer a Deus, não como o Deus da natureza e da providência, e sim como o Deus da graça, Deus em Cristo, Deus em um Mediador, o amor de Deus nEle, a aliança da graça e as bênçãos dessa aliança estabelecida nEle. [É um novo coração para conhecer] a Cristo e a plenitude da graça nEle, o perdão do pecado por meio de seu sangue, a justificação por meio de sua justiça, a redenção por meio do seu sacrifício, aceitação diante de Deus por meio dEle e completa salvação por intermédio dEle — coisas sobre as quais Adão nada sabia no Paraíso.

Neste novo coração, há novos desejos por esses objetos, para conhecer mais sobre eles; há novas afeições colocadas sobre eles, novos deleites neles e novas alegrias que surgem deles (Ez 36.26; 1 Jo 5.20; 1 Co 2.9). Este novo homem enxerga com novos olhos. Deus não concede a algumas pessoas olhos para ver coisas divinas e espirituais, mas Ele os concede para os nascidos de novo. Eles têm olhos que vêem, feitos pelo Senhor (Dt 29.4; Pv 20.12), com os quais eles vêem seu estado de perdição, sua condição natural, a excessiva corrupção do pecado, sua incapacidade de se redimir por meio do que possam fazer. [Vêem] a insuficiência de sua justiça, sua incapacidade de fazer boas obras e a falta de poder para ajudarem a si mesmos a livrarem-se do estado e da condição em que estão. [Vêem sua necessidade] do sangue, da justiça e do sacrifício de Cristo, e da salvação por intermédio de Cristo. Eles têm os olhos da fé com os quais contemplam as glórias da pessoa de Cristo, a plenitude de sua graça, a excelência de sua justiça, a virtude de seu sangue e sacrifício, o benefício e a perfeição de sua salvação. Neste aspecto, a regeneração não é outra coisa senão luz espiritual no entendimento.

Além disso, o novo homem tem novos ouvidos. Nem todos têm ouvidos para ouvir. Alguns têm e os receberam do Senhor; e benditos são eles (Ap 2.11; Dt 29.4; Pv 20.12; Mt 13.16-17). Ouvem a Palavra de um modo como nunca ouviram antes. Eles a entendem e passam a amá-la; por meio dela, distinguem a voz de Cristo da voz de um estranho, de modo que sentem-na agir neles com eficácia e tornar-se o poder de Deus para a salvação deles. Conhecem o jubiloso som e regozijam-se em ouvi-lo!

O novo homem também tem novas mãos com as quais pode agir: a mão de fé para receber a Cristo como Salvador e Redentor, para apropriar-se dEle para a vida e a salvação, para recebê-Lo, para apegar-se a Ele e não deixá-Lo ir embora. [Eles têm mãos] para tocá-Lo, a Palavra da vida, e receber dEle graça sobre graça. Têm mãos com as quais podem servir motivados por princípios melhores, a fim de atingir objetivos melhores do que os anteriores.

Eles têm novos pés, com os quais correm para Cristo, a Cidade de refúgio; andam pela fé, prosseguem nEle, assim como O receberam; atravessam com alegria os caminhos de suas ordenanças, seguem-No com empenho e continuam a conhecê-Lo. Têm novos pés com os quais podem correr e não se fatigar, andar e não desfalecer.

4. A regeneração é expressa por ser vivificado. Assim como há, na criação natural, um momento em que a vida passa a existir, na regeneração acontece o mesmo. “Ele vos deu vida” (Ef 2.1). Antes da regeneração, os homens estão mortos, embora vivam; ainda que estejam fisicamente vivos, estão moralmente mortos; estão mortos em um sentido moral para as coisas espirituais, em todas as forças e capacidades de sua alma. Não as conhecem, não têm afeição por elas, amor por elas ou poder de realizá-las, à semelhança de um homem morto em relação às coisas naturais. Entretanto, na regeneração um princípio de vida espiritual é infundido no homem; é um tempo em que o Senhor lhes transmite vida e a produz neles. Cristo é a ressurreição e a vida neles. [Ele] os ressuscita da morte do pecado para uma vida de graça. O espírito da vida de Cristo entra neles.

A regeneração é uma passagem da morte para a vida. É um princípio de vida espiritual implantado no coração, em conseqüência do qual um homem inspira um senso espiritual. Onde há fôlego, há vida. Deus soprou em Adão o fôlego de vida, e este se tornou uma alma vivente, uma pessoa viva que, em resposta, respirou. Assim, o Espírito de Deus sopra em ossos secos, e eles vivem e passam a respirar. A oração é a respiração espiritual de um homem regenerado. “Ele está orando” (At 9.11) é algo observado sobre Saulo após sua regeneração. Um pouco antes ele respirava ameaças e morte contra os discípulos de Cristo. Um homem regenerado respira oração a Deus e suspira por Ele, por conhecê-Lo mais em Cristo, por ter comunhão com Ele, por manifestações de seu amor e, em especial, pela benevolente graça e misericórdia. Às vezes, estas respirações e desejos são expressos apenas por suspiros e gemidos, mas ainda são sinais de vida. Se um homem suspira, é claro que está vivo.

O homem regenerado deseja intensamente o alimento espiritual; e isso demonstra que ele foi vivificado. Logo que uma criança nasce, ela procura o seio materno em busca de leite. Assim, os recém-nascidos espirituais desejam o genuíno leite da Palavra, por meio do qual eles podem crescer. Seus sentidos espirituais são exercitados em assuntos espirituais. Têm o que corresponde aos sensos da vida natural: o ver, o ouvir e, como já observamos, o sentir. Eles sentem o fardo do pecado na consciência e as obras do Espírito de Deus em seu coração; e confiam em Cristo, a Palavra da vida — isso deixa evidente o fato de que estão vivos: um morto nada sente. Têm uma inclinação espiritual, um deleite nas coisas espirituais; a Palavra de Cristo lhes é mais doce ao paladar do que o mel ou o favo de mel... Eles provam que o Senhor é gracioso e convidam outros a provar e ver também quão bom Ele é. Eles se deleitam com as coisas de Deus e não dos homens. Cristo e sua graça lhes são agradáveis... Estes sensos espirituais e o exercício deles... mostram que estão vivos, que nasceram de novo. Essas pessoas levam uma vida de fé; vivem por fé — não a fé em si mesma, mas em Cristo, o objeto da fé. Crescem em Cristo, a Cabeça deles, de quem recebem sustento e assim crescem no crescimento que vem de Deus; e isto é uma evidência de vida. Resumindo, eles vivem uma vida nova, diferente da que tinham antes; não vivem mais para si mesmos ou para as paixões dos homens, e sim para Deus e para Cristo, que morreu e ressuscitou por eles. Andam em novidade de vida.

5. A regeneração é demonstrada pela formação de Cristo na pessoa convertida(Gl 4.19). A imagem dEle é gravada na regeneração; não a imagem do primeiro Adão, e sim a do segundo Adão. Pois o novo homem é feito segundo a imagem dAquele que o criou de novo, é a imagem de Cristo. Os eleitos de Deus são predestinados a serem conformados a esta imagem; e isso acontece na regeneração (Rm 8.29; Cl 3.10). As graças de Cristo — fé, esperança e amor — são produzidas no coração da pessoa regenerada e logo se tornam visíveis. Sim, o próprio Cristo vive neles. O apóstolo Paulo disse: “Não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé” (Gl 2.20). Cristo e o crente vivem mutuamente um no outro.
6. A regeneração é explicada como o ser co-participante da natureza divina (2 Pe 1.4). Isto não significa que o nascido de novo se torna participante da natureza essencial de Deus: uma criatura não pode participar da essência divina, e esta não pode ser comunicada à criatura. Isto seria deificar os homens. Muitas das perfeições divinas são totalmente incomunicáveis, como a eternidade, a imensidade, etc. Os nascidos de novo também não participam danatureza divina da mesma maneira como Cristo participa, pela união pessoal e hipostática das duas naturezas nEle, a união em que a plenitude da divindade habita corporalmente nEle. Mas a regeneração produz na alma uma semelhança com a natureza divina em espiritualidade, santidade, bondade, benevolência, etc.; por isso, a regeneração também recebe essa designação.

Como Não Cometer Idolatria ao Dar Graças - Jonathan Edwards e a verdadeira ação de graças - John Piper




Tradução: Marina Boscato 
Revisão: Felipe Sabino 

Jonathan Edwards tem uma palavra para o nosso tempo, que 
dificilmente seria mais penetrante se ele estivesse vivo hoje. Tem a ver com o 
fundamento da gratidão. 
A verdadeira gratidão ou agradecimento a Deus, por sua 
bondade para conosco, surge de um fundamento lançado antes: 
amar a Deus pelo que Ele é em si mesmo; enquanto a gratidão 
natural não tem tal fundamento antecedente. As comoções 
graciosas de afeição grata para com Deus, pela bondade recebida, 
sempre procedem de um estoque de amor já presente no 
coração, estabelecido em  primeiro lugar sobre outro 
fundamento, a saber, a própria excelência de Deus. 
1
Em outras palavras, a gratidão que agrada a Deus não é, em primeiro 
plano, um deleite nos benefícios dados por Deus (embora isso faça parte 
dela). A verdadeira gratidão deve estar enraizada em algo que vem antes, isto 
é, um deleite na beleza e na excelência do caráter de Deus. Se isto não for o 
fundamento de nossa gratidão, então não está acima do que o “homem 
natural” – sem o Espírito e a nova natureza em Cristo – experimenta. Nesse 
caso, a “gratidão” a Deus não Lhe é mais agradável do que todas as outras 
emoções que os incrédulos têm sem deleitarem-se nele.  
Você não seria honrado se eu lhe agradecesse freqüentemente pelos 
seus dons para comigo, mas não tivesse consideração espontânea e profunda 
por você como pessoa. Você se sentiria insultado, não importando o quanto 
eu lhe agradecesse por seus dons. Se o seu caráter e personalidade não me 
atraíssem, nem me dessem alegria de estar na sua presença, você se sentiria 
usado, como uma ferramenta ou uma máquina para produzir as coisas que eu 
realmente amo.  
O mesmo acontece com Deus. Se não somos atraídos por Sua 
personalidade e caráter, todas as nossas declarações de gratidão são como a 
gratidão de uma esposa ao marido pelo dinheiro que ela recebe dele para usar 
em seu relacionamento com outro homem. Esta é exatamente a figura 
                                                  
1
Jonathan Edwards, Religious Affections, The Works of Jonathan Edwards, Vol. 2, New 
Haven: Yale University Press, 1959, orig. 1746, p.247.
2
apresentada em Tiago 4:3-4. Tiago critica os motivos da oração que trata a 
Deus como um marido de adúltera: “Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, 
para o gastardes em vossos deleites. Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que 
a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser 
ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”. Por que ele chama essas 
pessoas que oravam de adúlteras? Porque, embora estivessem orando, 
estavam abandonando seu marido (Deus) e indo atrás de um amante (o 
mundo). E para piorar as coisas, estavam pedindo a seu marido (em oração) 
que financiasse o adultério.  
Surpreendentemente, esta mesma dinâmica espiritual deficiente é 
verdadeira, às vezes, quando as pessoas agradecem a Deus por ter mandado 
Cristo para morrer por elas. Talvez você já tenha ouvido alguém dizer o 
quanto devemos ser gratos pela morte de Cristo, porque ela nos mostra o 
grande valor que Deus nos deu. Qual é o fundamento desta gratidão? 
Jonathan Edwards chama isso de gratidão de hipócritas. Por quê? 
Porque,  
primeiro eles se regozijam e se elevam com o fato de que são 
muito estimados por Deus; e então, sobre esse fundamento, 
Deus lhes parece de certa forma amável… Eles se alegram no 
mais alto grau em ouvir o quanto Deus e Cristo os estima. 
Portanto, o gozo deles é na verdade um gozo em si mesmos, e 
não em Deus.
2
  
É chocante descobrir que uma das descrições mais comuns, hoje, sobre 
como responder à cruz, pode ser uma descrição de amor natural por si 
mesmo, sem qualquer valor espiritual. 
Faremos bem em dar ouvidos a Jonathan Edwards. Ele não estava 
apenas nos explicando a verdade bíblica de que devemos fazer todas as coisas, 
incluindo dar graças, para a glória da Deus (Coríntios 10:31)? E Deus não é 
glorificado se o fundamento da nossa gratidão é o valor do dom, e não a 
excelência do Doador. Se a gratidão não está enraizada na beleza de Deus 
antes do dom, ela provavelmente é uma idolatria disfarçada.  Que Deus nos 
conceda um coração que se deleite nele por aquilo que Ele é, para que toda a 
nossa gratidão por seus dons seja o eco da alegria na excelência do Doador!  

Fonte: http://www.desiringgod.org/
                                                  
2
Jonathan Edwards, Religious Affections, pp. 250-251.

Em quê consiste a nossa herança?


“O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Se somos filhos, logo somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo”. ROMANOS 8:16-17a.

Nada mais lógico que isto: Se somos filhos de Deus, logo, também somos Seus herdeiros. Esta é a conclusão a que chegara Paulo, no desenvolvimento de sua epístola aos Romanos.

Muito se tem pregado acerca de nossa filiação divina, porém, raramente ouvimos alguma mensagem que fale a respeito da herança dos filhos de Deus. Afinal, o que a Bíblia quer dizer quando nos chama de herdeiros de Deus? Ser herdeiro implica ter uma herança. Quê herança é esta?

Vejamos o que diz Pedro:

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia nos gerou de novo para um viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, guardada nos céus para vós” (1 Pe.1:3-4).

Baseados nesta passagem, muitos concluem que a herança dos filhos de Deus é sua morada celeste. Mas seria isso o que Pedro intentava dizer? Que herança incorruptível é esta que está guardada nos céus para nós? Seria a Nova Jerusalém? Estou convencido que a resposta é ‘não’. A Nova Jerusalém apresentada em Apocalipse nada mais é do que uma figura da Igreja de Cristo, o protótipo de uma sociedade construída ao redor do Trono de Deus. Portanto, trata-se de uma realidade presente, não futura.

Ora, se não é a Nova Jerusalém, o que seria, então?

Outras duas passagens usadas em conexão com esta são Filipenses 3:20 e Gálatas 4:26, onde lemos:

“Mas a nossa pátria está nos céus, de onde esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.”

“Mas a Jerusalém que é de cima é livre, a qual é mãe de todos nós.”

Ora, tanto uma como a outra falam, não de nosso destino, mas de nossa origem. Somos a Nova Jerusalém, e nossa origem é celestial. Por isso, João relata que em sua visão, Jerusalém “descia do céu, da parte de Deus” (Ap.21:10). Tal fato encontra eco nas palavras de Jesus acerca de Seus discípulos: “Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como eu do mundo não sou (...) Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo”(Jo.17:15-16,18). Fica claro que nosso destino não é ser tirados do mundo, ainda que nossa origem espiritual seja o céu.

Então, a pergunta persiste: em quê consiste nossa herança? O que devemos esperar, quer nesta vida, ou na eternidade?

Um dos versos considerados acima nos dá uma pista. Nossa pátria/origem está nos céus, de onde esperamos o Salvador. Portanto, a questão não é “o quê”, mas “quem”.

Pedro diz que nossa herança está guardada nos céus. E “o quê” esperamos dos céus?

Trata-se de uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível. Vejamos o significado de cada uma destas qualidades:

Incorruptível – Que não se corrompe, isto é, não se decompõe com o tempo.
Incontaminável – Que não se contamina.
Imarcescível – Que não murcha, isto é, não perde o vigor.

O que, ou melhor, quem será que se encaixa perfeitamente nesta descrição? A resposta é: JESUS CRISTO.

Cristo é a nossa herança incorruptível, guardada nos céus para nós. Por isso, Pedro não hesitou em advertir seus contemporâneos:

“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos de refrigério pela presença do Senhor. E envie ele a Jesus Cristo, que já dantes vos foi pregado. Convém que o céu o contenha até os tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio” (Atos 3:19-21).

Algumas linhas antes, Pedro declara que através de Sua ressurreição, a alma de Cristo não foi deixada na morte, “nem a sua carne viu a corrupção” (At.2:31).

Agora, em Seu Corpo glorificado, Jesus está guardado nos céus, esperando a hora em que há de manifestar-Se ao Mundo.

Então, não haveria nada a mais que esperar do céu, senão a Jesus?

O Salmista já dizia: “A quem tenho eu no céu senão a ti?” (Sl.73:25). E mais: "A minha alma disse ao Senhor: Tu és o meu Senhor; não tenho outro bem além de ti (...) O Senhor é a porção da minha herança" (Sl.16:2,5a).

Surpresa? Não deveria ser. Não foi por falta de aviso. O próprio Deus afirma pela boca do profeta: “Eles terão uma herança; eu serei a sua herança” (Ez.44:28a ).

A Bíblia não diz que somos herdeiros dos céus, e sim, herdeiros de Deus.

-Hermes C. Fernandes

FRODO, JEREMIAS E HENFIL - JOSEMAR BESSA



-OUÇA O CHAMADO!!-


"Eu não fui criado para correr perigos - chorou Frodo - Eu gostaria de Jamais ter visto o anel! Por que veio até mim? Por que eu fui escolhido? Tais questões não podem ser respondidas - disse Gandalf. Pode estar certo de que não foi por qualquer mérito que os demais não possuem; não pelo poder ou sabedoria, de alguma forma. O fato é que você foi escolhido e, portanto, deve utilizar toda força, o coração e a inteligência que possui" Você tem agido assim? Acha que Deus ordenou uma vida que O honre, que está além do que você possa alcançar? Não resista, Ele é todo-poderoso. Seus planos jamais se frustrarão. Ele tem poder, e isto basta."Então, lhe disse eu: ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança. Mas o Senhor me disse: Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás. Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor... Eis que hoje te ponho por cidade fortificada, por coluna de ferro e por muros de bronze, contra todo o país, contra os reis de Judá, contra os seus príncipes, contra os seus sacerdotes e contra o seu povo" (Jr 1.6-8,18).

Deus ordenou a Jeremias algo que ele achava ser impossível desempenhar. O chamado para ser um profeta. Isso num tempo onde falsos profetas recebiam toda honra do povo de Israel. Jeremias sabia o que estava envolvido nequele chamado. O profeta deve ser aquilo que prega. A pessoa, bem como a mensagem do profeta, e que desafia os outros a viver de tal forma - que venhamos a cumprir o propósito pelo qual fomos criados. Um profeta leva as pessoas a conhecer Deus, que Ele é... Ele nos desperta da nossa sonolenta complacência, de modo a enxergarmos o drama que é a nossa existência. O profeta suscita a nossa ira ao rejeitar nosso eufemismos, revelar nossos disfarces e, então, traz a tona nossos atos cruéis e motivos egoístas, exibindo de forma que todos possam ver. Não é a toa que os verdadeiros profetas eram assassinados em Israel.

Possuímos muita prática, para como Jeremias fez - levantar toda espécie de justificativas e alegar incapacidade a fim de não viver a plenitude do nosso chamado. "...ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança..." - Jeremias era jovem e se sentia incapaz. Ele não tinha notas altas na escola divina... O Deus que nos chama é capaz - e isto basta. O que era verdade para Jeremias, e verdade para nós também.

Jeremias não foi reconhecido em sua geração - mas isso importa? Deus o reconheceu como servo fiel - mais do que isso não é necessário. Henfil certa vez disse: Se não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da semente".

O Mais Sublime Conhecimento. - C. H.Spurgeon Postado por Charles Spurgeon / On : 14:47/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.




O povo que conhece ao seu Deus se tornará forte. - Daniel 11.32


Todo crente sabe que conhecer a Deus é a melhor e mais sublime forma de conhecimento. Este conhecimento espiritual é uma fonte de fortalecimento para o crente. Fortalece a sua fé. As Escrituras constantemente se referem aos crentes como pessoas iluminadas e ensinadas pelo próprio Senhor. As Escrituras afirmam que os crentes possuem a unção do Santo (ver 1 João 2.20) e que o ofício peculiar do Espírito Santo é guiá-los em toda a verdade; tudo para o incremento e a nutrição de sua fé. O conhecimento fortalece o amor, assim como revigora a fé. O conhecimento abre a porta; e, por meio desta porta, vemos nosso Salvador. Ou, empregando outra figura, o conhecimento pinta um retrato do Senhor Jesus. E, quando vemos esse retrato, passamos a amar a Jesus. Pelo menos em algum grau, não podemos amar um Cristo a quem não conhecemos. Se conhecemos pouco das excelências de Jesus, o que Ele fez e o que está fazendo agora por nós, não podemos amá-Lo tanto. No entanto, quanto mais conhecemos a Jesus, tanto mais nós O amamos.

O conhecimento também revigora a esperança. Como podemos esperar algo, se não temos conhecimento da sua existência? A esperança pode ser o telescópio, mas, até que recebamos instruções, nossa ignorância se coloca na frente da lente, e nada podemos ver. O conhecimento remove o objeto interferente e quando olhamos através da brilhante lente, discernimos a glória a ser revelada e a antecipamos com confiança jubilante. O conhecimento nos fornece razões para sermos pacientes. Como teremos paciência, a menos que saibamos algo da compaixão de Cristo e entendamos o bem que é sair da disciplina na qual nosso Pai celeste nos corrige? Não existe uma única virtude do crente que, nos desígnios de Deus, não será fomentada e trazida à perfeição por meio do conhecimento. Quão importante é que cresçamos não somente em graça, mas também "no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!" (2 Pedro 3.18).

Marcadores

(I Pedro 5:8) (1) 1 Coríntios (3) 1 Pedro (1) 1Pedro (1) 2 Pedro (2) A (1) A palavra da Cruz é Loucura (3) A Parábola do Rico e Lázaro (1) a Semente e os Solos (1) A Volta de Jesus (4) A. W. Tozer (36) A.W Pink (2) Abandonado (1) Aborto (9) Adoração (18) Agostinho (1) Aids (1) Alegria (22) Aliança (1) Alívio (1) Almas (17) Amarás o Próximo (1) Amargura (1) Amém (3) Amizade (5) Amor (70) Anátema (1) Angústia (2) Animais (1) Anjos (3) Anorexia (1) Ansiedade (5) Anticristo (2) Antidepressivo (1) Antigo Testamento (1) Apocalipse (10) Apostasia (5) Apóstolo Paulo (4) Arca de noé (2) Arrebatamento (3) Arrependimento (22) Arrogância (1) Arthur W. Pink (5) As Igrejas de todos os Tipos e para todos os Gostos (1) Ateísmo (4) Ateus (5) Augustus Nicodemus (2) Autoridade (4) Avareza (1) Aviso (2) Avivamento (10) Batalha Espiritual (7) Batismo (4) Bebida Alcóolica (1) Benção (2) Bíblia (49) Boas Novas (1) Bullying (1) Cálice (2) Calvinismo (2) Campanhas no Facebook (1) Cansado (1) Caráter (4) Carnal (1) Carnaval (2) Carne (11) Carta de Deus e do Inferno (2) Carter Conlon (1) Casamento (32) Castigo (1) Catolicismo.Religiao (1) Céu (14) Chamados ao primeiro amor (5) Charles Haddon Spurgeon (274) Cigarro (1) Circo ou Igreja? (1) Cirurgia Plástica (1) Citações Redes Sociais (2) Clodoaldo Machado (1) Cobiça (1) Comunhão (4) Comunidade no Orkut (1) Conhecendo as Histórias da Bíblia (1) Conhecimento (2) Consciência (2) Consolador (3) Copa do Mundo (1) Coração (31) Coragem (4) Corra (1) Corrompidos (1) Cosmovisão Cristã (1) Crer em Jesus (3) Criação (3) Criança (7) Cristãos (60) Cristianismo (19) Cristo (85) Crucificaram (1) Cruz (29) Culto (2) Cultura (4) Cura (6) David Wilkerson (43) Demônio (4) Dennis Allan (23) Denominações (1) Dependência (2) Depravação Humana (11) Depressão (6) Desanimado e fraco (11) Descanso (1) Desejo (1) Desenhos para Crianças (9) Deserto (1) Desigrejados (1) Desonra (1) Desprezado e Rejeitado (3) Desviado (5) Deus (328) Devoção (1) Diabo (9) Dinheiro (11) Discernimento (1) Discipulado (7) Discípulos Verdadeiros (4) Divórcio (9) Divulgue esse Blog (2) Dízimos e Ofertas (3) Dons Espirituais (1) Dor (6) Dores de Parto (1) Doutrinas (5) Dr J.R (1) Drogas (1) Dúvidas (1) Eclesiastes (1) Ego (1) Enganados (1) Envelhecer com Deus (1) Equilibrio (1) Errando (2) Escolha (2) Escolhidos De Deus (10) Escravo por Amor (2) Esforço (1) Esperança (8) Espíritismo (1) Espirito Santo (27) Espirituais (35) Estudo da Bíblia (257) Estudo Livro de Romanos por John Piper (17) Estudo Livro de Rute por John Piper (5) Eternidade (10) Eu Não Consigo (1) Evangelho (76) Evangelho da Prosperidade (13) Evangelho do Reino (1) Evangelismo (5) Evangelizar pela Internet (7) Evolução (1) Exaltação (1) Êxodo (1) Exortação (3) Ezequiel (1) Falar em Linguas (3) Falsos Profetas(Enganação) (17) Família (16) Fariseus (3) (49) Felicidade (6) Festas do Mundo (1) Festas juninas(São João) (1) Fiél (3) Filmes Bíblicos (43) Finais dos Tempos (11) Força (1) Fruto (8) Futebol (1) Gálatas (1) George Müller (1) George Whitefield (2) Glória (44) Graça (47) Gratidão (3) Guerra (4) Hebreus (1) Heresias (3) Hernandes Lopes (110) Hinos (1) Homem (46) Homossexual (6) Honra (1) Humanismo (1) Humildade (9) Humilhado (8) Idolatria (12) Idoso (1) Ignorância (1) Igreja (79) Ímpios (1) Incentivo (1) Incredulidade (2) Inferno (8) Ingratidão (2) Inimigo (2) Inquisição Católica (1) Intercessão (1) Intercessor (1) Intervenção (9) Intimidade (1) Inutéis (1) Inveja (1) Ira (12) Isaías (1) J. C. Ryle (9) James M. Boice (1) Jejum (4) Jeremias (2) Jesus (88) (1) João (4) João Calvino (145) Jogos VIDEO GAMES (2) John Owen (15) John Pipper (587) John Stott (28) John Wesley (1) Jonathan Edwards (92) José (1) Joseph Murphy (1) Josué Yrion (8) Jovens (15) Julgamento (20) Justiça (2) Lave os pés dos seus irmãos Vá em busca dos perdidos e fale do amor de Deus (1) Leão da Tribo de Judá (1) Legalismo vs. Bem-Aventuranças (1) Leonard Ravenhill (52) Liberdade (10) Língua (5) Livre arbítrio (10) Livros (67) Louvor (4) Lutar (7) Maçonaria e Fé Cristã (1) Mãe (2) Mal (18) Maldições Hereditárias (3) Manifestações Absurdas (2) Marca da Besta (1) Mártires (5) Martyn Lloyd-Jones (173) Masturbação (2) Mateus (2) Maturidade (2) Médico dos Médicos (1) Medo (2) Mefibosete (1) Mensagens (372) Mentira (8) Milagres (2) Ministério (10) Misericórdia (13) Missão portas abertas (21) Missões (27) Missões Cristãos em Defesa do Evangelho (1) Monergismo (1) Morrendo (12) Morte (43) Morte de um ente querido que não era crente (1) Mulher (11) Mulheres pastoras (2) Mundanismo (3) Mundo (28) Murmuração (3) Músicas (38) Músicas nas Igrejas.Louvor (8) Namoro ou Ficar (12) Natal (4) Noiva de Cristo (2) Nosso Corpo (1) Novo convertido (10) Novo Nascimento (11) O Semeador (1) O Seu Chamado (13) Obediencia (8) Obras (15) Obreiros (2) Observador (2) Oração (67) Orgulho (10) Orgulho Espiritual (1) Orkut (1) Paciência (7) Pai (1) Pais e Filhos (21) Paixão (3) Paixão de Cristo (2) Parábola Filho Pródigo (2) Parábolas (9) participe do nosso grupo e curta nossa página! (1) Páscoa (1) Pastor (18) Paul Washer (216) Paulo Junior (239) Paz (4) Pecado (106) Pecadores (12) Pedofilia (2) Perdão (16) perse (1) Perseguição (13) Pobre (4) Poder (18) Por que tarda o pleno Avivamento? (3) Pornografia (8) Porque Deus permite o sofrimento dos inocentes (2) Porta Estreita (2) Pregação (24) PREGAÇÕES COMPLETAS INTRODUÇÃO ESCOLA DE OBREIROS (1) Profecias (3) Profetas (3) Prostituição (2) Provação (2) Provar o Evangelho Para Aqueles que Não acreditam Na Bíblia (1) Provérbios (1) Púlpito (3) Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma (1) R. C. Sproul (29) Realidade (1) Rebelde (1) Redes Sociais (2) Reencarnação (2) Refletindo Sobre Algumas coisas (1) Reforma e Reavivamento (1) Reforma Protestante (3) Refúgio (2) Regeneração (16) Rei (3) Relativismo (1) Religião (7) Renúncia (2) Ressuscitou (5) Revelação (1) Ricardo Gondim (1) Richard Baxter (7) Rico (12) Romanos (20) Roupas (1) Rupert Teixeira (4) Rute (5) Sabedoria (12) Sacrifício (3) Salvação (45) Sangue de Cristo (3) Santa Ceia (2) Santidade (34) Satanás (15) Secularismo (1) Segurança Completa (1) Seitas (3) Semente (1) Senhor (10) Sensualidade (2) Sermão da Montanha (2) Servos Especiais (4) Sexo (8) Sinais e Maravilhas (2) Soberba (1) Sofrimento (24) Sola Scriptura (1) Sola Scriptura Solus Christus Sola Gratia Sola Fide Soli Deo Gloria (4) Soldado (1) Sozinho (3) Steven Lawson (12) Submissão (1) Suicídio (2) Televisão um Perigo (8) Temor (4) Tempo (5) Tentação (9) Teologia (2) Teologia da Prosperidade (4) Tesouro que foi achado (4) Tessalonicenses 1 (1) Testemunhos (29) Thomas Watson (17) Tim Conway (38) Timóteo (1) Todo homem pois seja pronto para ouvir tardio para falar tardio para se irar Tiago 1.19 (1) Trabalho (2) Tragédia Realengo Rio de Janeiro (2) Traição (4) Transformados (1) Trevas e Luz (2) Tribulação (10) Trindade (2) Tristeza (5) Trono branco (2) Tsunami no Japão (2) tudo (231) Uma Semente de Amor para Russia (1) Unção (3) Ungir com Óleo (1) Vaidade (3) Vaso (2) Velho (1) Verdade (30) Vergonha (3) Vestimentas (1) Vícios (6) Vida (39) Vincent Cheung (1) Vitória (5) Vontade (1) Votação (1) Yoga (1)

Comentários:

Mensagem do Dia

O homem, cujo tesouro é o Senhor, tem todas as coisas concentradas nEle. Outros tesouros comuns talvez lhe sejam negados, mas mesmo que lhe seja permitido desfrutar deles, o usufruto de tais coisas será tão diluído que nunca é necessário à sua felicidade. E se lhe acontecer de vê-los desaparecer, um por um, provavelmente não experimentará sensação de perda, pois conta com a fonte, com a origem de todas as coisas, em Deus, em quem encontra toda satisfação, todo prazer e todo deleite. Não se importa com a perda, já que, em realidade nada perdeu, e possui tudo em uma pessoa Deus de maneira pura, legítima e eterna. A.W.Tozer

"A conversão tira o cristão do mundo; a santificação tira o mundo do cristão." JOHN WESLEY"

Minha foto

Darliana+ Missões Cristãos em Defesa do Evangelho+✿Apenas uma alma que foi resgatada através da graça e misericórdia de Deus,Dai de graça o que de graça recebeste' (Mt. 10,8). Latim para estar em consonância com as cinco teses que dão sustentação ao “pensamento”e à vida do genuíno cristão reformado: sola scriptura,sola gratia, sola fide,solus christus, soli deo gloria. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8 : 32) "Um cristão verdadeiro é uma pessoa estranha em todos os sentidos." Ele sente um amor supremo por alguém que ele nunca viu; conversa familiarmente todos os dias com alguém que não pode ver; espera ir para o céu pelos méritos de outro; esvazia-se para que possa estar cheio; admite estar errado para que possa ser declarado certo; desce para que possa ir para o alto; é mais forte quando ele é mais fraco; é mais rico quando é mais pobre; mais feliz quando se sente o pior. Ele morre para que possa viver; renuncia para que possa ter; doa para que possa manter; vê o invisível, ouve o inaudível e conhece o que excede todo o entendimento." A.W.Tozer✿

Postagens Populares

Bíblia OnLine - Leitura e Audio

Bíblia OnLine - Leitura e Audio
Alimentar-se da Palavra "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." (Hebreus 4 : 12).Erram por não conhecer as Escrituras, e nem o poder de Deus (Mateus 22.29)Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo. Apocalipse 1:3

Feed: Receba Atualizações Via Email

Coloque o seu endereço de email e receba atualizações e conteúdos exclusivos:

Cadastre seu E-mail.Obs.: Lembre-se de clicar no link de confirmação enviado ao seu e-mail.