Tradutor

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

10 de nov de 2010

John Piper - Para onde vão as crianças e bebês que morrem?


O Banquete de Deus e o Banquete do Diabo-parte 1/2


O Que é o Evangelho?


Série Livros para ler - Charles Haddon Spurgeon - Eleição




Jovens Cristãos - Paulo Junior


Uma Só Palavra

 

“E, entrando Jesus em Cafarnaum, chegou junto dele um centurião, rogando-lhe,E dizendo: Senhor, o meu criado jaz em casa, paralítico, e violentamente atormentado.E Jesus lhe disse: Eu irei, e lhe darei saúde.E o centurião, respondendo, disse: Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado, mas dize somente uma palavra, e o meu criado há de sarar.”
Hoje, o desejo do meu coração é que através dessa mensagem escrita seu coração seja fortalecido e se encha de fé e esperança.
Que demonstrações de fé tremendas – capazes de nos renovar e ensinar – são narradas nos Evangelhos, sem dúvida os Evangelhos são inspirações de fé! Creio ser essa, a demonstração de fé do centurião de Cafarnaum uma das mais extraordinárias de toda Bíblia – que exemplo fantástico de fé! Ele possuía um criado doente, e foi a Jesus rogar por ele, Jesus movido pela sua humildade e submissão e também pelo bem estar do criado, atende sua súplica e diz: “Eu irei, e lhe darei saúde”.
Aqui já aprendemos algo notável no centurião, quando ele responde: “Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado”. Ele expressa profunda reverência e temor a Jesus, e logo em seguida ele pronuncia uma das declarações de maior expressão de fé nas Escrituras, dizendo a Jesus: “Mas dize somente uma palavra, e o meu criado há de sarar”.
Que declaração maravilhosa foi essa! A fé, a convicção, a certeza do centurião foram tão descomunais que fizeram Jesus ficar impressionado: “E maravilhou-se Jesus, ouvindo isto, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que nem mesmo em Israel encontrei tanta fé”. Essa é a única passagem que mostra Jesus sendo impactado por alguém. Que exemplo de fé para nós, que confiança em Deus, que conhecimento do Seu poder – “BASTA UMA PALAVRA”.
É isso o que eu quero ensinar a você, você notou? Você ouviu o que disse o centurião? “Uma só palavra”, da parte de Deus, apenas isso, e tudo pode ser mudado! Olhe a sua volta, veja toda essa adversidade que você está passando, quão grande, quão colossal, quão diabólica... É praticamente impossível que haja solução, cura, saída... Você está totalmente perdido e confuso! Mas para Deus basta que Ele diga: “uma palavra”, uma só palavra e tudo isso que você está passando pode mudar. Meu Deus! Por que temos dificuldade de crer em tão grande poder?
Amado irmão creia comigo, quão encorajadoras são essas palavras! Mesmo nesse estado insolúvel que você se encontra, basta um só movimento do seu pensamento, uma só vibração do seu ser e você será liberto desse pecado instantaneamente, e poderá ser santificado, transformado como Isaías (Is. 6). Uma simples ordem de Deus e toda essa tribulação, dor, adversidade, por mais terrível que pareça, pode desaparecer – uma só palavra!
Você logo pergunta: então porque ele não libera essa palavra? Porque Ele está esperando você crer, Ele está esperando você ser ousado o suficiente como o centurião e dizer para os seus problemas, para seus pecados, dores e doenças, Ele está esperando você dizer para o diabo e o inferno que estão te atormentado: “basta meu Deus dizer uma palavra e vocês todos virão à baixo”! Ele está esperando você dizer para Ele próprio: “eu confio no Senhor,eu creio no Seu grande poder, Tu tens tanto poder e magnificência que só uma palavra é suficiente! Você teria audácia de crer nisso?
Pois é, se assim for, você não só deixará o seu Senhor e Mestre maravilhado, mas da mesma forma que o centurião terá a resposta a sua causa: “E naquela mesma hora o seu criado sarou”. Louvado seja o nome do Senhor! Que nós venhamos a descansar em tão grandes promessas e saber que nosso Deus, com sua poderosa palavra, está no controle de tudo!
Paulo Junior.

Não se desespere, na crise olhe para Jesus

 

INTRODUÇÃO

1. O livro de Apocalipse é temido por muitos e evitado pela maioria dos cristãos. Isso, por causa de dois equívocos: 1) A idéia de que o Apocalipse é um livro selado, que trata de coisas encobertas, veladas, secretas, difíceis de serem entendidas. Mas isso não é verdade: o Apocalipse significa exatamente o contrário. É revelar o que estava escondido. É trazer à luz o que estava oculto. O livro do Apocalipse é um livro aberto e não selado. 2) A idéia de que o Apocalipse fala de catástrofe, tragédia e caos. Esse é o significado da palavra hoje. Mas Apocalipse não fala de caos nem de catástrofe, mas do plano, propósitos e da vitória gloriosa de Cristo e da sua igreja.
2. A. W. Pink em seu livro “Deus é Soberano” pergunta: Quem controla o mundo hoje: Deus ou o diabo? Agora o mal parece prevalecer. Agora o diabo parece estar controlando a política, a economia, as estruturas educacionais, a comunicação e o lazer. Agora as forças malignas parecem agir com toda fúria. Os ímpios parecem prevalecer. Agora a grande Babilônia sufoca a Jerusalém Celeste. Mas, o juízo está próximo: o diabo, o anticristo, o falso profeta, a babilônia, os ímpios serão lançados no lago do fogo e Cristo reinará com a sua igreja pelos séculos dos séculos.

I. NUM TEMPO DE CRISE, JESUS MOSTRA SEUS PLANOS GLORIOSOS

1. O Apocalipse não é simplesmente o mapa dos acontecimentos futuros, mas a revelação de Jesus Cristo – v. 1
• O Apocalise não fala tanto de fatos, mas de uma Pessoa. O futuro está atrelado à pessoa de Jesus Cristo. É ele quem tem as chaves da história nas mãos. Foi ele que foi encontrado digno de abrir o livro e desatar-lhe os selos. As coisas que em breve vão acontecer, vão acontecer debaixo do domínio de Cristo. A história não é cíclica. Ela não está fora de controle. Jesus está no comando.

2. O Apocalipse é a revelação de Jesus dada pelo próprio Deus triúno – v. 4-5
• O Pai, o Filho e o Espírito é Deus vivo e verdadeiro que fala, que se comunica, que se revela num tempo de crise, de dor, de perseguição, de aperto. A terra está sendo assolada, a igreja perseguida, mas quando os ímpios pensam que estão no controle, o Deus tríuno rompe do silêncio e envia para a sua igreja uma mensagem de graça e paz.

3. O Apocalipse mostra que no meio da tormenta Deus sempre traz uma palavra de esperança – v. 9-10
a) As perseguições eram sistemáticas
• Os imperadores romanos estavam começando a usar o título de Deus: Júlio César, Augusto, Cláudio, Vespasiano e Tito tinham sido declados divinos pelo senado romano.
• Domiciano (81-96) tinha avançado mais nesta tendência, exigindo que o chamassem de DOMINUS ET DEUS (Senhor e Deus).
• Domiciano foi chamado o segundo Nero. Nero pôs fogo em Roma. Tito pôs fogo em Jerusalém. Agora Domiciano põe fogo nos cristãos: os cristãos eram queimados, crucificados, jogados às feras, pisoteados. As perseguições de Domiciano eram mais sistemáticas e abrangentes que as de Nero. Ávido por honras divinas, a perseguição espalhou-se pela Ásia. Os cristãos estavam sendo forçados a adorá-lo como Senhor e Deus. Esse era o sinal de lealdade política, de submissão a Roma. Os cristãos estão sofrendo ameaças, prisões e morte.
• É nesse contexto que João é preso, banido para a ilha de Patmos (14Km x 7 Km). Mas ao mesmo tempo que ele está geograficamente em Patmos, ele também se acha em espírito. Em Patmos sofremos, em espírito reinamos. Roma quer torturar o apóstolo por causa da Palavra, mas Deus usa o seu sofrimento para abrir-lhe a porta do céu, levantando a ponta do véu e revelando a ele a vitória triunfal de Cristo e da sua igreja.
b) Os desvios doutrinários eram constantes
• A igreja estava sofrendo não apenas perseguição física, mas também espiritual. As heresias urdidas nas mentes pervertidas estavam atacando a igreja: Em Pérgamo, um dos centros do culto do imperador na Ásia estava o trono de Satanás. Em Tiatira a doutrina imoral de Jezabel estava entrando na igreja. Em Pérgamo sustentavam a doutrina de Balaão, aqueles que vendem a consciência por dinheiro. 
• Hoje a igreja enfrenta també muitas heresias: misticismo, liberalismo, mercadejamento da fé e ortodoxia morta.
c) Imoralidade era ameaçadora
• Gibbon, historiador antigo, disse que dos 15 imperadores, 14 eram homossexuais, apenas Cláudio não o era, mas sua mulher era prostituta.
• O espírito da grande Babilônia era o espírito da prostituição. A imoralidade estava entrando dentro das igrejas de Ásia Menor.
• Em Pérgamo (capital da Ásia, centro do culto ao imperador) onde estava o trono de Satanás, a imoralidade tinha ganhado defesa e apologia dentro da igreja.
• Ém Tiatira a prostituição era ensinada dentro da igreja.
• Hoje, também, o padrão de pureza tem caído dentro das próprias igrejas.
d) As tensões eram chocantes
• O livro de Apocalipse mostra a tensão entre Cristo e o Anticristo; entre o Cordeiro e o Dragão; entre a Cidade Santa (Jerusalém) e a Grande Babilônia.
• O diabo ataca a igreja de várias direções: PERSEGUIÇÃO, HERESIA, IMORALIDADE. 1) Ora o ataque é físico – perseguição; 2) Ora o ataque é espiritual – falsos ensinos; 3) Ora o ataque é moral – imoralidade.
• Estas foram as 3 estratégias do diabo representados no Apocalipse como os 3 aliados do Dragão: 1) A Besta do Mar – O Anticristo – perseguição; 2) A Besta da Terra – O falso profeta – Heresia; 3) A Grande Babilônia – A prostituta – A imoralidade.
• Em cada época, a igreja tem enfrentando os mesmos problemas: o diabo ataca em um lugar hostilizando, fechando portas, perseguindo. Ataca com ideologias e doutrinas falsas e ataca seduzindo as pessoas ao pecado e imoralidade.
• Nesse tempo Deus encoraja a igreja a suportar a tribulação, apegar-se à verdade e resistir à sedução do pecado.

II. NUM TEMPO DE CRISE JESUS MOSTRA A SUA MAJESTADE EXPLENDOROSA
A. Quem Cristo é? – v. 5,13-18
a. Seus títulos gloriosos
1. Ele é o Supremo Profeta – v. 5 – Cristo é a Testemunha Fiel, o mensageiro e a mensagem. Ele é a verdade. Jesus é a mensagem de Deus para o mundo. O mundo precisa de Jesus. 
2. Ele é o Supremo Sacerdote – v. 5 – Ele é o Primogênito dentre os mortos. Ele é o sacerdote e o sacrifício, o ofertante e a oferta. Ele ofereceu o sacrifício perfeito. Ele matou a morte. Venceu a morte. Uma igreja que está enfrentando o martírio precisa ouvir que o seu Deus venceu o poder da morte.
3. Ele é o Reis dos reis – v. 5 – Jesus está acima de Roma, dos imperadores. Ele está acima dos impérios, das nações sobertas, dos reis da terra, dos presidentes que ostentam o seu poder. Diante dele todo joelho precisa se dobrar.

b. Seus atributos gloriosos
1. Ele é eterno – v. 14, 17 – cabelos brancos como a lã, o primeiro e o último.
2. Ele é onisciente – v. 14 – os olhos como chama de fogo.
3. Ele é onipotente – v. 15 – Os pés de bronze e a voz como de muitas águas.
4. Ele é onipresente – v. 12-13 – ele está no meio dos candeeiros.
5. Ele é guerreiro vitorioso – v. 16 – a sua única arma é a espada do Espírito que sai da sua boca. E o seu rosto brilhava como o sol na sua força.
6. Ele é o vencedor da morte – v. 18 – Esteve morto, mas está vivo.
7. Ele é aquele que tem autoridade suprema – v. 18 – ele tem as chaves da morte e do inferno.

III. NUM TEMPO DE CRISE JESUS MOSTRA SUAS OBRAS PORTENTOSAS
A. O que Cristo fez por nós
1. Ele morreu por nós e nos libertou dos nossos pecados – v. 6
2. Ele nos deu livre acesso à presença de Deus – v. 6
3. Ele nos guindou à posição de príncipes – v. 6
4. Ele nos garante vitória sobre a morte – v. 18

B. O que Cristo faz por nós
1. Ele nos ama – v. 5 – Os primeiros cristãos estavam enfrentando o martírio e saber que Cristo os ama e deu sua vida por eles, era um profundo encorajamento para eles enfrentarem os tempos tenebrosos.
2. Ele anda no meio da igreja
a) Para conhecer
• Conheço as tuas obras (2:2) – Éfeso
• Conheço a tua tribulação (2:9) – Esmirna
• Conheço o lugar onde habitas (2:13) – Pérgamo
• Conheço as tuas obras, amor,fé, perseverança (2:19) – Tiatira
• Conheço as tuas obras qwue tens nome de que vives, mas estás morto (3:1) – Sardes
• Conheço as tuas obras – eis que tenho posto uma porta aberta diante de ti (3:8) – Filadélfia
• Conheço as tuas obras – que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente (3:15) – Laodicéia.
b) Para exortar 
• Tenho porém contra ti que abandonaste o teu primeiro amor – Éfeso
• Tenho contra ti algumas coisas: pois tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão, e os que sustentam a doutrina dos nicolaítas – Pérgamo.
• Aconselho-te que mim compres ouro refinado… – Laodicéia
c) Para consolar
• Não temas as coisas que tens de sofrer – Esmirna
• Tens umas poucas pessoas que não contaminaram suas vestes – Sardes
d) Para encorajar 
• Ao vencedor dar-lhe-ei que se alimenta da árvore da Vida – Éfeso
• Ao vencedor não sofrerá a segunda morte – Esmirna
• Ao vencedor dar-lhe-ei a estrela da manhã – Pérgamo
• Ao vencedor darei vestiduras brancas – Sardes
• Ao vencedor farei coluna do Santuário do meu Deus – Filadelfia.
• Ao vencedor se assentará comigo no meu trono – Laodicéia.

C. O que Cristo fará por nós
1. Ele voltará para nós – v. 7
• Voltará visivelmente
• Voltará pessoalmente
• Voltará audivelmente
• Voltará gloriosamente
• Voltará triunfantemente

CONCLUSÃO
1. Que atitudes devemos ter diante da manfestação de Deus?
a) Um assombro cheio de profunda reverência diante da sua majestade – v. 17
b) Conforto em sua presença e promessas – v. 17-18
c) Uma sede de conhecer a sua Palavra e adorar ao Senhor e obedecê-lo– v. 3.
2. Este texto nos mostra o que João ouviu (9-11), o que João viu (12-16) e o que João fez (17-18). Quando João ouviu sua voz, viu sua majestade, caiu aos seus pés. Mas Jesus o tocou e lhe disse: Não fique com medo. Não preciso ter medo da vida nem da morte, porque o nosso Deus está vivo. Ele já venceu a morte. Ele tem as chaves da morte e do inferno. Um dia ele enfiará a chave na fechadura da nossa sepultura e nos dará um corpo novo. Ele é o único que tem autoridade.
3. Não precisamos temer a eternidade, porque o nosso Deus é o Alfa e o Ômega e com ele reinaremos.
4. O que precisamos hoje é uma visão clara da majestade e da glória de Jesus. Temos essa consciência de que o Rei dos reis está passeando entre nós, nos sondando, nos conhecendo, nos exortando e nos encorajando? Precisamos vê-lo assentado no seu alto e sublime trono. Precisamos conhecer um pouco do que significa cair aos seus pés. O mesmo João que debruçava em seu peito, agora cai aos seus pés. 
5. Evan Roberts: orava sempre: Dobra-me, dobra-me, dobra-me. E quando Deus o respondeu: o grande avivamento do País de Gales aconteceu!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Privado de Prazeres




O rei moabita, Balaque, fez uma proposta extremamente atraente. Ele chamou o profeta Balaão para fazer um serviço, e lhe ofereceu bens e honra. Contra a vontade de Deus, o profeta foi. Balaque mostrou-lhe o povo de Israel que estava ameaçando dominar a região e pediu que o profeta amaldiçoasse os invasores. Balaão, seduzido pelas riquezas que o rei ofereceu, tentou repetidas vezes amaldiçoar os israelitas. Mas, cada vez que ele abriu a boca, Deus controlou a sua língua e fez com que falasse bênçãos. Ao invés de lançar maldições sobre o povo escolhido por Deus, ele falou de sua prosperidade contra Moabe e seus aliados. No final da história, Balaque mandou o profeta embora e recusou pagá-lo! Ele disse: "Agora, pois, vai-te embora para tua casa; eu dissera que te cumularia de honras; mas eis que o Senhor te privou delas" (Números 24:11).
O Senhor privou Balaão de honras! Essa explicação dada pelo rei moabita representa bem a maneira que os servos de Satanás têm feito desde o princípio. O próprio diabo, no jardim do Éden, convenceu Eva que Deus estivesse a privando de conhecimento (Gênesis 3:5). Os pecadores procuram pessoas inocentes, oferecendo "toda sorte de bens preciosos", não explicando o fato que o "espírito de ganância tira a vida de quem o possui" (Provérbios 1:8-19). Falsos mestres prometem "liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção"do mundo (2 Pedro 2:19-20).
Pessoas do mundo olham para os servos de Cristo como coitados privados de prazeres e carecidos de liberdade. As pessoas que subiram do Egito com os israelitas encheram a cabeça do povo com mentiras e falsas esperanças, fazendo com que os escolhidos por Deus ficassem descontentes e rebeldes contra Deus (Números 11:4-6). Semelhantemente, os aliados de Satanás hoje fazem a cabeça de pessoas ingênuas, lhes persuadindo que Deus esteja lhes privando das melhores coisas da vida. Tais enganadores jamais afirmam a verdade: "A casa dos perversos será destruída, mas a tenda dos retos florescerá" (Provérbios 14:11).

por Dennis Allan

Paciência e longanimidade - LUTERO - Cl 1.9-12





“... crescendo no pleno conhecimento de Deus; sendo fortalecidos com todo poder, segundo a força de sua glória em toda a perseverança e longanimidade com alegria”. (vv. 10s.)




Precisamos ser fortalecidos na fé por uma tal força ou poder e devemos buscar esta força e ater-nos a ela por meio da palavra de Deus, e orar para que não haja apenas um começo, mas, também, continuidade e fim e, assim, esse poder aumente mais e mais.Agora, ser, assim, fortalecido e vencer, isso só pode dar-se em meio a muita paciência. Sim, e só paciência não basta, é preciso também longanimidade. E essa se distingue da paciência por ser maior e mais forte. Pois o diabo usa a seguinte tática: se não consegue vencer alguém por meio de sofrimento e tormentos, passa a usar a demora como arma, fazendo com que a paciência seja demais e muito longa, e pareça que não tem fim, de sorte que, finalmente, consegue enfraquecer e cansar a pessoa, tirando-lhe o ânimo e a esperança de vencer.


Para fazer frente a isso, é necessário, além da paciência, a longanimidade que se mantém firme e constante e continua a sofrer, dizendo assim: “Você não vai conseguir fazer com que isso me parece demais ou muito demorado, mesmo que dure até ao dia do juízo final”. Esse é o verdadeiro e nobre poder cristão, que, em meio à batalha e sofrimento, consegue suportar toda e qualquer demora. Mas, aqui, também precisamos, acima de tudo, o fortalecimento e o poder de Deus através da oração, para que não sejamos derrotados nesta árdua luta, mas cheguemos a bom termo.E essa paciência e longanimidade vocês devem rer e colocar em prática com alegria.

Porque os pastores (e outras pessoas) deveriam escutar Lutero – John Piper








Em primeiro lugar, Lutero foi um pregador — mais pregador do que a maioria dos pastores. Conhecia o fardo e a pressão da pregação semanal. Havia duas igrejas em Wittenberg, a igreja da cidade e a igreja do castelo. Lutero era um pregador regular na igreja da cidade. Ele afirmou: "Se hoje pudesse me tornar rei ou imperador, ainda assim não renunciaria ao meu ofício de pregador".Era compelido por uma paixão pela exaltação de Deus na Palavra. Em uma das suas orações, ele diz: "Querido Senhor Deus, quero pregar para que o Senhor seja glorificado. Quero falar do Senhor, louvar ao Senhor, louvar o teu nome. Mesmo que eu não possa fazer tudo isso, será que o Senhor não poderia fazer com que tudo isso desse certo"?

Para sentir a força desse compromisso, você precisa perceber que na igreja em Wittenberg não havia nenhuma programação de igreja, somente louvor e pregação. Aos domingos, havia o louvor das cinco horas com um sermão na Epístola, o culto das dez horas com um sermão do Evangelho e uma mensagem da tarde sobre o Antigo Testamento ou catecismo. Os sermões de segunda e terça-feira eram sobre o catecismo; o de quarta-feira sobre Mateus; às quintas e sextas sobre as cartas apostólicas; e aos sábados sobre João.

Seu amigo, Johannes Bugenhagen, foi o pastor da igreja da cidade de 1521 a 1558. Mas Lutero compartilhava as pregações toda semana em que ele se encontrava na cidade. Pregava porque o povo da cidade desejava escutá-lo e porque ele e seus contemporâneos entendiam seu doutorado em teologia como um chamado para ensinar a Palavra de Deus a toda igreja. Portanto, Lutero pregava duas vezes no domingo e uma vez durante a semana. Walther von Loewenich disse em sua biografia: "Lutero foi um dos maiores pregadores da história da cristandade (...) Entre 1510 e 1546, Lutero pregou cerca de três mil sermões. Freqüentemente, pregava várias vezes por semana, e quase sempre duas ou mais vezes por dia".

Por exemplo, ele pregou 117 sermões em Wittenberg em 1522 e 137 sermões no ano seguinte. Em 1528, pregou quase 200 vezes e no ano de 1529, pregou 121 sermões. Portanto, nesses quatro anos, a média foi de um sermão a cada dois dias e meio. Como Fred Meuser disse no livro sobre a pregação de Lutero: "Ele nunca tirou um fim de semana de folga. Nem mesmo um dia por semana de folga. Nunca tirou férias do trabalho de pregação, ensino, estudo individual, produção, escrita e aconselhamento".Essa é sua primeira conexão com aqueles de nós que somos pastores. Ele conhece o fardo da pregação.

Em segundo lugar, como a maioria dos pastores, Lutero era um homem de família. Pelo menos da idade de 41 anos aos 62. Ele conhecia a pressão e o sofrimento de ter, criar e perder filhos. Katie deu à luz seis crianças em rápida sucessão: Johannes (1526), Elisabeth (1527), Magdalena (1529), Martin (1531), Paul (1533) e Margaret (1534). Façamos um pequeno cálculo aqui.

O ano entre o nascimento de Elisabeth e Magdalena foi o ano no qual ele pregou 200 vezes (mais de uma vez a cada dois dias). Acrescente a isso o fato de Elisabeth ter morrido nesse ano com oito meses de idade. Lutero, porém, continuou a pregar, apesar do sofrimento.

E, antes de pensarmos que tenha negligenciado seus filhos, considere que domingo à tarde, após ter pregado duas vezes, Lutero dirigia as devoções em sua casa, que eram praticamente outro culto de louvor durante uma hora, incluindo convidados além das crianças. Portanto, Lutero conhecia as pressões de ser um homem do público e de ter família.

Em terceiro lugar, Lutero era um clérigo, não um teólogo acadêmico que evitava os problemas do cotidiano fechando-se em uma torre de marfim. Não somente participava de quase todas as controvérsias e conferências de sua época, como, em geral, também era o líder delas. Havia a controvérsia de Heidelberg (1518), o encontro com o cardeal Caetano em Augsburg (1518)         , a disputa Leipzig com Johann Eck e Andrew Karlstadt (1519)    , a dieta de Worms diante do imperador (1521), o colóquio Marburg com Zuínglio (1529) e a dieta de Augsburg (mesmo não estando lá pessoalmente, 1530).

Além de seu envolvimento ativo em conferências nas igrejas, também se dedicou a uma quantidade inacreditável de publicações, todas voltadas para a igreja. Por exemplo, em 1520, Lutero escreveu 133 obras; em 1522, 130; em 1523, 183 (uma a cada dois dias!) e a mesma quantidade em 1524.27 Ele era o pára-raios das críticas feitas contra a Reforma. "Todos afluíam a ele, cercando sua porta de hora em hora, grupos de cidadãos, doutores, príncipes. Enigmas diplomáticos precisavam ser resolvidos, assuntos teológicos complicados precisavam ser postos em ordem e a ética da vida social necessitava de ser exposta e explicada".

Com a queda do sistema medieval da vida eclesiástica, uma maneira completamente nova de pensar sobre a igreja e a vida cristã, precisava ser desenvolvida. Na Alemanha, essa tarefa ficou, em grande parte, nas mãos de Lutero. E surpreendente como ele se lançou aos assuntos corriqueiros da vida paroquiana. Por exemplo, quando foi decidido que os "inspetores" do Estado e da universidade seriam mandados a cada paróquia para averiguar a condição das igrejas e fazer sugestões a respeito da vida delas, Lutero tomou sobre si a tarefa de escrever as normas de procedimento: "Instruções para os inspetores de pastores das paróquias na Saxônia eleitoral". Ele tratou de uma grande variedade de problemas práticos. Quanto à educação das crianças, ele chegou ao ponto de determinar que primeiras séries deveriam ser divididas em três grupos: pré-leitores, leitores e leitores avançados, além de dar sugestões sobre como ensiná-las:

Primeiro, eles irão aprender o livro elementar no qual são encontrados o alfabeto, o Pai-Nosso, o Credo e outras orações. Após terem aprendido essas coisas, receberão Donatus e Cato, para ler Donatus e para expor Cato. O professor deverá expor um ou dois versos por vez e as crianças deverão repeti-los para que possam construir um bom vocabulário.

Vemos então que esse professor universitário estava intensamente envolvido com as tentativas de solucionar os problemas mais práticos do ministério, do berço à sepultura. Ele não estudava durante folgas ininterruptas de licenças ou nos longos verões. Era constantemente cercado e estava constantemente em ação.

Portanto, mesmo sendo professor universitário, há uma boa razão para pastores e ministros leigos da Palavra atentar para o seu trabalho e ouvir suas palavras, a fim de aprenderem e serem inspirados para o ministério da Palavra — a "Palavra externa", o Livro.

A obra – (Sermão) – C. H. Spurgeon Postado por Charles Spurgeon / On : 16:14/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.


Noite de Quinta-Feira - 21 de Março de 1867

"Enquanto é dia, precisamos realizar a obra daquele que me enviou. A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar" (João 9.4).

Vocês observam que uma pergunta especulativa fora postulada diante de nosso Senhor, e que sua resposta a ela é: "Devo trabalhar." Seus discípulos querem saber algo a respeito do fato misterioso, que algumas pessoas nascem em uma situação infeliz - cegas, surdas ou mudas - e por terem sido enviadas a este mundo em situações tão desvantajosas. Vocês não gostariam de saber? Vocês não gostariam que o Salvador tivesse esclarecido todo esse mistério? Existem tantos aspectos controvertidos sobre essa questão, que dificilmente poderia haver um tema mais sugestivo. Por certo, ele poderia nos ter iluminado muito mais do que Sócrates ou Platão. Com semelhante oportunidade tão nobre, por que não se adiantou logo no labirinto da metafísica, ou começou a expor a predestinação e a tratar dos aspectos nos quais esta concorda ou discorda com o livre arbítrio? Aí estava uma oportunidade nobre para interpretar todas as maravilhas da soberania divina e da causalidade natural. Por que ele não passou imediatamente a abrir tudo isso diante do povo. Não; com uma resposta bastante brusca, ele se volta para eles e diz: "Eu preciso trabalhar; vocês podem ficar pensando; vocês podem falar; vocês podem discutir, mas eu devo trabalhar. Vocês podem se entregar, caso não saibam fazer coisa melhor, à ocupação inferior das discussões ruidosas a respeito das palavras, mas eu devo trabalhar. Tenho chamadas mais nobres para atender do que obedecer àquelas que chegam aos seus ouvidos carnais."

Entendemos, portanto, que o Salvador respeita mais o trabalho do que a especulação; que quando ele entra no mundo, ele irá a todos os pensadores poderosos e aos cavalheiros que constantemente produzem idéias novas, com maravilhosos pormenores de sutileza, e os pesará na balança, avaliando-os como lixo; mas quando acha uma única pessoa que trabalha, uma pobre viúva que contribuiu com suas duas moedinhas, um pobre santo que falou em favor de Cristo e foi o meio de uma alma ser convertida, ele pegará essas obras, feitas por amor a ele, como grãos preciosos de ouro valioso. Podemos dizer, a respeito do campo do empreendimento e da obra em favor de Cristo, assim como está escrito a respeito da terra de Havilá: "O ouro daquela terra é bom", e Cristo o considera assim. Ele avalia em alto preço a obra da fé e a labuta do amor feita para ele.

I. Pedirei que prestem atenção ao texto, aos citarmos suas palavras, que seguiremos de perto; e a primeira coisa que devemos observar é uma necessidade de trabalhar - "Eu preciso trabalhar."

Com Cristo não se tratava de "Talvez faça se eu quiser"; nem: "Posso se quiser", não se tratava de uma mera possibilidade e potencialidade da obra, mas de uma necessidade imperiosa - "Eu preciso." Ele não podia deixar de fazer assim. Se eu posso empregar semelhantes palavras a respeito de quem não é menos divino do que humano, ele estava sob constrangimento, era obrigado, era compelido. As cordas que o amarravam, no entanto, eram as cordas da sua divindade. Elas eram as cordas do amor que amarravam Jesus, que é o amor. "Preciso trabalhar." Era por amar tanto os filhos dos homens que não poderia ficar sentado, olhando-os perecer. Não poderia descer do céu e ficar em pé aqui, vestido da nossa carne mortal, e ser um espectador impassível, descuidado, desocupado, de tanta maldade, de tanta desgraça. Seu coração batia forte com a boa vontade. Ansiava por praticar o bem, e sua ação maior e mais grandiosa - seu sacrifício de si mesmo -, era um batismo pelo qual precisava passar, e se sentia angustiado até que este se realizasse (Lc 12.50). Sua grandiosa alma, dentro dele, não podia se sentir acomodada. Era como o mar agitado que não podia descansar. Cada um dos seus pensamentos parecia um vagalhão que não podia parar. A sua alma inteira era como um vulcão que começa a se inchar de lava e quer dar vazão a ela. Ele precisa deixar sua alma explodir em consagração de devoção calorosa à causa daqueles que veio salvar. "Eu preciso", diz ele; "Eu preciso trabalhar."

Não somente o amor dentro dele produzia essa compulsão, mas também a tristeza externa o compelia. Aquele cego tocara na corda secreta que colocou a alma do Salvador em andamento. Se aquele cego não estivesse ali; ou, melhor, se tivesse sido possível ao Salvador esquecer-se dos casos de desgraça que existiam ao redor, talvez tivesse se mantido inativo; mas porque ele via, sempre diante da sua alma, as multidões perecendo como ovelhas sem pastor; porque reconhecia, muito mais vividamente do que vocês e eu já reconhecemos, o valor de uma alma e o horror de uma alma ser perdida, sentia como se não pudesse ficar parado. "Eu preciso trabalhar", disse ele. Meus irmãos, imaginemse em pé na praia enquanto um navio está sendo estraçalhado nas rochas. Se houvesse alguma coisa que pudessem fazer para salvar os marinheiros, vocês não sentiriam isso dentro de si mesmos: "Eu preciso trabalhar"? Diz-se até que, às vezes, quando uma multidão vê um navio sendo despedaçado, e escuta os gritos daqueles que se afogam, parecem todos tomados por loucura, porque, sem poder expressar de alguma forma prática a sua bondade e o seu sentimento fraternal para com os que perecem, não sabem o que fazer, e estão dispostos a sacrificar a própria vida se pudessem fazer algo para salvar os outros. Os ho-mens acham que devem trabalhar na presença de uma necessidade pavorosa. E Cristo viu esse nosso mundo estremecendo acima do abismo. Ele o viu flutuando, por assim dizer, numa atmosfera de fogo, e ele desejava apagar aquelas chamas, e fazer o mundo regozijar-se, por isso, precisava trabalhar com essa finalidade. Cristo não podia, não podia mesmo, repousar e ficar em quietude. Não sabia se sentir à vontade, nem sequer à noite.

"As montanhas frias e o ar da meia-noite na escuridão
Testemunharam o fervor da sua oração." 

E quando ficava fraco e cansado, e precisava comer, não comia, porque o zelo da casa de Deus o consumira, e para ele era comida e bebida cumprir a vontade de quem o enviara. O amor que havia dentro dele, e a necessidade que havia fora dele, agiam em prol de uma única finalidade comum e formavam uma intensa necessidade, de modo que o Salvador precisava trabalhar.

Além disso, vocês precisam se lembrar de que ele viera a este mundo com um alvo que não seria realizado sem trabalho, mas que era uma paixão com ele; e por isso, precisava trabalhar porque desejava alcançar o seu propósito. A salvação dos muitos que o Pai lhe dera; reunir em um só rebanho aqueles que tinham sido espalhados; achar as ovelhas perdidas; a restauração dos caídos - ele precisava levar a efeito esses objetivos. Propósitos eternos deviam ser cumpridos. Seus próprios compromissos como fiador deviam ser desempenhados. Amara os seus que estavam no mundo, e os amava de tal maneira que não podia deixar o mundo até que toda a sua obra fosse totalmente realizada, e ele pudesse dizer: "Está consumado"; assim, antegozando esperançoso a recompensa que seria sua, antecipando a glória de tirar os homens da escravidão dos seus pecados e de conduzi-los até à torre da salvação, ele ansiava e ofegava por trabalhar. O soldado que deseja a promoção despreza a paz e anseia pela guerra, a fim de que tenha a oportunidade de subir pelas fileiras. O jovem que quer desenvolver uma carreira não fica satisfeito em vegetar numa aldeia campestre; ele quer trabalho, e o quer por saber que o trabalho é a modo de subir no mundo. É perfeitamente razoável, se um homem tem uma ambição justa, que ele busque os meios de alcançar essa ambição. A ambição do nosso Salvador era ele ser coroado com as pedras preciosas que são as almas que salvara, ser o grande amigo do homem, o grande Redentor da humanidade, e, consequentemente, ele precisava trabalhar. Ele precisava ser o Salvador dos homens; não pode ser o Salvador deles sem trabalhar; e, por isso, a paixão no lado de dentro, a necessidade no lado de fora, e o grande alvo que tudo consumia, e que o instigava para frente, forneciam as três cordas que o amarravam, como sacrifício, às pontas do altar. "Preciso trabalhar."

Ora, irmão, sem falar mais amplamente sobre um tema que tanto atrai, quero perguntar se você e eu sentimos a mesma compulsão; porque se somos assim como Cristo era no mundo, se somos mesmo dignos de sermos chamados os seus seguidores, devemos ser compelidos pela compulsão dele, devemos sentir o fardo dele. Estamos sentindo que DEVEMOS trabalhar? Oh, há tantos crentes professos que acham que precisam se alimentar! Mais: é obrigatório que sejam alimentados! Nem sequer avançam tanto na atividade quanto sentem o desejo de se alimentar; mas é com colher que querem ser alimentados - e desejam que certas verdades evangélicas sejam picadas e dissolvidas até virarem mingau para ser colocado na boca enquanto ficam deitados na cama, preguiçosos demais para digerir a comida depois de a terem recebido. Existem alguns outros cristãos que acham que sempre se deve por defeito no trabalho de outras pessoas, como se sua grande paixão fosse criticar e julgar. Existem outros tantos que querem ser isentados do trabalho; usarão de todos os subterfúgios para fugirem de qualquer tarefa; contam como grande vantagem se conseguem fugir de contribuírem a qualquer causa caridosa ou cristã, ou que possam evitar arriscar suas próprias pessoas (tão delicadas) a qualquer tipo de tristeza ou labuta no serviço do Senhor Jesus. Espero que nós não tenhamos semelhante espírito covarde. Se formos, que deixemos de levar o nome do evangelho. Se formos, deixemos de aplicar a nós mesmos o nome do evangelho. Conforme disse alguém: "Ou seja estóico, ou abra mão de ser chamado estóico". Assim também eu ou seria cristão ou abriria mão de ser chamado cristão. O seguinte é não ser cristão - esquivar-se do trabalho de Cristo. Por outro lado, espero que tenhamos sentido a seguinte compulsão - "Preciso trabalhar." Por que preciso trabalhar? Para minha própria salvação? Oh, não! Que Deus não permita tal idéia! Sou salvo, se sou cristão - salvo, não pelas minhas próprias obras, mas mediante as obras de Cristo. Ouvi o evangelho, que me diz que existe vida para quem olhar no Crucificado. Já olhei para Cristo, e estou salvo. Por que, então, preciso trabalhar? Ora, é por que sou salvo. Já que ele me adquiriu com o seu sangue, eu devo gastar-me em favor daquele que me adquiriu. Já que ele me buscou através do seu Espírito, preciso me entregar àquele que me buscou. Já que ele me ensinou pela sua graça, preciso contar aos outros aquilo que aprendi dele. O motivo que nos constrange à atividade cristã não é tão vil e egoísta quanto o de assim obter o céu. Afinal das contas, até mesmo um romanista (romanista magistral, no entanto - é anomalia estranha que um canto tão doce pudesse vir de uma gaiola tão fétida de pássaros imundos! [["romanista" aqui se refere à ala liturgista da igreja anglicana]]) pudesse cantar:

"Te amo; não porque,
 ó meu Deus,
Espero assim o céu ganhar;
Nem porque os que não te amam
nem são teus
Devem arder na eternidade sem parar.
Tu, a mim, ó meu Salvador,
Abraçaste na cruz a dor;
Porque me suportaste,
os pregos e a lança fatal,
E múltiplas desgraças sem igual."

Nosso amor é causado por Cristo. O seu amor por nós nos leva à convicção de que devemos trabalhar por ele. Quando éramos crianças pequenas, uma amiga bondosa nos deixava felizes num determinado dia, e mais uma segunda vez, e uma terceira, aquela mesma amiga fazia nosso coraçãozinho pular de alegria; e quando íamos dormir, dizíamos, antes de adormecer: "Gostaria de fazer alguma coisa para a Sra. Fulana; gostaria de poder dar alguma coisa à Sra. Fulana." Talvez não tivéssemos dinheiro; mas, na manhã seguinte, pegávamos umas poucas flores do jardim e levávamos nosso pequeno buquê a nossa amiga bondosa, e dissemos: "Aceite, por favor, esse presentinho, pois você foi tão bondosa comigo." Achávamos que não poderíamos deixar de fazer isso, e só tínhamos receio de não ser bem acolhido; e achávamos que se pudéssemos ter feito dez, vinte, ou cinquenta vezes tanto, teríamos considerado totalmente de menos; mas era a nossa felicidade fazer o que fizemos, e desejar fazer mais. O mesmo espírito nos inspira a desejar fazer algo em favor do Senhor Jesus. Oh! Ele aceitará alguma coisa da minha parte? Ele me deixará tentar aumentar a sua glória? Ele me deixará alimentar seus cordeiros, ou ser um pastor das suas ovelhas, ou cuidar de três ou quatro meninas na Escola Dominical, ou pajear uma criancinha para ele, ou distribuir um folheto, ou contribuir com os meus bens em prol de algum dos seus interesses? Oh, então, quanta bondade dele me dar licença para isso! Como eu gostaria de poder fazer mais! Quem dera eu tivesse mil mãos para trabalhar por ele, mil corações e mil línguas, a fim de que eu gastasse tudo para ele! Espero que vocês realmente sintam, irmãos, que o amor de Cristo que está em vocês os leve a dizer: "Preciso trabalhar." Então, se vocês morarem nesta vizinhança, e a maioria entre nós realmente mora neste lado do rio [Tâmisa], vocês poderão passar pelas ruas e praças, poderão entrar nas partes mais escuras da região, bem como as redondezas aqui perto que vocês conhecem, sem sentir: "Preciso trabalhar"? Eu desejaria, às vezes, que alguns entre vocês que fizeram carreira razoavelmente boa neste mundo, e que moram um pouco mais longe, na região campestre, onde o ar fica um pouco mais puro, desejaria que vocês fossem levados a cheirar o ar no qual a pobreza sempre habita nessa nossa cidade, e acho que nesse caso, vocês sentiriam a necessidade de trabalhar. Nossos missionários urbanos devem, às vezes, sentir entusiasmo maravilhoso, penso eu, devido às vistas que vêem e aos sons que escutam. Devem realmente sentir a necessidade de trabalhar, pois homens estão morrendo, o inferno está se enchendo, o evangelho não está sendo levado ao povo, e o povo não vem até ao evangelho, e as multidões vão seguindo o seu caminho como se não existisse Cristo, com se não existisse o céu e (segundo gostaria de poder dizer diante de Deus) nenhum inferno depois de morrerem; mas a porção delas está neste último lugar, e vivem aqui como quem se prepara para herdá-lo. Que consigamos, portanto, entender a primeira parte do texto: "Eu preciso trabalhar."

II. Agora, em segundo lugar, notemos que aqui temos uma especialidade da obra - "Preciso realizar a obra daquele que me enviou."

Existem muitas pessoas que dizem: "Preciso trabalhar", mas bem poucas que dizem "Preciso realizar a obra daquele que me enviou." Oh! o trabalho, feito com o cérebro, com a cabeça em Londres, para ficar rico! É muito correto, naturalmente. Se alguém quiser progredir neste mundo, precisará trabalhar. Está muito bem. Eu não diria a nenhum jovem: "Seja preguiçoso." Se você quiser ser bem-sucedido em alguma coisa, dedique a ela toda a sua alma, e trabalhe com o máximo esforço possível. Muitíssimas pessoas sentem a compulsão de trabalhar para progredir, ou de trabalhar para sustentar uma família. É muito correto mesmo; mas não preciso exortar vocês a fazê-lo, pois não hesito em dizer que, como homens honestos, de moral, vocês sentirão aquela compulsão sem qualquer exortação da minha parte. Alguns trabalham a fim de alcançar fama. Ora, de certa forma, não é coisa tão iníqua assim; mas não preciso falar a respeito, por aqueles que escolherem aquele caminho, entrarão nele sem nenhum conselho meu. Mas a questão aqui é a seguinte: "Preciso realizar a obra daquele que me enviou." Cristo não entrou neste mundo para ser um Rei entre reis, nem para ser famoso entre os afamados, mas para ser Servo dos servos, e cumprir a vontade de Deus. "Aqui estou, no livro está escrito a meu respeito; vim para fazer a tua vontade, ó Deus" (Hb 10.7). Ele veio para cumpri-la e, tendo vindo, a cumpriu.

Observem o caráter da obra que Cristo realizou. Não era uma obra que ele mesmo elaborara. Não era uma obra que colocara diante de si por conta própria, mas era uma obra que tinha sido ordenada desde os tempos antigos e determinada por seu Pai. "Vim, não para cumprir a minha própria vontade, mas a vontade daquele que me enviou." Observem, também, que Cristo não foi escolhendo o que gostava ou não gostava nessa obra. Ele diz: "Preciso realizar as obras"; não algumas delas, mas todas elas, quer fossem obras de penosa labuta ou obras com honrarias, suportando repreensão por amor à verdade, ou dando testemunho à verdade; obras de sofrimento pessoal, ou obras de socorro daqueles que sofriam; obras de gemidos silenciosos e secretos, ou obras de ministério nas quais se rejubilava no espírito; obras de oração nas encostas da montanha, ou obras de pregação diante do precipício no cume da montanha. Cristo se dedicara sem reservas para fazer, em favor de Deus, tudo quanto o Pai lhe mandasse fazer. E todas essas obras eram obras de misericórdia, obras da salvação de almas, obras desinteressadas, obras não em prol de si mesmo, não egoístas. Salvou a outros; a si mesmo não podia se salvar. Não eram obras mediante as quais aumentasse seus próprios tesouros, pois era ele quem distribuía aos necessitados; não eram obras mediante as quais se exaltasse, pois ele condescendia aos homens de condição humilde; não eram obras mediante as quais conquistasse honrarias entre os homens, pois oferecia as suas costas aos que o açoitavam: "Os insultos daqueles que te insultam caíram sobre mim" (Rm 15.3). Suas obras eram obras de pura filantropia para com os homens, e de inteira consagração a Deus.

Pergunto a mim mesmo se vocês e eu já chegamos, como cristãos, a tomar plena e total consciência de uma compulsão para realizar obras como essas? "Preciso realizar a obra daquele que me enviou." Ó meus irmãos, é tão fácil realizarmos as nossas próprias obras, mesmo nas coisas espirituais, mas é tão difícil sermos levados a este ponto: "Preciso realizar a obra de quem me enviou." Entendam o que estou dizendo, existem dez mil ações que são boas em si mesmas, mas que talvez não fossem certas para serem a minha vocação na vida. Conheço muitas pessoas que acham que seu dever é pregar, mas fariam melhor se achassem que seu dever era escutar durante mais algum tempo. Conhecemos alguns que acham que têm o dever de assumir a liderança de uma classe, mas que talvez fossem notavelmente úteis na distribuição de folhetos, ou em ser alunos numa sala de aula por algum tempo. O fato é que não devemos ficar selecionando e escolhendo o caminho do serviço cristão que devemos percorrer, mas devemos realizar a obra daquele que nos enviou; e nosso objetivo deve ser, posto que há tanto trabalho a ser feito, descobrir qual parte da obra o Mestre quer que façamos. Nossa oração deve ser: "Mostra-me o que queres que eu faça" - que eu especificamente faça; não aquilo que é certo de modo geral, mas aquilo que é especificamente certo para eu fazer. Pode ser que a minha empregada considere algo importante colocar em ordem meus papéis no meu escritório, mas eu sentiria pouca gratidão por isso. Se, por outro lado, ela me preparar uma xícara de café de manhã, quando preciso viajar para uma cidade distante no interior para pregar, com certeza, apreciarei mais os serviços dela. Nesse sentido, alguns amigos pensam: "Como eu progrediria se eu estivesse em determinada posição, se eu fosse feito diácono, ou se fosse promovido a determinado cargo?" Siga seu caminho e trabalhe conforme seu Mestre quer que você faça. Você fará melhor no lugar onde ele colocá-lo do que onde você colocar a si mesmo. Na verdade, você não é nenhum servo, de modo algum, quando vai selecionando o que você quer fazer, posto que o próprio espírito e essência do serviço consistem em dizer: "Não seja feita a minha vontade, mas a tua. Aguardo ordens do trono; ensina-me o que queres que eu faça."

Nessa questão, porém, talvez haja menos necessidade de insistir do que há em insistir na outra. Devemos nos sentir impulsionados para fazer alguma forma de esforço espiritual, ou serviço desinteressado para o bem do próximo, e pergunto a vocês, como homens e mulheres cristãos: Todos vocês se sentem assim? Oh! que maravilhas foram feitas por duzentas ou trezentas pessoas depois de nosso Senhor subir ao céu. Ora, eram suficientes para a evangelização de um mundo! Aqui nesta nossa grande cidade de Londres, com seus milhões e tantos de habitantes - não sei quantas almas crentes vivem nela, mas deve haver muitos milhares, mas, até o dia de hoje, somos insuficientes para a evangelização desta cidade; pois, em vez de atendermos a essas necessidades, Londres era atendida melhor há dez anos (é simples questão de estatística) do que está sendo atendida agora, apesar de todos os nossos esforços! E devemos tolerar essa situação? Se essa situação fosse obrigatória, poderíamos nos curvar, chorando, diante desse destino inflexível; mas inexiste essa situação imposta, porque forçosamente a falha é nossa, e, como continua sendo, vamos perguntar: Qual é a causa desse mal? É esta: nem todos os cristãos aprenderam, ainda, a verdade de que cada cristão deve pessoalmente realizar a obra daquele que o enviou. Não devemos repassar a obra aos nossos ministros, nem pensar que possamos desempenhar o serviço de Deus por meio de procuração, mas cada homem e mulher pessoalmente devem dedicar-se ao serviço de Cristo, e sentir, um por um, que possa aplicar esse texto a si mesmo: "Eu, eu, eu, devo realizar as obras de quem me enviou; eu devo fazê-las mesmo que nenhuma outra pessoa a faça; eu preciso - eu sinto compulsão; eu preciso, de uma forma ou de outra, me dedicar àquelas obras que são especificamente as obras de Deus, que envia seu povo para esse mundo iníquo com o propósito de as realizar."

Quero dizer aqui, a título de ilustração, com o propósito de comprovar que o progresso não seria impossível se apenas nos dispuséssemos a fazer o esforço, que provavelmente não haja nenhum movimento religioso que seja tão formidável e que tenha avançado tão rapidamente quanto o movimento do ritualismo, que às vezes chamamos de puseísmo! [Reintrodução ecumênica dos costumes eclesiásticos romanos]. Está avançando de maneira fabulosa e em dois âmbitos - dois setores que deveriam nos deixar perpetuamente envergonhados, pois são os dois mais inacessíveis. Isto é, vocês acharão o puseísmo extravagante pegando domínio das classes superiores, adentrando as salas de estar, onde achávamos que era impossível entrar; tomando por assalto as cidadelas (que considerávamos impregnáveis) dos altos escalões e da respeitabilidade altiva; e achando ali suas vítimas e devotos, e achando-o de tal maneira, e conseguindo tão total e completamente domínio sobre eles, que os recursos dos ricos contribuem de modo muito mais eficiente e total à sua fé falsa do que os recursos da nossa gente contribuem à nossa fé verdadeira. E, ainda por cima, o maior avanço desse sistema tem ocorrido entre os mais pobres, aquelas pessoas que, segundo se diz, não virão para ouvir o evangelho. Oh, mas isso é mentira, pois virão ouvir o evangelho se o evangelho fosse pregado de modo que pudessem entendê-lo. Mas é vergonhoso para muitas igrejas cristãs que essa gente pobre não as queira frequentar, enquanto essas mesmas pessoas são afetadas pelos ensinamentos de Pusey, sim, e até mesmo se convertem a eles, e se põem de joelhos como adoradores sinceros, e acreditam totalmente no negócio inteiro! Ora, como isso é feito? Pois bem, vou lhes contar; acreditam que é a verdade e se agarram a ela, e não sentem vergonha de serem repreendidas por isso, mas revelam corajosamente a sua posição, sem esconder, sem levar na brincadeira, sem subterfúgio (como al-guns têm feito), mas se definiram com coragem. E desejo dizer que todas as honrarias são devidas a elas pela coragem honrosa que demonstraram na sua obra desonrosa! Gosto de dar a cada um o que lhe é devido, e se você vir coragem, mesmo em um inimigo, você só pode deixar que seja chamada de coragem. Gosto da coragem daqueles que se levantam a favor de Roma diante do protestantismo que predomina, reverencio essa coragem, da mesma forma do protestante que resiste a Roma onde o romanismo prevalece. Ora, já que fizeram tudo isso, em grande parte por causa da sinceridade dos sacerdotes, nós não temos coragem e sinceridade assim entre os nossos ministros? Espero, caso os ministros tenham falhado nesse aspecto, que cada um deles comece a se corrigir, e que nós nos tornemos tão sinceros e corajosos na nossa causa quanto eles possam ser na deles. Mais um aspecto adicional e este: transformam todos os seus membros e todos os seus admiradores em missionários sinceros.Vocês os encontrarão lendo seus pequenos tratados, entregando seus livros, dizendo uma palavra àqueles jovens na loja, conversando um pouco com aquela moça na sala de visitas. Vocês os encontrarão em todos os lugares, enviando suas irmãs de misericórdia. Certo ministro que conheço foi até a casa de um dos seus membros e disse: "Há uma irmã da misericórdia fazendo um circuito por aqui; ela visita esta casa?" "Oh, sim", foi a resposta, "certamente; ela entra em todos os cômodos da casa." "Pois bem", disse ele, "mas nem eu sabia que eu pudesse visitar todos os cômodos; a irmã de misericórdia realmente entra em todos os cômodos desta casa?" "Oh! sim, senhor, e em todos os cômodos ao longo da rua." "Ora, como ela consegue?" "Oh! Não sei, senhor, mas ela entra, de um jeito ou de outro." E por que nós não podemos entrar de um jeito ou de outro? Ou se eles conseguem fazer, por que nós não podemos? Eles podem fazer do jeito deles aquilo que nós não ousamos nem podemos fazer? Oh! que coisa vergonhosa para nós - que os soldados do papa sejam mais corajosos do que os soldados da cruz! Será assim? Deus não o permita! Que a igreja cristã recupere o espírito antigo, a coragem antiga, e o entusiasmo antigo - então haverá suficiente para ainda salvar Londres, suficiente para ainda invertermos a maré do papismo; ainda haverá suficiente para vindicar o evangelho e para demonstrar que o evangelho é poderoso, forte o suficiente para, com a ajuda de Deus, derrubar fortalezas. Mas apenas precisamos reconhecer que nosso trabalho e nossa atividade devem ser especialmente canalizados para a realização da obra daquele que nos enviou, e que a façamos de imediato.

III. Em terceiro lugar, uma vez que o trabalho é necessário, e há uma especialização no esforço, assim também há uma limitação do tempo:

 "Enquanto é dia, preciso realizar a obra daquele que me enviou."

Essa limitação do tempo pesa muito fortemente nos meus ouvidos, pois provém dos próprios lábios de Jesus. Jesus Cristo, o imortal, aquele que vive para sempre, ainda diz: "Eu, eu preciso trabalhar enquanto for dia!" Meus irmãos, se alguém podia ter adiado seu trabalho, esse alguém era nosso Senhor eterno. Veja-o. Ele está no céu, mas continua trabalhando. Existem mil maneiras de ele atender à sua igreja. Não cremos na intercessão dos santos; eles não podem trabalhar em nosso favor naquele país de descanso depois de ter deixado esse mundo de labuta; cremos, porém, na intercessão do Senhor dos santos. Ele continua orando por nós. A cabeça da igreja continua sempre ativo, mas ele mesmo disse: "Preciso trabalhar enquanto é dia!" Vejam, ainda, com quanto impacto esse recado chega até você e eu, uma vez que nada mais poderemos fazer com as nossas mãos depois de as turfas terem coberto a nossa cabeça! Nessa ocasião, tudo quanto é trabalho terá acabado, por isso, considerem aquelas palavras como um aviso, como um milagre que vocês ouvem: "enquanto é dia". Durante quanto tempo será "dia" conosco? Alguns dias são muito breves. Os dias do inverno passam muito rapidamente. Minha jovem irmã, meu jovem irmão, o seu dia poderá ser muito breve; trabalhem enquanto vocês ainda têm esse dia. Existe algum sinal de tuberculose? Trabalhem, então; não façam disso uma desculpa para a preguiça, mas um argumento em favor do trabalho. Trabalhem enquanto é dia mesmo. Ou, se não existir semelhante sinal, lembrem-se de que o seu sol pode se por antes de alcançar o meio-dia. Ó jovem, não fique aguardando até suas capacidades ficarem maduras e as suas oportunidades ficarem amplas, mas digam: "Preciso realizar as obras daquele que me enviou, enquanto é dia." Você pode não viver até os vinte e um anos. Oh! seja ganhador de almas antes de atingir a maioria! Cara irmã, procure ser uma mãe em Israel, uma matrona em Jesus Cristo, enquanto você for ainda moça. Procurem conquistar almas para Jesus enquanto vocês ainda são cordeirinhas no aprisco de Jesus. "Enquanto é dia." Alguns entre vocês estão ficando com cabelos brancos, e seu dia não pode ficar muito mais longo. Já entardeceu, e as sombras ficam mais compridas. Agora, vocês não devem fazer das fraquezas da velhice uma desculpa para ficar fora do exercício do trabalho. O Mestre não pede de vocês o que vocês não podem fazer, mas, quanto às forças que vocês ainda possuem, dediquem a ele, "enquanto é dia", com a convicção de que devem realizar as obras daquele que os enviou.

"Enquanto é dia; enquanto é dia." Se eu tivesse um olhar profético, e pudesse indicar as pessoas aqui em favor das quais os sinos dobrarão durante o mês vindouro, como esse texto poderia ser adequado a ela! "Enquanto é dia!" Cara mãe, se você tivesse apenas trinta dias mais para viver - um só mês -, e se soubesse disso, como você oraria em favor dos seus filhos durante esse mês! Como você falaria com aqueles meninos queridos a respeito da alma de cada um, embora nunca antes tivesse tido uma conversa particular a respeito desse assunto com eles! Caros professores da Escola Dominical, se vocês soubessem que iriam lecionar somente mais um, ou dois, ou três, ou quatro domingos, com quanta solenidade vocês agora começariam a falar com as crianças na sua aula! No entanto, lembrem-se de que é assim que devemos viver e trabalhar o tempo todo. Vocês conhecem as palavras de Baxter:

"Eu prego, como se nunca mais fosse pregar,
E como moribundo a moribundos da graça precisar."

Façamos a mesma coisa. Então, supondo que vocês vivessem mais dez, vinte, ou trinta anos, mesmo assim, quão breves são esses anos! Depois de terem passado, parecerão como ontem que se foi! Portanto, deixem-me até mesmo dobrar o sino sozinho; quero fazer soar o texto como dobrado de finados nos seus ouvidos: "Enquanto é dia! Enquanto é dia! Enquanto é dia!"

E, tendo assim levado vocês a se lembrar da sua própria mortalidade, quero fazer o texto ressoar com outro tom, ao pedir a vocês que se lembrem de que o "dia" poderá, em breve, ter passado, não para vocês, mas para as pessoas das quais vocês estão cuidando. Caso desejem ser remissos na obra, vou lembrá-los de que aqui se trata de duas vidas a serem cuidadas - outra vida além da sua própria. "Enquanto é dia." Vocês não poderão falar, vocês não terão a oportunidade de falar, com algumas pessoas em Londres amanhã,pois morrerão nesta noite. É impossível que tenham a oportunidade de falar com duas mil pessoas na semana que vem, pois algumas delas morrerão nesta semana; a cobrança da mortalidade exigirá, a fome insaciável da morte clamará por elas. Precisarão partir. Oh! trabalhem com elas "enquanto é dia"!

E com alguns é "dia" somente por brevíssimo tempo, embora talvez vivam por muito tempo; pois, no caso de alguns homens, seu "dia" é a única ocasião em que vão para um lugar de oração; a única ocasião é quando há doença na casa, e o missionário entra; é a única ocasião em que um cristão atravessa o seu caminho e recebe uma boa oportunidade de lhes falar a respeito de Cristo.
Muitos dos nossos amigos não recebem um dia de misericórdia, em certo sentido. Não ouvem o evangelho; ele não atravessa o seu caminho. Um bispo disse, certa vez, que teria sido bom para algumas pessoas de Londres terem nascido em Calcutá, pois se tivessem nascido lá, o zelo dos cristãos as teriam procurado; mas por morarem nas favelas periféricas de Londres, ninguém se preocupa com elas. Ah! Pois, já que o dia delas pode ser breve, e o dia de vocês também é breve, que cada um cinja seus lombos hoje e diga: "Preciso realizar as obras daquele que me enviou enquanto é dia."

Vocês passaram pela ponte de Blackfriars; podem cair mortos nela no caminho de volta! Vocês vieram de casa e deixaram ali um amigo querido com o qual querem falar a respeito de sua alma. Façam isso, pois ele poderá morrer durante a noite. Acho que foi na vida do dr. Chalmers que li que, em certa ocasião, ele passou um fim de tarde com vários amigos, e que entre eles estava presente o chefe de um clã das Terras Altas, um personagem muito interessante. Passara o tempo contando histórias de sua vida e repetindo várias obras interessantes a respeito de viagens em terra e mar - passaram aquele fim de tarde de modo bastante apropriado, conforme acharíamos, e depois de se terem entretido muitíssimo, foram dormir. À meia-noite, a família inteira foi acordada assustada, pois o chefe do clã estava nas dores e agonias da morte. Subira para seu quarto em perfeita saúde, mas morreu durante a noite. O pensamento de Chalmers foi: "Se eu soubesse que ele morreria assim, nesta noite, não a teria aproveitado de modo diferente? Nesse caso, não deveria ter sido aproveitada de modo bem diferente pelos homens, sendo que qualquer um deles poderia ter morrido?" Sentia-se como se a responsabilidade da alma daquele homem recaísse sobre ele, em certa medida; a própria situação ocorrida foi uma bênção permanente para ele. Que seja conosco ao ouvir essa história, e que doravante trabalhemos com todas as nossas forças "enquanto é dia".

IV. Agora, encerramos com as últimas palavras do texto: "A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar." Aqui temos a lembrança da nossa mortalidade.

"A noite se aproxima." Vocês não podem adiá-la. Com a mesma certeza de que a noite chega na sua hora certa à Terra, assim também a morte chega a vocês. Não existem artes nem manobras mediante as quais a noite possa ser adiada ou evitada, nem através das quais a morte possa ser postergada ou totalmente cancelada. "A noite se aproxima", por mais pavor que tivermos do fato, ou por mais ansiarmos por ela; ela vem com passos furtivos, de modo seguro, e no seu tempo certo. "A noite se aproxima." A noite se aproxima para o pastor, que tem labutado em favor do seu rebanho; para o evangelista, que tem pregado com sinceridade; para a professora da Escola Dominical, que sempre amou seus alunos; para o missionário, que sempre labutou pelas almas. "A noite se aproxima." A noite se aproxima para aqueles que se sentam nos bancos da igreja; para o pai, para a mãe, para a filha, para o marido, para a esposa. "A noite se aproxima." Caro ouvinte, será necessário lembrar-lhe de que a noite vem para você? Você vai aplicar esse fato a si mesmo, ou vai acalentar a infeliz ilusão da humanidade: "considere mortais todos os ho-mens, menos você"? A noite se aproxima, quando os olhos ficarão fechados, quando os membros se tornarão frios e rígidos, quando o pulso ficará fraco, e finalmente deixará de bater. "A noite se aproxima."

Salomão imaginou isso para toda a raça humana: "Nenhum homem há que tenha domínio sobre o espírito, para reter o espírito; nem tem poder sobre o dia da morte; nem há arma [ou; dispensa] nessa peleja" (Ec 8.8 - ARC). Para o obreiro cristão, esse pensamento às vezes é penoso. Coloquei em andamento planos para a causa de Deus, e alguns deles acabo de iniciar, e às vezes penso que gostaria de viver até vê-los chegar a uma etapa mais madura. Talvez eu os veja, mas diariamente tenho a sensação contrária. Constantemente, sou acossado por essa idéia - posso começar essas coisas, mas se eu não fizer tudo quanto posso hoje, é possível que não tenha um amanhã, e, portanto, aquilo que já falei mil vezes na minha própria alma, que farei tudo quanto puder agora. Quanto aos anos vindouros, eles terão de cuidar de si mesmos. Não tem proveito, ao iniciarmos planos, antegozar aquilo que possam vir a ser nos anos futuros, e então registrar como obra nossa aquilo que porventura possa surgir à parte da nossa obra. Não! Devemos fazer imediatamente tudo quanto precisa ser feito. Deus pode se dar o luxo de esperar com a obra dele, mas nós não podemos arriscar qualquer atraso com a nossa. Devemos trabalhar agora, "enquanto é dia; a noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar." A aproximação da noite, embora sempre seja consoladora para o cristão, quando se lembra de que verá o seu Mestre, nem por isso deixa, às vezes, a ser um pensamento muitíssimo pesado para nós que estamos ocupados em muitas obras em favor de Cristo, e que gostaríamos de viver até vermos algumas dessas obras prosperarem.

Quão lúgubre é a conclusão! "Quando ninguém pode trabalhar." Mãe, depois de partir, você não poderá se inclinar perto dos seus filhos e lhes ensinar o caminho da vida. Se você quiser que sejam ensinados nas coisas de Deus, não será a sua voz que então os ensinará a respeito do amor de Jesus. Missionário, se aquele seu distrito não for atendido, e se almas forem perdidas, não será você que poderá compensar os danos que causou nem o mal que provocou. Sua memória e seu amor serão coisas do passado. Você não está mais ali. O lugar que antes conhecia você, já não o conhece mais.Você não poderá compartilhar das ações dos vivos. Se você abriu, mediante o seu exemplo, as comportas do pecado, não poderá voltar para fechá-las, nem para deter as correntezas. Se deixou escapar oportunidades de servir a Jesus aqui, não poderá voltar para recuperá-las. Se alguém fosse guerreiro, e tivesse perdido uma batalha, poderia ansiar pelo raiar do outro dia para que ainda houvesse outro conflito a fim de ainda recuperar a campanha; mas se você perder a batalha da vida, não precisará travá-la de novo. O comerciante pode ter sido forçado à falência uma vez, mas confia que, com negócios mais cuidadosos, ainda alcançará o sucesso. Mas a falência no nosso serviço espiritual é uma falência para sempre, e não teremos a oportunidade de recuperar a nossa perda. É uma noite na qual ninguém poderá trabalhar. As miríades diante do trono não poderão prestar nenhum serviço aqui. Não poderão aliviar a pobreza de Londres; não poderão remover sua vergonha e seu pecado. Poderão louvar a Deus, mas não poderão ajudar aos homens. Podem cantar àquele que os amou e os lavou, mas não podem pregar a respeito dele, nem proclamá-lo àqueles que precisam ser lavados na fonte que está cheia do sangue de Cristo. Seria quase desejável que os que estão no céu pudessem fazer essas coisas, pois certamente realizariam a obra melhor do que nós! Mas o Mestre decretou de outra forma. Eles não devem lutar mais: devem só ficar em pé para contemplar a batalha. Não devem mais cavar os campos: comerão dos frutos, mas já não podem lavrar a terra. Esses trabalhos ficam por conta daqueles que ainda estão aqui. Não vamos lastimar porque não poderão participar da obra, mas, pelo contrário, agradeçamos a Deus porque ele nos reserva toda a honra, além de toda a labuta. Mergulhemo-nos na obra agora. Assim como os soldados britânicos receberam do rei, quando eram poucos, o recado de que ele esperava que não houvesse um só homem entre eles que desejasse que fossem mais numerosos; pois, disse ele: "quanto menos homens forem, tanto maior será a parte que cada homem terá nas honrarias"; assim, não vamos desejar receber ajudantes dos céus. Tendo o poder de Deus pairando sobre nós; com a Palavra aberta ainda transbordando de promessas preciosas; com o propiciatório ainda rico em bênçãos; com o Espírito Santo, a Deidade irresistível, ainda habitando em nós; com o nome precioso de Jesus, que faz o inferno estremecer, para continuar nos animando, saiamos à obra com esta convicção: "devemos trabalhar enquanto é dia, pois a noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar"; que trabalharemos enquanto durar o dia - escutando, atrás de nós, as rodas do carro da guerra da eternidade, avançaremos com rapidez, com todas as nossas forças e capacidade.

Entretanto, tudo quanto agora falei aplica-se bem pouco a alguns entre vocês, porque vocês nunca se entregaram a Deus. Continuam sendo servos de Satanás e não poderão servir a Deus. Ó pobres almas, vocês sabem o que é que queremos que as pessoas cristãs levem a sério? Vejam! É para que vocês sejam salvos! Não teríamos tanta necessidade de animarmos tanto os cristãos à obra se não fossem vocês. Vocês estão sem Deus; vocês estão sem Cristo. Alguns entre vocês estão caminhando para a perdição eterna; e também al-guns entre vocês estão ouvindo o evangelho durante muitos anos, e que sabem tanto a respeito quanto eu, embora nada saibam a respeito do seu poder dentro da sua própria alma. Não é estranho que, embora sejamos tão zelosos em seu favor, vocês não sejam zelosos no que diz respeito a vocês mesmos? Se houvesse uma criança de uma mãe lá fora na rua, e houvesse uma dúzia de mulheres que se esforçassem para pegá-la antes de ser atropelada, vocês considerariam muito estranho que a mãe ficasse de fora, calma e imperturbável, desinteressada pelo caso. Entretanto, aqui está você com a sua alma, e temos aqui nessa capela venerável nesta noite, tantas pessoas assim, que se sentem ansiosas a respeito da sua alma, e que desejariam poder salvá-los, mas você nem se importa com a sua própria alma! Pois bem, se você fosse perdido para sempre, não seria motivo para se admirar, seria? Você não atribui o mínimo valor a você mesmo. Você está jogando fora a si mesmo. Quem deve levar a culpa por isso? Ó, caros ouvintes, será este um dos espinhos no seu travesseiro para sempre: "Não levei em conta a minha alma; não a estimei em nada, mas descuidado, a joguei fora"? Será que esse remorso agudo vai manter inapagável a chama que para sempre torturará a sua consciência: "Não quis pensar nas coisas eternas; fiz papel de tolo, e fui caminhando, dançando, para o inferno; não levava a sério quando Deus me falava seriamente; não me importava, ao passo que os ministros choravam; eu era frívolo ao passo que Cristo sangrava"? Oh, rogo-lhes, considerem os seus caminhos, e lembrem-se que quem crer no Senhor Jesus Cristo será salvo! Creiam nele. Confiem nele. É esse o caminho da salvação. Coloquem nele o seu peso; e, depois de terem feito isso, sendo salvos, que Deus queira que sintam o impacto do presente texto e digam: "Eu também devo me juntar ao grupo dos obreiros; salvo por Cristo, eu, também, devo dizer conforme disse Cristo: 'Enquanto é dia, preciso realizar a obra daquele que me enviou. A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar'."

Marcadores

(I Pedro 5:8) (1) 1 Coríntios (3) 1 Pedro (1) 1Pedro (1) 2 Pedro (2) A (1) A palavra da Cruz é Loucura (3) A Parábola do Rico e Lázaro (1) a Semente e os Solos (1) A Volta de Jesus (4) A. W. Tozer (36) A.W Pink (2) Abandonado (1) Aborto (9) Adoração (18) Agostinho (1) Aids (1) Alegria (22) Aliança (1) Alívio (1) Almas (17) Amarás o Próximo (1) Amargura (1) Amém (3) Amizade (5) Amor (70) Anátema (1) Angústia (2) Animais (1) Anjos (3) Anorexia (1) Ansiedade (5) Anticristo (2) Antidepressivo (1) Antigo Testamento (1) Apocalipse (10) Apostasia (5) Apóstolo Paulo (4) Arca de noé (2) Arrebatamento (3) Arrependimento (22) Arrogância (1) Arthur W. Pink (5) As Igrejas de todos os Tipos e para todos os Gostos (1) Ateísmo (4) Ateus (5) Augustus Nicodemus (2) Autoridade (4) Avareza (1) Aviso (2) Avivamento (10) Batalha Espiritual (7) Batismo (4) Bebida Alcóolica (1) Benção (2) Bíblia (49) Boas Novas (1) Bullying (1) Cálice (2) Calvinismo (2) Campanhas no Facebook (1) Cansado (1) Caráter (4) Carnal (1) Carnaval (2) Carne (11) Carta de Deus e do Inferno (2) Carter Conlon (1) Casamento (32) Castigo (1) Catolicismo.Religiao (1) Céu (14) Chamados ao primeiro amor (5) Charles Haddon Spurgeon (274) Cigarro (1) Circo ou Igreja? (1) Cirurgia Plástica (1) Citações Redes Sociais (2) Clodoaldo Machado (1) Cobiça (1) Comunhão (4) Comunidade no Orkut (1) Conhecendo as Histórias da Bíblia (1) Conhecimento (2) Consciência (2) Consolador (3) Copa do Mundo (1) Coração (31) Coragem (4) Corra (1) Corrompidos (1) Cosmovisão Cristã (1) Crer em Jesus (3) Criação (3) Criança (7) Cristãos (60) Cristianismo (19) Cristo (85) Crucificaram (1) Cruz (29) Culto (2) Cultura (4) Cura (6) David Wilkerson (43) Demônio (4) Dennis Allan (23) Denominações (1) Dependência (2) Depravação Humana (11) Depressão (6) Desanimado e fraco (11) Descanso (1) Desejo (1) Desenhos para Crianças (9) Deserto (1) Desigrejados (1) Desonra (1) Desprezado e Rejeitado (3) Desviado (5) Deus (328) Devoção (1) Diabo (9) Dinheiro (11) Discernimento (1) Discipulado (7) Discípulos Verdadeiros (4) Divórcio (9) Divulgue esse Blog (2) Dízimos e Ofertas (3) Dons Espirituais (1) Dor (6) Dores de Parto (1) Doutrinas (5) Dr J.R (1) Drogas (1) Dúvidas (1) Eclesiastes (1) Ego (1) Enganados (1) Envelhecer com Deus (1) Equilibrio (1) Errando (2) Escolha (2) Escolhidos De Deus (10) Escravo por Amor (2) Esforço (1) Esperança (8) Espíritismo (1) Espirito Santo (27) Espirituais (35) Estudo da Bíblia (257) Estudo Livro de Romanos por John Piper (17) Estudo Livro de Rute por John Piper (5) Eternidade (10) Eu Não Consigo (1) Evangelho (76) Evangelho da Prosperidade (13) Evangelho do Reino (1) Evangelismo (5) Evangelizar pela Internet (7) Evolução (1) Exaltação (1) Êxodo (1) Exortação (3) Ezequiel (1) Falar em Linguas (3) Falsos Profetas(Enganação) (17) Família (16) Fariseus (3) (49) Felicidade (6) Festas do Mundo (1) Festas juninas(São João) (1) Fiél (3) Filmes Bíblicos (43) Finais dos Tempos (11) Força (1) Fruto (8) Futebol (1) Gálatas (1) George Müller (1) George Whitefield (2) Glória (44) Graça (47) Gratidão (3) Guerra (4) Hebreus (1) Heresias (3) Hernandes Lopes (110) Hinos (1) Homem (46) Homossexual (6) Honra (1) Humanismo (1) Humildade (9) Humilhado (8) Idolatria (12) Idoso (1) Ignorância (1) Igreja (79) Ímpios (1) Incentivo (1) Incredulidade (2) Inferno (8) Ingratidão (2) Inimigo (2) Inquisição Católica (1) Intercessão (1) Intercessor (1) Intervenção (9) Intimidade (1) Inutéis (1) Inveja (1) Ira (12) Isaías (1) J. C. Ryle (9) James M. Boice (1) Jejum (4) Jeremias (2) Jesus (88) (1) João (4) João Calvino (145) Jogos VIDEO GAMES (2) John Owen (15) John Pipper (587) John Stott (28) John Wesley (1) Jonathan Edwards (92) José (1) Joseph Murphy (1) Josué Yrion (8) Jovens (15) Julgamento (20) Justiça (2) Lave os pés dos seus irmãos Vá em busca dos perdidos e fale do amor de Deus (1) Leão da Tribo de Judá (1) Legalismo vs. Bem-Aventuranças (1) Leonard Ravenhill (52) Liberdade (10) Língua (5) Livre arbítrio (10) Livros (67) Louvor (4) Lutar (7) Maçonaria e Fé Cristã (1) Mãe (2) Mal (18) Maldições Hereditárias (3) Manifestações Absurdas (2) Marca da Besta (1) Mártires (5) Martyn Lloyd-Jones (173) Masturbação (2) Mateus (2) Maturidade (2) Médico dos Médicos (1) Medo (2) Mefibosete (1) Mensagens (372) Mentira (8) Milagres (2) Ministério (10) Misericórdia (13) Missão portas abertas (21) Missões (27) Missões Cristãos em Defesa do Evangelho (1) Monergismo (1) Morrendo (12) Morte (43) Morte de um ente querido que não era crente (1) Mulher (11) Mulheres pastoras (2) Mundanismo (3) Mundo (28) Murmuração (3) Músicas (38) Músicas nas Igrejas.Louvor (8) Namoro ou Ficar (12) Natal (4) Noiva de Cristo (2) Nosso Corpo (1) Novo convertido (10) Novo Nascimento (11) O Semeador (1) O Seu Chamado (13) Obediencia (8) Obras (15) Obreiros (2) Observador (2) Oração (67) Orgulho (10) Orgulho Espiritual (1) Orkut (1) Paciência (7) Pai (1) Pais e Filhos (21) Paixão (3) Paixão de Cristo (2) Parábola Filho Pródigo (2) Parábolas (9) participe do nosso grupo e curta nossa página! (1) Páscoa (1) Pastor (18) Paul Washer (216) Paulo Junior (239) Paz (4) Pecado (106) Pecadores (12) Pedofilia (2) Perdão (16) perse (1) Perseguição (13) Pobre (4) Poder (18) Por que tarda o pleno Avivamento? (3) Pornografia (8) Porque Deus permite o sofrimento dos inocentes (2) Porta Estreita (2) Pregação (24) PREGAÇÕES COMPLETAS INTRODUÇÃO ESCOLA DE OBREIROS (1) Profecias (3) Profetas (3) Prostituição (2) Provação (2) Provar o Evangelho Para Aqueles que Não acreditam Na Bíblia (1) Provérbios (1) Púlpito (3) Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma (1) R. C. Sproul (29) Realidade (1) Rebelde (1) Redes Sociais (2) Reencarnação (2) Refletindo Sobre Algumas coisas (1) Reforma e Reavivamento (1) Reforma Protestante (3) Refúgio (2) Regeneração (16) Rei (3) Relativismo (1) Religião (7) Renúncia (2) Ressuscitou (5) Revelação (1) Ricardo Gondim (1) Richard Baxter (7) Rico (12) Romanos (20) Roupas (1) Rupert Teixeira (4) Rute (5) Sabedoria (12) Sacrifício (3) Salvação (45) Sangue de Cristo (3) Santa Ceia (2) Santidade (34) Satanás (15) Secularismo (1) Segurança Completa (1) Seitas (3) Semente (1) Senhor (10) Sensualidade (2) Sermão da Montanha (2) Servos Especiais (4) Sexo (8) Sinais e Maravilhas (2) Soberba (1) Sofrimento (24) Sola Scriptura (1) Sola Scriptura Solus Christus Sola Gratia Sola Fide Soli Deo Gloria (4) Soldado (1) Sozinho (3) Steven Lawson (12) Submissão (1) Suicídio (2) Televisão um Perigo (8) Temor (4) Tempo (5) Tentação (9) Teologia (2) Teologia da Prosperidade (4) Tesouro que foi achado (4) Tessalonicenses 1 (1) Testemunhos (29) Thomas Watson (17) Tim Conway (38) Timóteo (1) Todo homem pois seja pronto para ouvir tardio para falar tardio para se irar Tiago 1.19 (1) Trabalho (2) Tragédia Realengo Rio de Janeiro (2) Traição (4) Transformados (1) Trevas e Luz (2) Tribulação (10) Trindade (2) Tristeza (5) Trono branco (2) Tsunami no Japão (2) tudo (231) Uma Semente de Amor para Russia (1) Unção (3) Ungir com Óleo (1) Vaidade (3) Vaso (2) Velho (1) Verdade (30) Vergonha (3) Vestimentas (1) Vícios (6) Vida (39) Vincent Cheung (1) Vitória (5) Vontade (1) Votação (1) Yoga (1)

Comentários:

Mensagem do Dia

O homem, cujo tesouro é o Senhor, tem todas as coisas concentradas nEle. Outros tesouros comuns talvez lhe sejam negados, mas mesmo que lhe seja permitido desfrutar deles, o usufruto de tais coisas será tão diluído que nunca é necessário à sua felicidade. E se lhe acontecer de vê-los desaparecer, um por um, provavelmente não experimentará sensação de perda, pois conta com a fonte, com a origem de todas as coisas, em Deus, em quem encontra toda satisfação, todo prazer e todo deleite. Não se importa com a perda, já que, em realidade nada perdeu, e possui tudo em uma pessoa Deus de maneira pura, legítima e eterna. A.W.Tozer

"A conversão tira o cristão do mundo; a santificação tira o mundo do cristão." JOHN WESLEY"

Minha foto

Darliana+ Missões Cristãos em Defesa do Evangelho+✿Apenas uma alma que foi resgatada através da graça e misericórdia de Deus,Dai de graça o que de graça recebeste' (Mt. 10,8). Latim para estar em consonância com as cinco teses que dão sustentação ao “pensamento”e à vida do genuíno cristão reformado: sola scriptura,sola gratia, sola fide,solus christus, soli deo gloria. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8 : 32) "Um cristão verdadeiro é uma pessoa estranha em todos os sentidos." Ele sente um amor supremo por alguém que ele nunca viu; conversa familiarmente todos os dias com alguém que não pode ver; espera ir para o céu pelos méritos de outro; esvazia-se para que possa estar cheio; admite estar errado para que possa ser declarado certo; desce para que possa ir para o alto; é mais forte quando ele é mais fraco; é mais rico quando é mais pobre; mais feliz quando se sente o pior. Ele morre para que possa viver; renuncia para que possa ter; doa para que possa manter; vê o invisível, ouve o inaudível e conhece o que excede todo o entendimento." A.W.Tozer✿

Postagens Populares

Bíblia OnLine - Leitura e Audio

Bíblia OnLine - Leitura e Audio
Alimentar-se da Palavra "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." (Hebreus 4 : 12).Erram por não conhecer as Escrituras, e nem o poder de Deus (Mateus 22.29)Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo. Apocalipse 1:3

Feed: Receba Atualizações Via Email

Coloque o seu endereço de email e receba atualizações e conteúdos exclusivos:

Cadastre seu E-mail.Obs.: Lembre-se de clicar no link de confirmação enviado ao seu e-mail.