Tradutor

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

31 de jan de 2011

Séries Livros para Ler - [Download Livro] Com Vergonha do Evangelho - John F. Macarthur Jr.





Créditos: Mazinho Rodrigues

Quase ao final de seu ministério, Charles H. Spurgeon escreveu uma série de artigos intitulados "O Declínio". Estava advertindo a igreja de seus dias quanto ao fato de que o cristianismo estava em declínio e, o que era pior, o ímpeto de descida parecia estar vencendo o evangelicalismo. Os líderes cristãos estavam se tornando mundanos, esoiritualmente frios e tolerantes de erros doutrinários. Isso acontecia em tal nível que Spurgeon tinha receios de que a igreja perderia completamente o seu testemunho. Infelizmente, a predição de Spurgeon se tornou verdadeira, e o evangelicalismo foi dizimado na Inglaterra do século XX. Agora, John MacArthur está ecoando, neste livro, o mesmo clamor, colocando perante a consciência evangélicaos mesmos tipos de problemas. Todavia, enquanto Spurgeon lutava contra o modernismo - que levou a uma negação das principais doutrinas do cristianismo -, MacArthur se preocupa primariamente com o "pragmatismo". A mensagem desafiadora de Com Vergonha do Evangelho é uma mensagem que nenhum cristão deve se atrever a ignorar. Oferece um alerta que pode estabelecer, para cada igreja, a diferença entre estar nas trevaa e viver na luz.
Esforçando-se para se tornar aceitável ao mundo, a igreja tem adornado o evangelho com inúmeros elementos, menos com a Verdade. Neste livro esclarecedor, MacArthur nos desafia a termos coragem de enfrentar esse tipo de mentalidade, que, de maneira tão intensa, está assolando a igreja contemporânea.

DOWNLOAD

Fonte:Blog que fornece Gratuitamente os Livros para Download,sem praticar Pirataria:http://gospel-books.blogspot.com/
Caso Deseje comprar o Livro:http://www.editorafiel.com.br/detalhes.php?id=1007
 

Salvos da Ira de Deus -Rupert Teixeira



Valores Centrais da Missão Portas Abertas



Irai-vos e não pequeis - Leonard Ravenhill

 


Se você freqüentar a igreja em tudo, você vai, sem dúvida, ouvir milhares de sermões sobre "Enchei-vos do Espírito" (Ef 5:18) para cada um que ouvir sermão pregado em "Irai-vos e não pequeis" (Ef 4:26). Esta é uma ordem! Não é uma defesa para um temperamento ruim. Não é uma desculpa para uma explosão de amargura do seu ego ferido pela rejeição pessoal. Estou falando aqui de Santo Anger. Deus se irrita:"A ira do Senhor se acendeu contra Moisés" (Êxodo 4:14): "Deus está zangado com os ímpios todos os dias" (Salmo 07:11) isso. (Se você precisa ter um adesivo para carros, tente declaração passada por um tempo - mas não se esqueça que você aumente o seu seguro antes de fazê-lo).
O abençoado pregador São Paulo desceu a rua principal de Atenas, a capital intelectual do mundo de sua época. Atos 17:16 diz no sono Elizabethan Inglês da versão King James, "Seu espírito se comovia em si, quando ele viu a cidade tão entregue à idolatria." O Amplified [1] diz que este caminho ", enquanto Paulo os esperava em Atenas, seu espírito estava aflito e despertou a ira quando viu que a cidade estava cheia de ídolos." Tal ira precisa voltar para nós hoje.Confesso aqui que estou completamente irritado. Estou com raiva de que Cristo é ferido na casa de seus amigos. 

Aqui está um exemplo
Nossa casa é inferior a 100 quilômetros de Dallas - a "Atenas" dos teólogos.Portanto, estamos vulneráveis aos alunos que vêm de lá os seminários, angustiado, revoltado e deprimido com o estado de baixo da espiritualidade em suas aulas particulares. Um professor de um seminário como diz o pregador-boys, "Lembre-se que a pregação é agora uma profissão, e não para ser visto ou representado por um evangelista suando em uma tenda tapete de serragem. Agora, o pregador tem status como um médico ou um experiente advogado. " Begone idiotice! A pregação não é uma profissão - é uma paixão! Que Paulo define o padrão, "Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho!" Estou com raiva de que esses professores querem mundo o sorriso da nossa santa vocação. Mas nenhum homem chamado para o ministério precisa de um símbolo de status. Ele é, pela própria natureza da sua vocação, namaior chamado.
Estou ainda mais irritados com uma declaração de Bruce Cook - o agente de publicidade antiga da Coca Cola, que projetou o "I Found It" da campanha. Aqui é o seu comentário horrível, e isso irrita-me:. "De volta a Jerusalém, quando a Igreja começou, Deus fez um milagre ali, no Dia de Pentecostes Eles não têm o benefício de botões e mídia, por isso Deus tinha que fazer um pouco obra sobrenatural ali. Mas hoje, com a nossa tecnologia, temos à nossa disposição a oportunidade de criar o mesmo tipo de interesse em uma sociedade secular. " [2] Esta interpretação faz-me infeliz cerdas. Então, botões e meios de comunicação modernos são mais propensos a iniciar um Céu-Nascido Espírito Santo Revival como era o Alto invasão do quarto do céu? O que é isso, mas o "humanismo cristão"? Nós somos capazes de produzir a mesma coisa que o Espírito Santo Bendito? 

Homossexuais "cristãos"
Estou com raiva quando eu li uma carta do meu amigo e vizinho David Wilkerson anunciar esta perversão perto inacreditável.

"Homossexuais reivindicam agora mais de 50.000 membros em sua" todos os homossexuais "igrejas. A Igreja da Comunidade Metropolitana é uma das muitas denominações homossexual surgindo em todo o país. Mandei um observador para uma das contas anuais 'Santo' Ghost suas convenções em Dallas, Texas . Que blasfêmia incrível! 
"Cada delegado, como registrado, foi dado um pacote que incluía, entre outras coisas, 'menino' duas revistas de todos os homens nus e uma lista de todos os bares gays em Dallas -, para que os delegados poderão deixar o serviço à noite, ir a sua barra selecionada, e se conectar com um amante para a noite. E os delegados se dizem "ministros". Como eles cantavam;! Eles louvaram ao Senhor com entusiasmo a sua evangelista corrompido o Evangelho além da compreensão. Mas Ele disse, 'Claro, Paulo condena os homens que mudaram o uso natural e queimou uns para os outros fizeram. Mas não é não nos nós. nada de mudança. Nascemos assim. Então, sair de seus armários. Enchei-vos do Espírito Santo, e desfrutar da sua homossexualidade! "[3]

Minha raiva por isso é intensificado quando eu li que o corte nos gastos federais fará com que alguns velhos perder refeições. No entanto, o governo federal mesmas pessoas sobre o 05 de maio de 1981, deu a Comunidade Metropolitana (homossexual) Igreja 380 mil dólares de dinheiro dos nossos impostos para operar quatro centros de reassentamento para os homossexuais de refugiados cubanos. [4] (Apenas deixe a verdadeira Igreja de Jesus tentam obter o governo para nos dar um tostão para resgatar os homens de um inferno eterno!) 

CLEAN UP AMERICA?
Eu também estou com raiva quando eu ouço pregadores gritando com grande emoção, "Ajuda-me a limpar a América", quando eles não se atrevem a tentar limpar a Igreja - como é crivado com a carnalidade e sensualidade. Estou zangado e triste quando pregadores chorar sobre a TV que seu rendimento está diminuindo, embora eu nunca os vi chorar na TV sobre os milhões de almas perdidas que se dirigem a cada semana. O Deus na TV é um inofensivo, Deus exigente, querendo dar, mas não exigindo nada em troca. Não há necessidade de tomar a sua cruz e segui-Lo. 

"MUSH DEUS"

Nicholas Van Hoffman tem uma coluna de penetrar no "Mush Deus" de hoje. Leia, amigo. Leia duas vezes e, talvez, você vai chorar quando ele fala da representação grosseira da Divindade Santo. Aqui está Hoffman Van: 
"O Deus Mush foi conhecido por aparecer aos milionários em campos de golfe. Ele parece políticos na corte de cerimônias da fita e os clérigos falam a invocação na televisão nacional de um ou dos republicanos convenções democrata. Mush é Deus A presença é sentida durante Irmandade de semana e quando os rotarianos se reúnem. Ele é a divindade morta Presidente Carter estava se referindo quando a paz sugerindo poderia vir para o Oriente Médio porque o presidente egípcio e primeiro-ministro israelita quer adoraram a Mushy Grande. 
"O Deus Cogu não tem teologia para falar, sendo um de Trigo divindade Cream. O Deus Cogu não tem credo particular, nenhuma doutrina da fé, nada que possa tornar mais difícil para crente e não crente tanto para a cabeça baixa quando o presidente temporário nos diz o reverendo, o rabino, padre, Mufti, ou So-and-So nos guiará em um inofensivo, inócuo oração, por esse deus ocasiões públicas, não é um deus ciumento. Você pode até mesmo invocá-lo para iniciar uma prostituta convenção e ele / ela ou ele não vai ficar ofendido. 
"Deus do Rotary, o Deus dos otimistas 'Club, Protetor do Sistema Buddy, o Cogu Deus é o Senhor do ritual secular, da hipocrisia, mas as formas e formalidades necessários que acalme a divisão eo escárnio. Mush O Deus é um deus manutenção cujas leis não são esculpidas em tábuas, mas escrito na areia, aberto a, capacitação, alteração e era-se. Este é um deus que se comprometer com você, fazer concessões e declarar todas as guerras santas, todos os pedaços santificado ". [5] 


MAIS RAIVA
Meu Santo raiva e indignação de combustão é alimentada por artigos como este da pena de um "Wiseman" do Oriente - a Bhagwan Shree Ragneesh, escrito a partir do Centro de Meditação que leva seu nome. [6]
"SEXO - nunca reprimi-la. - Nunca se contra ele sim, aprofundá-la com muita clareza, com grande amor enriquecido. Go como um e explorador. Pesquisar todos os cantos e recantos de sua sexualidade, e você será surpreendido e beneficiados. Conhecer a sua sexualidade, um dia você vai tropeçar em cima de sua espiritualidade [ou obter VD-LR], então você vai se tornar livre. O futuro terá uma visão totalmente diferente do sexo. Será mais divertido, mais alegria, mais amizade, jogar mais do que um assunto sério, como tem sido no passado. [O "caso sério" mencionado aqui deve significar o casamento.-LR] Sexo é apenas o começo, não o fim. Mas se você perder o começo, você vai perder a final também ".
Qual a lógica eo que aviso! Por que não perca a final, que é tormento aqui e no futuro? Eu me pergunto o que as pessoas que tentaram esse método do professor pensar sobre isso. Será que ele tem "cruzadas revival" com a vida, brilhante-faced "testemunhas", dizendo de sua emancipação arrebatador da "servidão de pureza e de uma boa consciência"? 

SAVE DE CRIANÇAS?
Eu não estou irritado que a Moral Majority campanha meninos contra o aborto.Estou com raiva quando os mesmos homens que dizem: "Salvar as crianças NOSSO" abaixo "bombardeiros construir mais e maior." Isso mesmo! Blast os filhos de outras nações para a eternidade, ou miséria limbless enquanto estavam mutilados da "nossa" bombistas! Isso não cristalizar.
Estou com raiva que o pulpiteers podem rugir em seus púlpitos contra as injustiças políticas, ainda sussurram sobre os atos errados na sua própria irmandade - e também que o pecado é chamado por outros nomes. Deus não tem pontos de vista leve do pecado, então vamos voltar para a linguagem bíblica. Os profetas do mundo são perigosos, mas o "bom-sayers" no púlpito são igualmente perigosas. Que hoje chamamos de "debilidade". Iniqüidade Maldade é apenas "fraqueza", o adultério ea fornicação, basta "ter um caso." Luxúria é chamado de "amor". A sodomia é agora a ser "gay". A prostituta não é chamada de "prostituta" mais, ela é inofensivo chamado de "Call Girl". Estas não são condições de cada sermão, mas eles têm algum tipo de intimidação e de vergonha que lhes são inerentes, o que torna os pregadores medo de usá-los (e os pecadores com medo de ouvi-los). Mas a Bíblia usa-los!
Estou com raiva quando eu ouço pregadores dizendo: "Nós tivemos o nosso melhor concerto de sempre na semana passada quando o" ZYX Singers "veio à nossa igreja. O auditório estava lotado, com cadeiras extras e tivemos que correr extensões para o salão da igreja para o transbordamento ! No entanto, essa mesma igreja, popular próspera pode acomodar confortavelmente a sua reunião de oração em apenas sobre o menor espaço na instalação. O que um tapa na cara para uma oração de atendimento de Deus! Que declaração pública de que a oferta dos patrões concerto é mais importante que a oração!
Estou com raiva de pessoas que recusar o seu próprio dinheiro do Senhor, mas depois se sua casa em um mercado de pulgas para levantar fundos da igreja. E acreditem, eu estou agitado, cansado e irritado quando tento perceber que 90% da pregação do Evangelho é para apenas 10% da população do mundo. 

Mórmons ficamos "HOMENS MAIS"

"Newsweek" de 27 de abril de 1981, declara: 
"Este ano, os mórmons, mais missionários campo - cerca de 30.000 no total - do que qualquer outra igreja nos Estados Unidos ... a sua única finalidade é trabalhar 16 horas por dia, seis dias por semana, a propagação do Evangelho de acordo com a de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Igreja "[Agora,observe a disciplina em anexo a este esforço.]" A disciplina imposta aos missionários mórmons é tão único como a sua mensagem: não há filmes, televisão ou música popular, sem telefonemas para os pais ou namoradas, sem datas - e não vai a lugar nenhum sozinho.. Em quase militar este regime LDS os missionários levaram a fé em todos os EUA em seis "continentes

Estou indignado com esse falso zelo, perturbado e profundamente perturbado que temos de fazer tantas Christian Youth Camps uma Olimpíada miniatura para atrair as crianças para os chamados estudos bíblicos. Ousamos tentar obter filhos longe da televisão, esportes, etc, para uma semana de concentração de sólidos em coisas eternas? Parece mais correto, com ênfase em esportes e programas da igreja, igreja e ligas de boliche, beisebol, etc, que devemos estar cantando: "Onward Christian Esportistas - esqueça-se sobre a guerra - olhe para todos os prêmios - você 're disputando! " [7]
Estou com raiva quando eu penso que o governo vai subsidiar um esforço científico para descobrir onde o homem veio, mas não dará um centavo para dizer aos homens onde eles estão indo. Deus, batizar-nos com uma ira santa, que nos levaram a um curso do inferno, perturbador, o céu enriquecedora intercessão!
Todos estes acontecimentos tristes que eu já mencionei seria atendido por um céu-nascido visitação, pelo pecado de condenação do Espírito.

Estou indignado com o monopólio do diabo desta idade. 
Estou com raiva que a Igreja dorme. 
Estou com raiva que a Igreja, em muitos (e talvez a maioria) dos casos, é um centro de entretenimento. Senhor, tem piedade! "Tu não me vivificar-nos, que o teu povo se alegre em ti?" (Salmo 85:6)


[1] A Escritura citação da Bíblia Amplificada, (C) 1965 Zondervan Publishing House.
[2] De "A Imagem Total", de 1980, pela Owens Virgínia, Eerdmans Publishing Company.
[3] "A Purga Coming" Cruzada David Wilkerson.
[4] "o seu boletim," Primeira Igreja de Deus, Fort Smith, AR.
[5] de "fontes e recursos".
[6] "Time Magazine", 20 de julho de 1981.
[7] cantado ao som de "Avante Soldados cristã".



REPRODUÇÃO COPYRIGHT / LIMITAÇÕES: Este arquivo de dados é propriedade exclusiva de Leonard Ravenhill. Não pode ser alterado ou editado de nenhuma maneira. Ele pode ser reproduzido apenas na sua totalidade para circular como "freeware", sem custos. Todas as reproduções dos dados deste arquivo devem conter o aviso de direitos autorais (ie, "Copyright (C) 1995 por Leonard Ravenhill, Lindale, Texas"). Este arquivo de dados não pode ser utilizada sem a permissão de Leonard Ravenhill para a venda ou promoção de qualquer outro produto à venda. Isto inclui todo o seu conteúdo com a exceção de um breve algumas citações. Por favor, dê o crédito de origem a seguir: Copyright (C) 1995 por Leonard Ravenhill, Lindale, Texas - http://www.ravenhill.org

Razões por que alguns não vêm a Cristo - Al Martin



Jerusalém estava zumbindo com atividades durante um dos mais importantes dias de festa judaica. E, no poço de Betesda, o jovem e controverso rabi, da Galiléia, deixara todos admirados por curar um homem que estivera paralisado durante trinta e oito anos! Mas, em vez de alegraremse, os líderes judaicos primeiramente confrontaram o homem curado, por estar levando a sua cama em dia de sábado — isso era uma obra, eles diziam, e Deus proibia toda obra no sábado. Em seguida, eles condenaram a Jesus por sua obra de “cura” no dia de sábado! João 5 narra a resposta simples de Jesus: “Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também”. Os judeus entenderam esta resposta como uma afirmação de Jesus “fazendo-se igual a Deus” (v. 18).
As declarações claras de Jesus afirmando sua igualdade com Deus despertaram a vontade de matar no coração dos líderes dos judeus, mas Jesus expressou graciosamente seu desejo em relação a eles, quando declarou: “Digo-vos, entretanto, estas coisas para que sejais salvos” (v. 34). E, como eles não poderiam ser salvos, se não cressem em Jesus como o Deus encarnado e seu Messias prometido, Ele lhes mostrou que suas afirmações de divindade eram validadas por três tipos de evidências, com as quais eles estavam familiarizados: o testemunho de João Batista, as obras miraculosas que Jesus fazia e as próprias Escrituras. No entanto, apesar de toda esta evidência, a incredulidade persistente deles exigiu estas palavras registradas no versículo 40: “Não quereis vir a mim para terdes vida”.
Com certeza, estas são algumas das palavras mais trágicas já proferidas! Nelas, Jesus afirmou claramente que a vida estava nEle e que podia ser obtida apenas por vir a Ele. Jesus não estava falando sobre a vida física ou o vir fisicamente a Ele, pois seus ouvintes já estavam perto dEle. Jesus estava falando sobre o vir espiritual e a vida eterna recebida por unir-se a Ele pela fé. Contudo, os seus ouvintes recusaram-se a fazer a única coisa necessária para que tivessem a vida eterna, pois recusaram-se a crer nEle. E as palavras de Jesus nos mostram que Ele os tomou como responsáveis por sua indisposição de vir a Ele. O que impediu essas pessoas exteriormente religiosas de virem a Cristo? Meu amigo não-salvo, o que o impede de vir a Cristo hoje? Enquanto descrevo quatro razões por que alguns não vêm a Cristo, espero mostrar-lhe que cada tipo de razão é indesculpável. Espero persuadi-lo a abandonar essas razões e convencê-lo a vir a Jesus Cristo.
1. Ignorância de sua profunda necessidade
Algumas pessoas não vêm a Cristo porque ignoram sua necessidade como pecadores. Os fariseus dos dias de Jesus eram um exemplo clássico desta ignorância. Em Lucas 18, Jesus contou, com ousadia, uma parábola que visava a estes hipócritas, que “confiavam em si mesmos, por se considerarem justos” (v. 9). Quando os escribas e os fariseus murmuraram contra Jesus, porque Ele comia com os publicanos e pecadores, Jesus observou: “Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento” (Lc 5.31-32).
O que era verdade a respeito dos fariseus há dois mil anos também é verdade a respeito de muitos em nossos dias: eles nem sabem que estão doentes. Ignoram o fato de que têm uma doença moral e espiritual. Não se preocupam em ir ao Grande Médico de sua alma, porque não acham que haja algo errado. Mas essa indiferença em relação à verdadeira condição de sua alma é indesculpável, por causa do testemunho claro das Escrituras e da sua consciência. Se você abrir qualquer livro da Bíblia, lerá sobre a condição pecaminosa e corrompida do homem. Desde o relato de Adão e Eva, quando estes desobedeceram a Deus, e em todo o seu relato sobre o homem, a Palavra de Deus nos mostra que somos uma raça culpada e contaminada. Mas, se você acha que é uma exceção, considere várias afirmações do apóstolo Paulo que resumem este assunto e nas quais ele falou a respeito do Senhor Jesus Cristo, sob a orientação infalível do Espírito Santo: “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo” (1 Co 15.22); ou: “Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Rm 5.12).
Por causa desta herança, somos, de fato, pecadores. Paulo nos descreve como “filhos da ira” (Ef 2.3). Davi, o homem segundo o coração de Deus, testemunhou a respeito de si mesmo: “Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe” (Sl 51.5). Cada um de nós herdou uma natureza de pecado, e pecar ocorre naturalmente para todos nós. Somos culpados detransgredir as leis de Deus escritas em nosso coração e na Palavra de Deus. “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho”, declarou o profeta (Is 53.6). Paulo afirmou com autoridade final e abrangente: “Não há justo, nem um sequer” (Rm 3.10).
Além do testemunho externo das Escrituras, há o testemunho interno da própria consciência. A consciência é ativa em cada pessoa, acusando as más ações ou recomendando aquelas que são boas (Rm 2.15). Você sabe que a consciência remove o prazer do pecado e acha maneiras de abafá-la. Se a consciência pudesse falar em voz alta, ela lhe declararia, de modo audível, quão vil é o seu coração. Revelaria todos os motivos e desejos perversos que existem em seu espírito. Se você ouvisse a sua consciência, não seria ignorante de sua profunda necessidade de Cristo. Você sabe que está sob a condenação de Deus, por causa de seu pecado, e sujeito à total punição desse pecado. Também sabe que é incapaz de ajudar a si mesmo. Oh! Quantos ignoram o testemunho da Bíblia e lutam contra o testemunho de sua consciência! Não se congratule com o fato de que pode ouvir a oferta da misericórdia de Cristo e permanecer insensível. Em vez disso, ore para que tenha uma percepção de sua profunda necessidade e da extensão de sua culpa e sua corrupção. Em vez de ser como o fariseu descrito em Lucas 18, que permanecia ousada e arrogantemente na presença de Deus, proclamando a sua própria bondade, que você se prostre em humildade, como o publicano, e clame: “Ó Deus, sê propício a mim, pecador!”
2. Impenitência diante das exigências penetrantes de Cristo
Talvez você esteja disposto a admitir sua necessidade e escapar da acusação de uma consciência que o condena; mas há outra razão por que você não vem a Cristo. Talvez você permaneça sem arrepender-se diante das exigências penetrantes que Ele faz. A chamada de Cristo para que você venha a Ele também é um mandamento para que você abandone seus pecados. “Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus”, disse o anjo a José, “porque ele salvará o seu povo dos pecados deles” (Mt 1.21). Ele não os salvará nos seus pecados, mas dos seus pecados. “Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento” (Lc 5.32), disse Jesus. Os termos pelos quais devemos nos unir a Cristo são os termos de separação completa dos pecados. Você não pode separar o arrependimento da fé e do perdão. Paulo disse que a mensagem autêntica do evangelho é “o arrependimento para com Deus e a fé em nosso Senhor Jesus [Cristo]” (At 20.21). Deus exaltou Jesus a Príncipe e Salvador, disse Pedro aos judeus, “a fim de conceder a Israel o arrependimento e a remissão de pecados” (At 5.31). Seu problema talvez não seja insensibilidade — de fato, talvez você esteja miseravelmente consciente de sua profunda necessidade de perdão e paz. Mas não está pronto para deixar seus pecados e vir a Cristo, de acordo com os termos dEle. Esse era o problema do jovem rico, mencionado em Mateus 19. Ele desejava com sinceridade ter a vida eterna e foi a Cristo em busca desta vida. Mas Jesus, em seu conhecimento onisciente do coração humano, se focalizou em um único problema: o amor do homem ao dinheiro. Jesus tinha de ser o único Senhor daquele jovem: “Vai, vende os teus bens, dá aos pobres e terás um tesouro no céu; depois, vem e segue-me” (Mt 19.21). Mas, o jovem rico mostrou-se indisposto a sujeitar-se às exigências penetrantes de Cristo, e o relato bíblico diz:
“Tendo, porém, o jovem ouvido esta palavra, retirou-se triste”. Não devemos pensar que isto é sempre uma chamada para abandonarmos as riquezas, pois Jesus chamou pelo menos alguns homens ricos, como Mateus e Zaqueu, e nunca lhes impôs essa exigência específica. Mas, quando Jesus lidava com qualquer pecador, como a mulher samaritana (mencionada em João 4), Ele descobria o pecado favorito daquela pessoa e expressava com ousadia sua reivindicação. Jesus diz aos pecadores que a vida eterna está em suprema ligação com Ele mesmo. “Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Mt 6.24). “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e sigame” (Mc 8.34). Você percebe que não se arrepender ante às penetrantes exigências de Cristo é indesculpável. O perfeito e santo Senhor da glória chama-o a deixar os seus pecados, a fim de lhe dar a vida eterna; e você se recusa a deixá-los.
Mas os pecados aos quais você está apegado, o que eles farão por você no final? “O salário do pecado é a morte” (Rm 6. 23), disse o apóstolo Paulo. A salvação por meio de Jesus Cristo tem o propósito de livrá-lo da penalidade, poder, prática e, um dia, louvado seja Deus, até da presença do pecado. Por que você se apega aos seus pecados, que somente o arrastarão ao inferno? Jesus sabe que esta separação envolve um custo. Ele falou sobre o pecado como algo tão querido como o olho ou a mão direita. Jesus sabe que o verdadeiro arrependimento, a confissão e o abandono do pecado podem causar embaraço, mal-entendido, perdas financeiras e a tristeza de romper relacionamentos íntimos.
Quando Jesus disse àqueles judeus: “Não quereis vir a mim para terdes vida”, sabia que eles amavam receber honra uns dos outros (Jo 5.44). Seguir um mestre desprezado como aquele era mais do que o arrogante coração deles podia suportar. Jesus sabia do conflito deles, mas nunca diminuiu suas exigências que humilhavam a carne. Você percebe que essa impenitência é não somente indesculpável, mas também irracional? Considere todas as evidências contra uma vida entregue ao pecado. Observe em detalhes a vida infeliz e corrompida daqueles que resistiram à pregação em sua juventude — pessoas que são o próprio cumprimento das palavras proféticas de Deus, por meio do profeta Isaías: “Os perversos são como o mar agitado, que não se pode aquietar, cujas águas lançam de si lama e lodo. Para os perversos, diz o meu Deus, não há paz” (Is 57.20, 21). “O caminho dos pérfidos é intransitável” (Pv 13.15). Considere o leito de morte cheio de terror daqueles que morrem em seus pecados. Pense no futuro Dia do Juízo, quando os grandes da terra clamarão às montanhas e rochas que caiam sobre eles, para ocultá-los da “ira do Cordeiro” (Ap 6.16). Pense no próprio inferno, onde os pecadores impenitentes são lançados “na fornalha acesa; ali haverá choro e ranger de dentes” (Mt 13.42). “A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos” (Ap 14.11).
Finalmente, olhe para a cruz. Contemple o Senhor da glória, o único Homem que viveu sem pecado e que, na cruz, foi feito pecado em lugar de seu povo. Considere o preço que Jesus pagou pelos pecados que você ama. Pense nos sofrimentos dEle, quando estava nas mãos de homens ímpios. Observe a grande e indescritível agonia de Jesus, quando esteve sob a ira de seu Pai, em benefício de homens pecadores. Pare e reflita, até que você possa dizer como o fez John Newton: “Vi o Salvador sangrando e agora odeio o meu pecado”. Se essas considerações são insuficientes para afastá-lo dos pecados que agora lhe parecem tão queridos, será correto que Deus lhe diga naquele grande último dia: “Apartai-vos de mim, malditos” (Mt 25.41). “Efraim está entregue aos ídolos; é deixá-lo” (Os 4.17). Não afunde no inferno por agarrar-se aos seus pecados. Venha a Cristo de acordo com os termos dEle, para que você tenha vida.
3. Incredulidade em relação à promessa de Cristo
Talvez você não seja culpado de um estimado e idólatra apego ao pecado. Talvez você tenha deixado muitos pecados, para o seu próprio bem e por causa de respeitabilidade perante os outros. Contudo, há uma forma sutil de pecado que você nunca levou em conta. Talvez você não o considere muito importante, nem, com certeza, muito injurioso. Talvez você seja uma pessoa que não crê nas promessas de Cristo. Mas você pergunta: “Incredulidade? Que tipo de pecado é esse? Por que Deus me julgaria responsável por não crer em algo?” Meu amigo, considere por alguns momentos como a incredulidade pode ser um dos maiores obstáculos para que alguém venha a Cristo e, por causa disso, o impeça de entrar no céu.
Pode haver alguma dúvida sobre o fato de que as promessas de Cristo são claras, seguras e abrangentes? Leia estes exemplos das promessas dEle. Verifique-as na Bíblia, para confirmar, por si mesmo, quão absolutamente isentas de condições e qualificações elas são.
“Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Ele “é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam” (Rm 10.12). “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Rm 10.13). “Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” (Jo 5.24). “O que vem a mim, de modo nenhum [sob nenhuma condição, em nenhuma circunstância] o lançarei fora” (Jo 6.37). Deus compara sua obra de salvação a uma festa de casamento e diz: “Tudo está pronto; vinde para as bodas” (Mt 22.4). Deus fez todos os preparativos — tudo que precisava ser feito. Não precisamos trazer nada; precisamos apenas vir.
À luz dessas maravilhosas e irrestritas promessas de perdão e aceitação, você percebe quão indesculpável é o pecado de incredulidade? As bodas do evangelho têm sido anunciadas, e Deus envia seus servos a dizerem: “Vinde, porque tudo já está preparado” (Lc 14.17). Mas você permanece fora da sala do banquete, perdido e condenado em sua recusa ímpia de aceitar a misericórdia prometida da parte de Deus. Talvez você não ignore sua necessidade profunda ou a impenitência em relação a seus pecados, mas está indisposto a crer no testemunho de Deus a respeito da suficiência de seu Filho como Redentor para os pecadores — o Deus que falou de modo audível do céu: “Este é o meu Filho amado; a ele ouvi” (Mc 9.7). Haverá muitos tipos surpreendentes de pecadores no céu. Haverá pecadores notáveis como o ladrão cujos crimes exigiram a crucificação. Haverá assassinos e blasfemos no céu, como Saulo de Tarso, e pessoas cujas mãos mataram o Filho de Deus (At 2.23). Todavia, é evidente que um tipo de pecador estará ausente do céu; ali não haverá incrédulos. No céu, não haverá pessoas que, nesta vida, não se uniram pela fé ao Senhor Jesus Cristo.
O livro de Apocalipse pinta muitos quadros do juízo final executado por Deus sobre toda a humanidade. Várias destas imagens são complexas e misteriosas, mas considere uma destas imagens bem claras sobre aqueles que não entrarão no céu. Apocalipse 21.8 nos diz: “Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte”. Aqueles que tinham uma vida respeitável e até correta, porém caracterizada pelo pecado crônico de incredulidade terão seu lugar eterno com aqueles cujas vidas estavam caracterizadas por assassinato, mentira e outras formas grosseiras de pecado.
Somos tentados a ver a incredulidade como um defeito ou um tipo de “deficiência vitamínica” que nos deixa espiritualmente anêmicos, mas não muito doentes. Deus vê a incredulidade em sua verdadeira luz. Quando Jesus descreveu o propósito da vinda do Espírito Santo, para convencer o mundo do pecado, este foi o principal pecado que Ele enfatizou: “Porque não crêem em mim” (Jo 16.9). Se até hoje você tem sido incrédulo, você quer, agora, se converter deste pecado e unir-se a Cristo, pela fé? Você deseja crer nas abundantes promessas dEle, promessas de salvação, perdão e descanso?
4. Esperar revelação adicional da parte de Cristo
Talvez você ainda não tenha identificado seu motivo para não vir a Cristo. Você sente a sua necessidade por Ele e está pronto a deixar os seus pecados. Está procurando colocar sua fé em Jesus no tempo certo, mas quer alguma palavra adicional da parte dEle.
A sua exposição à Bíblia, quer na leitura pessoal, quer na educação familiar, quer na freqüência à igreja, lhe ensinou uma verdade importante. Você sabe que, se não é um dos eleitos de Deus, não pode vir a Cristo. Deus tem de despertar um pecador para a sua necessidade, tem de atraí-lo a Ele mesmo e dar-lhe o dom da fé. Por isso, você argumenta: “Enquanto eu não souber que sou um dos eleitos de Deus, ir a Cristo será presunçoso para mim!”
De posse desta convicção firme, você determinou que não pode agir, enquanto não receber revelação adicional da parte de Cristo. É claro que você não está exigindo uma visão ou uma voz à noite, mas está esperando ou por alguma passagem bíblica especial que se fixará em sua mente, ou por algum senso avassalador da convincente presença de Deus, ou por alguma evidência dos sinais da regeneração em sua vida. Assim, você não quer ir a Cristo, porque espera por uma mensagem de Deus. Por que não é seguro esperar essa revelação adicional? A passagem de João 5 nos dá uma resposta constrangedora.
Jesus afirmou aos judeus que as Escrituras do Antigo Testamento devem ser a prova convincente e final das reivindicações dEle. Jesus disse: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim” (v. 39); e, em seguida: “Se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em mim; porquanto ele escreveu a meu respeito” (v. 46). Em outras palavras, Jesus estava dizendo: “O que as Escrituras dizem a respeito de mim, desde os primeiros escritos de Moisés até às palavras finais dos profetas, tudo é uma garantia de que você precisa vir a mim. Não deve esperar por algo mais; estas palavras são suficientes”.
O diálogo de Abraão com o rico, no inferno, reforça o ensino sobre a suficiência e a finalidade do testemunho das Escrituras. Ao apelo do rico no sentido de que alguém advertisse seus irmãos a respeito dos tormentos do inferno, Abraão respondeu: “Eles têm Moisés e os Profetas; ouçamnos” (Lc 16.29). Mas o rico tinha um método melhor: “Não, pai Abraão; se alguém dentre os mortos for ter com eles, arrepender-se-ão” (v. 30). Ouvimos a voz de Cristo falando por meio da resposta final de Abraão: “Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (v. 31). Você está esperando por uma revelação espetacular da parte de Deus, antes de vir a Cristo? Está ignorando a mensagem de Moisés e dos profetas que você tem em sua Bíblia? Você percebe que essa espera é indesculpável? Não pense que sua atitude equivale à submissão humilde diante de Deus. Sua relutância é realmente uma exigência arrogante e vangloriosa para com Deus, dizendo-Lhe como deveria agir. De fato, você está dizendo, juntamente com aquele rico: “Deus, eu tenho um plano de salvação melhor do que os seus métodos comuns. Tenho uma maneira especial para que você me chame e estou esperando por esta revelação especial”. A verdade é: o plano de salvação de Deus tem sido apresentado com clareza e simplicidade a você, por meio do testemunho das Escrituras. As bodas do evangelho têm sido anunciada, e Deus o convida a ter a vida eterna. Tudo o que você precisa fazer é vir. Jesus Cristo está chamando-o? Você se vê não como um pecador especial, mas como um pecador necessitado e perdido, que merece o inferno? Então, venha a Ele com arrependimento e fé. Olhe para Cristo como o amigo perfeitamente adequado para os pecadores. Veja como a vida de perfeita justiça dEle satisfaz as exigências da lei de Deus. Considere como a morte vicária de Cristo satisfaz plenamente a justiça divina quanto aos seus pecados. Não complique aquilo que Deus tornou maravilhosamente simples; apenas venha.
Venha a Cristo por causa da graciosa orientação dada por Deus: “Ora, o seu mandamento é este: que creiamos em o nome de seu Filho, Jesus Cristo” (1 Jo 3.23). Venha a Cristo por causa da graciosa promessa de Deus: “Todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). Que neste dia você abandone quaisquer razões que o impeçam. Venha a Cristo, para que tenha vida!

Amor Bíblico - Vincent Cheung




Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto

Sempre agradecemos a Deus, o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, quando oramos por vocês, pois 
temos ouvido falar da fé que vocês têm em Cristo Jesus e do amor que têm por todos os santos,
por causa da esperança que lhes está reservada nos céus, a respeito da qual vocês ouviram por 
meio da palavra da verdade, o evangelho que chegou até vocês. Por todo o mundo este evangelho 
vai frutificando e crescendo, como também ocorre entre vocês, desde o dia em que o ouviram e 
entenderam a graça de Deus em toda a sua verdade. Vocês o aprenderam de Epafras, nosso amado 
cooperador, fiel ministro de Cristo para conosco, que também nos falou do amor que vocês têm 
no Espírito. (Colossenses 1:3-8, NVI)

Assim como Paulo tinha em mente uma fé que é específica é “fé…  em 
Cristo Jesus” – ele tinha em mente um amor que também é específico – é o “amor 
que têm por todos os santos”. Alguns comentaristas observam que nessa passagem fé 
caracteriza nosso relacionamento “vertical” com Deus, enquanto amor caracteriza 
nosso relacionamento “horizontal” com outras pessoas. Isso é verdade na 
passagem em questão, mas seria um engano inferir a partir disso um amplo 
princípio que force rigidamente a distinção. O motivo é que, entre outras coisas, o 
amor deve caracterizar também nosso relacionamento vertical com Deus. 
Embora a fé seja algumas vezes associada com um sentimento de confiança, 
ela não deve ser identificada com o sentimento em si. Antes, fé é crença nas 
proposições divinamente reveladas e é em si mesma independente de sentimentos 
que podem oscilar. Sentir-se bem sobre uma proposição bíblica é diferente de crer 
nela. Da mesma forma, embora o amor seja algumas vezes acompanhado por certas 
emoções, o amor em si não é uma emoção. A idéia que o amor é uma emoção, ou 
está necessária e proporcionalmente associado com certas emoções, tem causado 
danos desastrosos ao desenvolvimento intelectual e ético de inúmeros crentes. 
A Bíblia fala de amor como a disposição de pensar e agir para com outras 
pessoas (incluindo Deus) de acordo com os preceitos e leis divinas – isto é, tratá-las 
como Deus nos manda tratá-las. Esse amor não tem nenhuma conexão direta e 
necessária com alguma emoção, a qual, sem qualquer conotação negativa inerente, 
definimos como um tipo de distúrbio mental. Esse distúrbio pode ser positivo ou 
negativo, mas é um distúrbio. 
Como Paulo escreve em Romanos 13, “Todos [mandamentos] se resumem 
neste preceito: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. O amor não pratica o mal 
contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento da Lei” (v. 9-10). Note que o 
amor é o cumprimento e não a substituição da lei. Não tratamos as pessoas com amor                                               
ao invés de tratá-las de acordo com a lei. Antes, tratá-las com amor é tratá-las de 
acordo com a lei, ou mandamentos de Deus. 
Ele diz que os mandamentos, tais como “Não adulterarás” e “Não matarás” 
são resumidos no mandamento para amar. Um resumo não é diferente ou superior às 
coisas que ele expressa. Na realidade, para entender verdadeiramente os detalhes 
representados pelo resumo, devemos examinar as coisas que ele resume. Assim, o 
mandamento para amar não é diferente ou superior aos outros mandamentos – 
amor é definido por esses mandamentos em primeiro lugar. 
A Escritura define nosso amor para com Deus da mesma forma. Jesus diz 
aos seus discípulos em João 14:23, “Se alguém me ama, obedecerá à minha palavra” 
– não que ele sentirá de certa forma ou terá certa emoção. Se ele ama, obedece. 
Então, ele diz: “O meu mandamento é este: Amem-se uns aos outros como eu os 
amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus 
amigos” (15-12-13). Não há nenhuma emoção aqui. O mandamento é amar, e esse 
amor significa ação heróica e sacrificial em benefício de outros. 
Muitas pessoas que se sentem totalmente perturbadas por dentro diante do 
mais leve sofrimento nos outros, nunca sacrificariam sequer o seu conforto pessoal 
para resgatá-las, para não dizer salvar a vida. Mas elas têm sido ensinadas – pela 
cultura, tradição, filosofias anti-cristãs, mas não pela Escritura – que isso representa 
compaixão. Eles gemem e choram por eles – isso não é amor? Embora possa 
permitir que se sintam muito compassivos e espirituais, isso não tem nada a ver 
com amor. 
Em seus momentos mais sóbrios, teólogos e comentaristas admitem que o 
amor bíblico tem a ver com pensar e agir de acordo com os mandamentos de Deus 
para com outras pessoas, e que tal amor não tem nada a ver com um tipo particular 
de distúrbio mental, ou emoção. A Escritura é clara sobre isso; não é algo difícil de 
reconhecer. Como um comentarista escreve: “A Bíblia fala do amor como uma 
ação e atitude, não apenas uma emoção… os cristãos não têm desculpa por não 
amar, pois o amor cristão é uma decisão de agir no melhor interesse dos outros”. 
Definir amor como uma emoção deixa alguém com uma desculpa, visto que 
nossos sentimentos podem oscilar. Além do mais, tal definição gera culpa 
desnecessária na pessoa que nem sempre sente o que pensa que deveria sentir para 
com as pessoas. E se amor é uma emoção, então que emoção exatamente? Isto é, o 
que se deve sentir? Mas de acordo com a Bíblia, se uma pessoa trata outras pessoas 
consistentemente de acordo com os mandamentos de Deus, a despeito de como se 
sente, então ela anda em amor. Por outro lado, a pessoa que não faz nada mais que 
desmoronar num descontrole emocional a qualquer sinal de sofrimento humano, 
não anda em amor. Ela é um aborrecimento sem amor, e poderia muito bem parar 
de fingir.  
Fonte: http://www.vincentcheung.com/

O Sofrimento deve ser Valorizado – J. I. Packer



Este pensamento lhe perturba? Não deveria. O mundo não vê nenhum valor no sofrimento. Também não tem nenhuma razão para ver. Mas os cristãos estão em uma posição diferente, pois a Bíblia lhes garante que Deus santifica o seu sofrimento e produz, ao final, um resultado bom. Não devemos nem mesmo fingir mostrar, em uma exibição de orgulho estóico, que não sentimos nenhuma dor ou angústia. Por outro lado, não devemos passar o nosso precioso tempo discorrendo sobre como sofremos, porque isto seria uma autocomiseração pecaminosa. Em qualquer dos casos, existem coisas mais importantes a serem feitas. Nossa tarefa é suportar o sofrimento, não como se fosse algo prazeroso, pois não o é, mas com o entendimento de que Deus não deixará que ele nos massacre e que o usará, sobrenaturalmente, para produzir, pelo menos, três bons resultados.

1. Nosso Sofrimento Produz Caráter. Deus faz com que as nossas feridas sejam um instrumento para nossa transformação moral, nos assemelhando à imagem do nosso Salvador. "E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança" (Rm 5.3,4; Tg 1.2-4). A maneira como isto acontece é explicada em Hebreus 12.5-11, conforme já vimos anteriormente. O escritor, tendo conclamado os seus leitores para que corram a corrida da vida com os olhos fixos em Jesus, sem dar nenhum espaço para o pecado, segue dizendo-lhes que suas dores e aflições são o treinamento moral aplicado pelo Pai celestial, infligidos, não como resultado de uma indiferença brutal, mas para conduzi-los a um estágio de vida santa. "É para disciplina que perseverais (Deus vos trata como a filhos); pois que filho há que o pai não corrige? (...) Pois eles nos corrigiam por pouco tempo, segundo melhor lhes parecia; Deus, porém nos disciplina para aproveitamento, a fim de sermos participantes da sua santidade. Toda disciplina, com efeito, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza; ao depois, entretanto, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados, fruto de justiça" (Hb 12.7,10,11). As cicatrizes ligam-se à santidade. A dor tem um efeito educacional.

Dor educacional? Isto soa muito brutal! Mas ela é algo muito real! "Que filho há que o pai não corrige?" Pais que realmente amam seus filhos gastam tempo em sua disciplina, quando jovens, para que possam, um dia, ser adultos que irão deixá-los orgulhosos. Esta é a pura verdade. Qual é a alternativa? "Se estais sem correção (...) sois bastardos e não filhos" (Hb 12.8). O cenário triste, no qual o pai biológico não assume a responsabilidade pelo bem-estar de seus filhos ilegítimos (e dos legítimos também, em alguns casos), era tão familiar no mundo antigo quanto o é no inundo atual. O fato é que, sem a santidade que vem por meio da disciplina de Deus, "ninguém verá o Senhor" (Hb 12.14). Mas se Deus está usando o problema para nos treinar na área da retidão, aqui e agora, isto mostra que ele está nos preparando para uma eternidade de alegria com o nosso Senhor Jesus Cristo sentado à sua destra. É assim que o nosso Santo Pai, no céu, trabalha para o nosso bem.

A educação divina, que estamos discutindo agora, tem dois lados. O primeiro foi expressado por George Whitefield, o famoso evangelista do século 18 que falou do nosso bondoso Senhor colocando espinhos em nossas camas para evitar que, como aconteceu com os discípulos no Getsêmani, não sejamos achados dormindo, quando deveríamos estar vigiando e orando. Assim como o desconforto corporal nos mantém acordados fisicamente, a ausência de situações confortáveis e contentes nos manterão espiritualmente alertas.

O segundo lado é revelado pela palavra dada por Jesus a cada um que queira ser seu discípulo, quando disse: "Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me" (Lc 9.23; cf. 14.27). As únicas pessoas, nos dias de Jesus, que carregavam suas próprias cruzes eram os marginais, escravos ou não-judeus, condenados a levá-las até o lugar de sua crucificação. Eles eram pessoas que tinham perdido os seus direitos civis e a quem a sociedade havia declarado que os preferia ver mortos, cujo sofrimento iminente e devemos nos lembrar que a crucificação era a forma mais cruel de execução -não motivaria ninguém a fazer nada por eles. Jesus, ao final de sua vida, literalmente, juntou-se a esta categoria. Mas o que ele estava dizendo, nas palavras mencionadas anteriormente, era que, moralmente, já se encontrava crucificado, pela atitude negativa do povo em relação a ele. Os seus seguidores, então, precisam também, claramente, aceitar tal atitude negativa da comunidade ao seu redor, pois isto é o que acontecerá se eles forem leais ao Senhor.

Este é o significado real do "negar-se a si mesmo" - não um simples retorno à alguma forma de comodismo privado, mas uma submissão total do desejo natural de ter um bom status, aceitação e respeito. Implica em estar preparado para ser rejeitado como alguém sem valor e dispensável e destituído dos seus próprios direitos.

Schmidt, corretamente, enfatiza este ponto:

Em sua primeira epístola, Pedro escreve: "Se quando praticais o bem, sois igualmente afligidos e o suportais com paciência, isto é grato a Deus" (IPe 2.20). Ele começa o versículo seguinte, dizendo: "Porquanto, para isto mesmo fostes chamados" (IPe 2.21), e segue descrevendo o exemplo de Cristo. O sofrimento construtivo, ou a dor educacional, é essencial em uma vida de fé. O apóstolo Paulo também expressa esta mesma idéia. Em Romanos 8.17, ele faz do sofrimento uma condição da herança eterna, chamando os cristãos de "co-herdeiros com Cristo". Se, de fato, "com ele sofrermos, também com ele seremos glorificados". Em Filipenses 1.29, Paulo escreve que "vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo, e não somente de crerdes nele".

O sofrimento é, então, visto como uma vocação que nos prepara para a glória com Cristo ao nos aproximar da santidade de ser como Cristo, em nossa reação à nossa experiência de querer o que não temos, enquanto tendo o que não queremos.

A palavra grega traduzida por "experiência", em nossa tradução Revista e Atualizada, é dokime, que, muitas outras versões, traduzem por "caráter". Estritamente falando, este termo expressa o pensamento complexo de uma qualidade provada, reconhecida e aprovada como tal, por uma pessoa ou grupo interessado - neste caso, o próprio Deus. A razão pela qual dokime traz esperança (confiança de que a alegria e a glória com Cristo serão a nossa herança final) não é a de

que as pessoas que permaneceram firmes, ao longo dos momentos de abundância e de penúria, podem, agora, expressar votos de confiança nelas mesmas, mas que o Deus, a quem elas servem, gera dentro delas uma convicção de que, pela força dele, elas foram aprovadas nos testes que ele mesmo impôs. Sua paciência, ao mostrarem lealdade a ele, mesmo diante da pressão que passaram, foi, na verdade um dom de Deus para elas, e isto as deixou mais fortes do que nunca. Os cristãos que têm passado por tempos difíceis por causa do Senhor são produtos testados, de qualidade comprovada. Dokime indica este estado de experiência triunfante, com o selo da aprovação divina estampado sobre eles.

Paulo diz que dokime produz esperança. Nosso entendimento da glória da vida por vir é aprimorado e nosso desejo por ela é intensificado, em ambos os casos, como uma derivação espontânea do conhecimento da aprovação divina e como um fruto direto do entendimento de que a agonia tem, de fato, aumentado a nossa capacidade de nos alegrar na glória final, quando ela acontecer. Paulo é bastante claro a respeito disto, em 2 Coríntios 4.17,18, quando, falando a partir de suas experiências de ter a vida posta em risco (1.8-10), ele diz, não com ironia, mas expressando sua honesta avaliação retrospectiva: "Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, não atentando nós nas cousas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas". Naturalmente, não é o pensamento de Paulo, que o sofrimento conduz à glória, no sentido de que o trabalho gera o salário; nem que cria a glória, no sentido de que o escultor cria a estátua. A sua intenção é deixar claro que, da mesma maneira que uma pessoa, após ter passado por enfermidades e dor, aprecia muito mais a saúde do corpo, o sofrimento nos deixa mais preparados do que estávamos antes para apreciar a glória que há de vir. O texto de Romanos 8 contém uma avaliação e testemunho semelhantes: "Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós (...) E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo (...) Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o aguardamos". Como parte integral na formação do caráter cristão, que o fogo do sofrimento aprimora, está a profunda paixão pela alegre esperança e esperançosa alegria.

Esta paixão, que podemos ver fortemente presente, tanto em Cristo quanto em Paulo, também achava-se presente em Moisés. "Pela fé, Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado; porquanto considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito, porque contemplava o galardão (Hb 11.24-26, grifo meu). Deixemos Moisés ser um exemplo de vida para nós em termos da nossa esperança de descobrir, como Paulo disse, que, como a ausência faz aumentar a paixão do coração, assim também a pressão faz a esperança mais luminosa. Quando os cristãos perseveram, mesmo diante dos sofrimentos, no poder do Espírito Santo, o resultado normal é a esperança ainda mais radiante.

( Áudio ) O Lugar onde Encontramos Deus - John Piper




Jesus lhes respondeu: Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei.
Replicaram os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este santuário, e tu, em três dias, o levantarás?
Ele, porém, se referia ao santuário do seu corpo.

(João 2.19-21)





Uma Janela Sagrada – C. H. Spurgeon Postado por Charles Spurgeon / On : 21:27/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.




Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima. (Tg 5.8)

A última afirmativa de Cântico dos Cânticos é: "Vem depressa, amado meu" (Ct 8.14); e, entre as últimas palavras do Apocalipse, lemos: "O Espírito e a noiva dizem: Vem!", ao que o Noivo celestial responde: "Certamente, venho sem demora" (Ap 22.17,20). Nosso amor deseja intensamente a gloriosa manifestação do Senhor e desfruta desta promessa maravilhosa: "A vinda do Senhor está próxima". Isto satisfaz nossas mentes em relação ao futuro. Por meio desta janela, olhamos para Ele com esperança.

Esta "janela sagrada" faz transbordar luz em nosso presente e nos coloca em condições excelentes para o serviço e o sofrimento imediatos. Estamos sendo provados? Então, a proximidade de nossa alegria instila paciência. Estamos nos sentindo fatigados, porque não vemos a colheita de nossa semeadura? Esta verdade gloriosa clama novamente para nós: "Sede... pacientes". Nossas tentações múltiplas nos levam, no mínimo, a vacilar? Então, a certeza de que em breve o Senhor estará aqui nos ensina através deste versículo: "Fortalecei o vosso coração".

Seja firme, estável, constante, inabalável e sempre abundante "na obra do Senhor". Logo você ouvirá as trombetas de prata que anunciam a volta de seu Rei. Não sinta qualquer temor. Mantenha a fortaleza sob conquista, pois Ele está voltando. Sim, Jesus pode se manifestar mesmo hoje.

Você é Sensível demais? - M. Lloyd-Jones



Quem esta embaixo não precisa
ter medo de cair
. . .aquele que é manso não é sensível, nem com relação a si próprio. Não está sempre a velar por si e por seus inte­resses pessoais. Não está sempre em posição defensiva. Todos nós o conhecemos, não é? Não é uma das maiores maldições da vida, como resultado da queda — essa sensibilidade quanto ao ego? Passamos a vida toda olhando por nós mesmos, Mas quando alguém se torna manso, já acabou com isso tudo; já não se aflige por si e pelo que digam os outros. Ser verdadeiramente manso significa que não mais prote­gemos a nós mesmos, porque percebemos que não há nada em nós que valha a pena defender. Assim, já não ficamos na defensiva; tudo se foi. 
O homem verdadeiramente manso nunca sente dó de si mesmo, nunca fica com pena de si mesmo. Nunca fala consigo, dizendo: «Você está passando por um mau bocado. Como é indelicada essa gente qiíe não o compreende!» jamais pensa: «Como sou maravilhoso! Bas­taria que os outros me dessem uma oportunidade». Auto-comiseração! Quantas horas e anos gastamos com isso! Mas quem se fez manso pôs fim a tudo isso. Ser manso, em outras palavras, significa que você liqüidou completamente consigo mesmo, e você passa a ver que não tem quaisquer direitos ou méritos. 
Você passa a entender que ninguém pode fazer-lhe dano. João Bunyan o expressa muito bem: «Quem está embaixo não precisa ter medo de cair». Quando o homem vê-se a si próprio como na verdade é, sabe que ninguém pode dizer dele alguma coisa que seja demasiado ruim. Você não precisa apoquentar-se por aquilo que os homens lhe façam ou digam; você sabe que merece tudo aquilo e mais ainda. Uma vez mais, portanto, defino a mansidão nestes termos: Verda­deiramente manso é aquele que se espanta de que Deus e o homem possam pensar tão bem dele como pensam, e tratá-lo tão bem como o tratam.
Studies in the Sermon on the Mount, i, p. 69-

Não Há um Justo Sequer – João Calvino



(Rm 3.10-18).

10.        Como está escrito. Até aqui Paulo arrazoa com o fim de convencer os homens da iniqüidade deles. Agora começa seu argumento a partir da autoridade, a qual, para o cristão, é o gênero mais forte de prova, contanto que a autoridade proceda unicamente de Deus. Que os mestres da Igreja aprendam aqui o caráter de seu ofício. Se Paulo não sustenta nenhuma doutrina que não pode ser confirmada pelo sólido testemunho da Escritura, muito menos aqueles que não têm nenhuma outra comissão senão a de pregar o evangelho, o qual receberam através de Paulo e de outros, para que não se aventurem noutra direção.
Não há justo. Fornecendo o sentido em vez de expressões reais, o apóstolo parece ter anunciado, antes de tudo, a posição geral, para em seguida descer a detalhes específicos. Ele define a substância do que o profeta declara pertencer à natureza intrínseca do homem, a saber: que não ha um justo sequer, em seguida enumera, com detalhes, os frutos dessa ausência de justiça.
11.   O primeiro efeito consiste em que não há ninguémque entenda. Esta ignorância é prontamente atestada por sua impotência em buscar a Deus. O homem, em quem não há o conhecimento de Deus, seja qual for a cultura que venha ele de alguma forma possuir, será fútil; e até mesmo as próprias ciências e artes, as quais em si mesmas são boas, tornam-se vazias de conteúdo real quando lhes falta este fundamento.
12. E adiciona: não há quem faça o bem, significando que o homem se despiu de todo senso de humanidade. Assim como nosso melhor laço de comunhão recíproca reside no conhecimento de Deus (visto que, como ele é o Pai comum de todos, nos reconcilia perfeitamente, e fora dele não há nada senão desunião), também a desumanidade geralmente é produto de nossa ignorância de Deus, quando cada um, tratando os demais com desprezo, ama a si próprio e busca os seus próprios interesses.
13. E acrescenta mais: sua garganta é sepulcro aberto,isto é, abismo devorador dos homens. Isto é muito mais doque se dissesse que eram antropófagos, visto que seria o cúmulo da monstruosidade que uma garganta humana fosse bastante grande para deglutir e digerir completamente os homens. As expressões suas línguas são cheias de engano,veneno de áspides está debaixo de seus lábiossignificam a mesma coisa.
14.        Adiciona ainda a expressão: sua boca está cheia de maldição e amargura. Este vício é o oposto do anterior. O significado consiste em que os ímpios irradiam impiedade por todos os poros. Se falam agradavelmente, estão a enganar [alguém], e instilam veneno com suas galanterias. Porém, se expressam o que vai em seus corações, o que emana é maldição.
15,16. A expressão que Paulo adiciona, procedente de Isaías destruição e miséria estão em seus caminhos -, é a mais notável de todas, pois é uma descrição da ferocidade de imensurável barbárie, a qual produz desolação e devastação ao destruir tudo quanto se acha à sua frente.
17.         Em seguida vem a frase: Desconheceram o caminho da paz. Vivem tão habituados à rapina, a atos de violência e injustiça, de selvageria e crueldade, tanto que não sabem mais agir de forma humana e fraterna.
18.         Em sua conclusão, novamente reitera, em diferentes termos, o que afirmamos no início, a saber: que toda a impiedade emana de uma desconsideração para com Deus. Ao olvidarmos o temor de Deus, que é a parte essencial da sabedoria, não fica nenhum laivo de justiça ou pureza. Sumariando, visto que o temor de Deus é o freio pelo qual nosso instinto perverso é mantido sob controle, sua remoção desimpede em nós a reação de todo gênero de conduta licenciosa.
Para evitar que alguém considere estas citações como uma distorção de seu sentido original, consideraremos cada uma delas em seu próprio contexto. No Salmo 14.3, Davi afirma que havia uma perversidade tão inerente no homem, que Deus, fazendo um detido exame em todos e individualmente, não consegue encontrar um sequer que seja justo. Daí, segue-se que esta infecção [moral e espiritual] se disseminou por toda a raça humana, já que nada escapa à introvisão divina. E verdade também que no final do Salmo ele fala da redenção de Israel, porém a seguir mostraremos de que forma e em que extensão os santos se desvencilham de tal condição. O salmista, em outros salmos, se queixa da perversidade de seus inimigos, prefigurando, em si e em sua progênie, um tipo do reino deCristo. Em seus adversários, pois, se acham representados todos quantos, estando alienados de Cristo, não são guiados pelo Espírito Santo. Quanto a Isaías, ele expressamente menciona Israel, porém sua acusação se direciona e se aplica melhor aos gentios. Não há dúvida de que a natureza humana é descrita nestes termos a fim de que aprendamos o que é o homem quando é entregue a si mesmo, visto que a Escritura testifica que todos quantos não são regenerados pela graça de Deus se acham neste estado. A condição dos santos não será em nada melhor, a menos que esta depravação seja corrigida neles. Que se lembrem, contudo, que em sua natureza inerente não são em nada diferentes dos demais. Vão sempre encontrar no que resta de sua natureza carnal, da qual não podem escapar, as sementes desses males que produziriam continuamente seus efeitos neles, não fossem os mesmos refreados através de constante mortificação dessa natureza corrupta. Por isso são devedores à misericórdia de Deus, e não à sua própria natureza. Conforme já observei acima (cap. 1.26), podemos acrescentar ainda que, embora todos os vícios aqui enumerados não se fazem evidentes em cada indivíduo, isto não impede de serem eles, com justiça e verdade, atribuídos à natureza humana. 

Marcadores

(I Pedro 5:8) (1) 1 Coríntios (3) 1 Pedro (1) 1Pedro (1) 2 Pedro (2) A (1) A palavra da Cruz é Loucura (3) A Parábola do Rico e Lázaro (1) a Semente e os Solos (1) A Volta de Jesus (4) A. W. Tozer (36) A.W Pink (2) Abandonado (1) Aborto (9) Adoração (18) Agostinho (1) Aids (1) Alegria (22) Aliança (1) Alívio (1) Almas (17) Amarás o Próximo (1) Amargura (1) Amém (3) Amizade (5) Amor (70) Anátema (1) Angústia (2) Animais (1) Anjos (3) Anorexia (1) Ansiedade (5) Anticristo (2) Antidepressivo (1) Antigo Testamento (1) Apocalipse (10) Apostasia (5) Apóstolo Paulo (4) Arca de noé (2) Arrebatamento (3) Arrependimento (22) Arrogância (1) Arthur W. Pink (5) As Igrejas de todos os Tipos e para todos os Gostos (1) Ateísmo (4) Ateus (5) Augustus Nicodemus (2) Autoridade (4) Avareza (1) Aviso (2) Avivamento (10) Batalha Espiritual (7) Batismo (4) Bebida Alcóolica (1) Benção (2) Bíblia (49) Boas Novas (1) Bullying (1) Cálice (2) Calvinismo (2) Campanhas no Facebook (1) Cansado (1) Caráter (4) Carnal (1) Carnaval (2) Carne (11) Carta de Deus e do Inferno (2) Carter Conlon (1) Casamento (32) Castigo (1) Catolicismo.Religiao (1) Céu (14) Chamados ao primeiro amor (5) Charles Haddon Spurgeon (274) Cigarro (1) Circo ou Igreja? (1) Cirurgia Plástica (1) Citações Redes Sociais (2) Clodoaldo Machado (1) Cobiça (1) Comunhão (4) Comunidade no Orkut (1) Conhecendo as Histórias da Bíblia (1) Conhecimento (2) Consciência (2) Consolador (3) Copa do Mundo (1) Coração (31) Coragem (4) Corra (1) Corrompidos (1) Cosmovisão Cristã (1) Crer em Jesus (3) Criação (3) Criança (7) Cristãos (60) Cristianismo (19) Cristo (85) Crucificaram (1) Cruz (29) Culto (2) Cultura (4) Cura (6) David Wilkerson (43) Demônio (4) Dennis Allan (23) Denominações (1) Dependência (2) Depravação Humana (11) Depressão (6) Desanimado e fraco (11) Descanso (1) Desejo (1) Desenhos para Crianças (9) Deserto (1) Desigrejados (1) Desonra (1) Desprezado e Rejeitado (3) Desviado (5) Deus (328) Devoção (1) Diabo (9) Dinheiro (11) Discernimento (1) Discipulado (7) Discípulos Verdadeiros (4) Divórcio (9) Divulgue esse Blog (2) Dízimos e Ofertas (3) Dons Espirituais (1) Dor (6) Dores de Parto (1) Doutrinas (5) Dr J.R (1) Drogas (1) Dúvidas (1) Eclesiastes (1) Ego (1) Enganados (1) Envelhecer com Deus (1) Equilibrio (1) Errando (2) Escolha (2) Escolhidos De Deus (10) Escravo por Amor (2) Esforço (1) Esperança (8) Espíritismo (1) Espirito Santo (27) Espirituais (35) Estudo da Bíblia (257) Estudo Livro de Romanos por John Piper (17) Estudo Livro de Rute por John Piper (5) Eternidade (10) Eu Não Consigo (1) Evangelho (76) Evangelho da Prosperidade (13) Evangelho do Reino (1) Evangelismo (5) Evangelizar pela Internet (7) Evolução (1) Exaltação (1) Êxodo (1) Exortação (3) Ezequiel (1) Falar em Linguas (3) Falsos Profetas(Enganação) (17) Família (16) Fariseus (3) (49) Felicidade (6) Festas do Mundo (1) Festas juninas(São João) (1) Fiél (3) Filmes Bíblicos (43) Finais dos Tempos (11) Força (1) Fruto (8) Futebol (1) Gálatas (1) George Müller (1) George Whitefield (2) Glória (44) Graça (47) Gratidão (3) Guerra (4) Hebreus (1) Heresias (3) Hernandes Lopes (110) Hinos (1) Homem (46) Homossexual (6) Honra (1) Humanismo (1) Humildade (9) Humilhado (8) Idolatria (12) Idoso (1) Ignorância (1) Igreja (79) Ímpios (1) Incentivo (1) Incredulidade (2) Inferno (8) Ingratidão (2) Inimigo (2) Inquisição Católica (1) Intercessão (1) Intercessor (1) Intervenção (9) Intimidade (1) Inutéis (1) Inveja (1) Ira (12) Isaías (1) J. C. Ryle (9) James M. Boice (1) Jejum (4) Jeremias (2) Jesus (88) (1) João (4) João Calvino (145) Jogos VIDEO GAMES (2) John Owen (15) John Pipper (587) John Stott (28) John Wesley (1) Jonathan Edwards (92) José (1) Joseph Murphy (1) Josué Yrion (8) Jovens (15) Julgamento (20) Justiça (2) Lave os pés dos seus irmãos Vá em busca dos perdidos e fale do amor de Deus (1) Leão da Tribo de Judá (1) Legalismo vs. Bem-Aventuranças (1) Leonard Ravenhill (52) Liberdade (10) Língua (5) Livre arbítrio (10) Livros (67) Louvor (4) Lutar (7) Maçonaria e Fé Cristã (1) Mãe (2) Mal (18) Maldições Hereditárias (3) Manifestações Absurdas (2) Marca da Besta (1) Mártires (5) Martyn Lloyd-Jones (173) Masturbação (2) Mateus (2) Maturidade (2) Médico dos Médicos (1) Medo (2) Mefibosete (1) Mensagens (372) Mentira (8) Milagres (2) Ministério (10) Misericórdia (13) Missão portas abertas (21) Missões (27) Missões Cristãos em Defesa do Evangelho (1) Monergismo (1) Morrendo (12) Morte (43) Morte de um ente querido que não era crente (1) Mulher (11) Mulheres pastoras (2) Mundanismo (3) Mundo (28) Murmuração (3) Músicas (38) Músicas nas Igrejas.Louvor (8) Namoro ou Ficar (12) Natal (4) Noiva de Cristo (2) Nosso Corpo (1) Novo convertido (10) Novo Nascimento (11) O Semeador (1) O Seu Chamado (13) Obediencia (8) Obras (15) Obreiros (2) Observador (2) Oração (67) Orgulho (10) Orgulho Espiritual (1) Orkut (1) Paciência (7) Pai (1) Pais e Filhos (21) Paixão (3) Paixão de Cristo (2) Parábola Filho Pródigo (2) Parábolas (9) participe do nosso grupo e curta nossa página! (1) Páscoa (1) Pastor (18) Paul Washer (216) Paulo Junior (239) Paz (4) Pecado (106) Pecadores (12) Pedofilia (2) Perdão (16) perse (1) Perseguição (13) Pobre (4) Poder (18) Por que tarda o pleno Avivamento? (3) Pornografia (8) Porque Deus permite o sofrimento dos inocentes (2) Porta Estreita (2) Pregação (24) PREGAÇÕES COMPLETAS INTRODUÇÃO ESCOLA DE OBREIROS (1) Profecias (3) Profetas (3) Prostituição (2) Provação (2) Provar o Evangelho Para Aqueles que Não acreditam Na Bíblia (1) Provérbios (1) Púlpito (3) Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma (1) R. C. Sproul (29) Realidade (1) Rebelde (1) Redes Sociais (2) Reencarnação (2) Refletindo Sobre Algumas coisas (1) Reforma e Reavivamento (1) Reforma Protestante (3) Refúgio (2) Regeneração (16) Rei (3) Relativismo (1) Religião (7) Renúncia (2) Ressuscitou (5) Revelação (1) Ricardo Gondim (1) Richard Baxter (7) Rico (12) Romanos (20) Roupas (1) Rupert Teixeira (4) Rute (5) Sabedoria (12) Sacrifício (3) Salvação (45) Sangue de Cristo (3) Santa Ceia (2) Santidade (34) Satanás (15) Secularismo (1) Segurança Completa (1) Seitas (3) Semente (1) Senhor (10) Sensualidade (2) Sermão da Montanha (2) Servos Especiais (4) Sexo (8) Sinais e Maravilhas (2) Soberba (1) Sofrimento (24) Sola Scriptura (1) Sola Scriptura Solus Christus Sola Gratia Sola Fide Soli Deo Gloria (4) Soldado (1) Sozinho (3) Steven Lawson (12) Submissão (1) Suicídio (2) Televisão um Perigo (8) Temor (4) Tempo (5) Tentação (9) Teologia (2) Teologia da Prosperidade (4) Tesouro que foi achado (4) Tessalonicenses 1 (1) Testemunhos (29) Thomas Watson (17) Tim Conway (38) Timóteo (1) Todo homem pois seja pronto para ouvir tardio para falar tardio para se irar Tiago 1.19 (1) Trabalho (2) Tragédia Realengo Rio de Janeiro (2) Traição (4) Transformados (1) Trevas e Luz (2) Tribulação (10) Trindade (2) Tristeza (5) Trono branco (2) Tsunami no Japão (2) tudo (231) Uma Semente de Amor para Russia (1) Unção (3) Ungir com Óleo (1) Vaidade (3) Vaso (2) Velho (1) Verdade (30) Vergonha (3) Vestimentas (1) Vícios (6) Vida (39) Vincent Cheung (1) Vitória (5) Vontade (1) Votação (1) Yoga (1)

Comentários:

Mensagem do Dia

O homem, cujo tesouro é o Senhor, tem todas as coisas concentradas nEle. Outros tesouros comuns talvez lhe sejam negados, mas mesmo que lhe seja permitido desfrutar deles, o usufruto de tais coisas será tão diluído que nunca é necessário à sua felicidade. E se lhe acontecer de vê-los desaparecer, um por um, provavelmente não experimentará sensação de perda, pois conta com a fonte, com a origem de todas as coisas, em Deus, em quem encontra toda satisfação, todo prazer e todo deleite. Não se importa com a perda, já que, em realidade nada perdeu, e possui tudo em uma pessoa Deus de maneira pura, legítima e eterna. A.W.Tozer

"A conversão tira o cristão do mundo; a santificação tira o mundo do cristão." JOHN WESLEY"

Minha foto

Darliana+ Missões Cristãos em Defesa do Evangelho+✿Apenas uma alma que foi resgatada através da graça e misericórdia de Deus,Dai de graça o que de graça recebeste' (Mt. 10,8). Latim para estar em consonância com as cinco teses que dão sustentação ao “pensamento”e à vida do genuíno cristão reformado: sola scriptura,sola gratia, sola fide,solus christus, soli deo gloria. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8 : 32) "Um cristão verdadeiro é uma pessoa estranha em todos os sentidos." Ele sente um amor supremo por alguém que ele nunca viu; conversa familiarmente todos os dias com alguém que não pode ver; espera ir para o céu pelos méritos de outro; esvazia-se para que possa estar cheio; admite estar errado para que possa ser declarado certo; desce para que possa ir para o alto; é mais forte quando ele é mais fraco; é mais rico quando é mais pobre; mais feliz quando se sente o pior. Ele morre para que possa viver; renuncia para que possa ter; doa para que possa manter; vê o invisível, ouve o inaudível e conhece o que excede todo o entendimento." A.W.Tozer✿

Postagens Populares

Bíblia OnLine - Leitura e Audio

Bíblia OnLine - Leitura e Audio
Alimentar-se da Palavra "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." (Hebreus 4 : 12).Erram por não conhecer as Escrituras, e nem o poder de Deus (Mateus 22.29)Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo. Apocalipse 1:3

Feed: Receba Atualizações Via Email

Coloque o seu endereço de email e receba atualizações e conteúdos exclusivos:

Cadastre seu E-mail.Obs.: Lembre-se de clicar no link de confirmação enviado ao seu e-mail.