Tradutor

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

5 de ago de 2010

A obra da graça - (Sermão) C. H. Spurgeon

/ On : 19:46/ SOLA SCRIPTURA - Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê,mas, sim, em si mesmo - AGOSTINHO.


Sermão pregado na manhã de Domingo
15 de Junho de 1879
no Metropolitan Tabernacle - Newington


O homem que me curou me disse: "Pegue a sua maca e ande" (Jo 5.11).

Farei umas poucas observações, apenas, a respeito da narrativa propriamente dita. Era um dia de festa, e Jesus Cristo subiu a Jerusalém, à busca de oportunidades de fazer o bem entre as multidões dos seus compatriotas. Vejo a cidade inteira alegre; ouço a voz de regozijo em cada casa ao realizarem festanças, com comidas gordurosas e bebidas doces. Mas onde Jesus observa a festa? Como passa o feriado? Anda entre os pobres, aos quais ele tanto ama. Havia certa Betesda, ou casa de misericórdia, notável em Jerusalém: era pouco provimento para as muitas enfermidades na cidade, mas, como estava, era tida em grande estima. Havia um tanque que, de vez em quando, era agitado pela asa de um anjo, e assim operava-se uma cura ocasional, e ao redor dele, pessoas caridosas tinham construído cinco pórticos, e ali nos degraus frios de pedra, vários cegos, mancos e paralíticos jaziam, cada um no próprio catre miserável, esperando pela agitação das águas. Ali havia os filhos exaustos da dor, desmaiando enquanto outros festejavam, contorcidos de dor em meio ao regozijo geral, suspirando entre os cânticos universais. Nosso Senhor se sentia à vontade no meio dessa misericórdia, porque ali havia lugar para seu terno coração e sua mão poderosa. Ele festejava a alma mediante a prática do bem. Aprendamos essa lição, caros amigos, de que nas ocasiões das nossas alegrias mais brilhantes devemos nos lembrar dos tristes, e sentir alegria mais sublime em lhes praticar o bem. É muito adequado para nós, na mesma proporção em que um dia é alegre para nós mesmos, torná-lo alegre aos doentes e pobres ao nosso redor. Celebremos a festa por meio de mandarmos porções a quem nada foi preparado, senão, os famintos podem provocar uma maldição contra nossa festança. Quando prosperarmos nos negócios, separemos parte para os pobres. Quando estivermos cheios de saúde e forças, lembremo-nos dos destituídos de semelhantes privilégios, e ajudaremos os que a eles ministram. Bem-aventurados os que, da mesma forma que o Senhor Jesus, visitarem os doentes e cuidarem deles.

Entrando no hospital, nosso Senhor notou certo homem cujo caso era muito triste. Havia muitos casos dolorosos ali, mas selecionou esse homem específico, e pareceria que a razão para a sua escolha era que a pobre criatura estava na mais lastimável condição de todas as pessoas ali. Se a desgraça tem justa reivindicação à misericórdia, quanto pior a condição do sofredor, tanto mais a misericórdia é atraída a ele. Essa pobre vítima do reumatismo ou da paralisia tinha ficado amarrado pela enfermidade durante 38 anos. Esperemos que não tenha havido caso pior em todos os pórticos de Betesda! Trinta e oito anos é mais da metade do período determinado para a vida humana. Um só ano de dor ou paralisia envolve um período esgotante de tortura, mas imaginem vocês 38! Podemos muito bem sentir dó do homem que agüenta as dores do reumatismo por uma única hora, mas como poderemos compadecer-nos suficientemente de quem não ficou livre dele durante quase quarenta anos? Mesmo que o caso não fosse de dor, mas de paralisia, a incapacidade de trabalhar e a conseqüente pobreza de tantos anos não era, de modo algum, um dano de pouca monta. Nosso Senhor, portanto, seleciona o pior caso para tratar com sua mão curadora, como tipo do que muitas vezes faz no reino da graça, e, como lição de prudência para nós, nos ensina a oferecer os primeiros socorros aos que padecem mais necessidade.

O homem a quem Jesus curou não era uma personagem atraente. "Não volte a pecar, para que algo pior não lhe aconteça", é declaração conducente à inferência provável da causa da primeira enfermidade por meio de algum ato de vício ou de algum excesso. De uma forma ou de outra, era culpado do que trouxe a seu corpo o sofrimento do qual padecia. Ora, considera-se, de modo geral, indisputável a questão do dever de ajudar os merecedores e recusar os indignos - quando um homem atrai sobre si uma calamidade por meio dos maus feitos, estamos justificados em deixá-lo sofrer, a fim de que ele colha o que semeou. Essa idéia farisaica fria é muito bem aceita entre as mentes que se fixam em salvar as próprias moedas. Ela brota em muitos corações, ou, melhor: em lugares onde deviam existir corações, e é geralmente considerada uma regra de prudência, como se fosse pecado disputá-la -- um axioma infalível e universal. Agora, vou me aventurar a dizer que nosso Salvador nunca nos ensinou a confinar nossas esmolas aos que as merecem. Ele nunca teria outorgado a qualquer um entre nós a grande esmola da graça, se tivesse praticado essa regra; e se você e eu não tivéssemos recebido das mãos divinas mais do que merecíamos, não estaríamos nesta casa de oração. Não devemos correr o risco reduzir nossa caridade em um tipo de justiça mesquinha, e deixar nossa contribuição ficar azeda, como inquérito judicial em miniatura. Quando alguém sofre, tenhamos compaixão dele, independentemente da maneira como chegou o sofrimento. Depois de o homem ter sofrido desgraças em um longo período, como 38 anos, chegou a hora de sua enfermidade ser mais levada em conta que sua iniqüidade, e que sua tristeza presente seja mais considerada que sua iniqüidade, e que a tristeza atual seja mais alvo da nossa atenção que sua tolice anterior. Assim pensava Jesus, e por isso foi até o pecador, não com repreensão, mas com restauração; olhou mais para a doença dele que para sua depravação, e lhe ofereceu comiseração em vez de castigo. Nosso Deus é bondoso para com os ingratos e os maus; sejam, portanto, misericordiosos, assim como seu Pai também é misericordioso. Lembre-se que nosso Senhor disse: "Orem por os que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos" (Mt 5.44,45). Imitemos ao Senhor nisto, e, sempre que houver dor e tristeza, que seja nossa alegria aliviá-la.

Além da suposição de que esse homem tivesse sido, em algum tempo culpado, parece bastante claro com base no texto que ele era um tipo de pessoa miserável, desajeitada, desanimada, sem iniciativa, estulta. Jamais conseguira entrar no tanque, embora outros, tão enfermos quanto ele, o tivesse feito. Não conseguira conquistar um amigo ou obter um ajudante, embora, levando-se em conta a extrema duração da sua enfermidade, pudéssemos imaginar que tivesse achado algum homem para colocá-lo no tanque quando o anjo lhe desse a remexida mística. O fato de o Salvador lhe fazer a pergunta "Você quer ser curado?", leva-nos a imaginar que o homem caíra em uma condição tão apática, desesperadora, profundamente deprimida, que embora chegasse diariamente à beira do tanque, não só parou de ter esperança, mas quase de até mesmo querer. Nosso Senhor tocou na corda com a maior probabilidade de corresponder, a saber: sua vontade e desejo de ser curado, mas correspondeu de modo muito fraco. Sua resposta revelou que criatura miserável ele era, pois não houve um raio de esperança nem de vontade nas suas palavras: trata-se de um uivo, de um canto fúnebre desesperado, de uma queixa penosa: "Não tenho ninguém que me ajude a entrar no tanque quando a água é agitada. Enquanto tento entrar, outro chega antes de mim". Mas a total imbecilidade e falta de cérebro da infeliz criatura é mais visível em ele ter ido, como simplório, até os inimigos de Cristo e lhes ter contado que Jesus o curara. Estou certo de não haver maldade nessa informação entregue aos inimigos de nosso Senhor, pois se tivesse havido, diria: "Foi Jesus quem me mandou carregar a maca", mas explicou assim: que fora Jesus quem o tinha curado (v. 15). Entretanto, dificilmente ouso esperar (como alguns esperam) que houvesse muita gratidão nesse testemunho, embora, sem dúvida, a pobre alma se sentisse agradecida; meu conceito é que as dores suportadas por longo tempo, afetaram a mente fraca, o levaram ao estado mental quase imbecil, de modo que falou sem pensar. Nosso Senhor, portanto, não exigiu muito da parte dele, e sequer pediu da parte dele uma declaração específica de fé, mas apenas a pequena dose de fé que pudesse ser subentendida na resposta à pergunta: "Você quer ser curado?". Esse pobre homem não demonstrou nada da sagacidade do cego de nascença, que respondeu aos fariseus de modo tão entusiasmado; era de tipo bem diferente, e não conseguia fazer mais do que declarar a Jesus o próprio caso. Mas, graças a Deus, até isso bastava para o Senhor operar. O Senhor salva pessoas de todos os tipos. Ele tem, entre seu discípulos, homens de sagacidade pronta e rápida, que conseguem desconcertar os oponentes, mas com igual freqüência

Pega o tolo e o deixa saber
As maravilhas do seu amor ao morrer:
Para humilhar a sabedoria que aspira,
E repreender toda a sua soberba.

Aqui, portanto, escolheu essa pobre criatura simplória, e operou nela uma grande maravilha, para o maior louvor da sua graça condescendente.

Notem bem que a mente desse homem, embora não fosse de grande vulto, estava inteiramente ocupada e preenchida com o fato de ele ter sido curado. Para ele, Jesus era "o que me curou". A respeito da pessoa de Jesus, sabia quase nada, porque só o vira durante um instante, e, na ocasião, não sabia que se tratava de Jesus: seu único conceito de Jesus era "O que me curou". Ora, irmãos amados, isso era natural no caso dele, e será igualmente natural em nosso caso. Mesmo quando os salvos são mais inteligentes, e de mente mais ampla que esse pobre paralítico, ainda precisam pensar principalmente a respeito do Filho de Deus em termos de ser-lhes o Salvador, o que os curou, que os deixou sãos. Sei que desconheço muita coisa a respeito do Senhor, pelo menos sei que me salvou. Fiquei sobrecarregado de culpa e cheio de ais, e não podia descansar de dia ou de noite até que ele me desse paz. Se eu não conseguir contar a outra pessoa muita coisa a respeito da glória da sua pessoa, dos seus atributos, dos seus relacionamentos, dos seus ofícios, ou da sua obra, posso dizer, mesmo assim: "uma coisa eu sei: embora eu fosse cego nos meus erros, agora vejo; embora eu estivesse paralisado pelo pecado, agora posso ficar reto em pé e andar nos seus caminhos". Essa pobre alma passou a conhecer o Senhor experimentalmente, e essa é a melhor maneira. O próprio contato com ele produz conhecimentos mais seguros, e mais verdadeiros, que toda a leitura no mundo. No reino de Cristo, transpiram fatos maravilhosos, como a conversão e o encontro da paz com Deus; e felizes são os que têm esses fatos como experiências pessoais. Quando os homens são tirados do erro dos seus caminhos, e quando o coração deles acha descanso e paz em Cristo, grandes coisas são realizadas pelo Senhor Jesus; e se você conhecer essas duas coisas, embora seja ignorante de grande quantidade de outras coisas, não tenha medo de exagerar sua importância, mas fixe nelas seu coração, e chame Jesus por aquele nome -- "O que me curou". Pense nele nesse aspecto, e você terá um conceito muito valioso e influente dele. Você verá maiores coisas do que estas, mas, por enquanto, deixe esses fatos felizes e seguros ficar muito na sua mente, como esse homem ocupava a mente.

Quanto aos fariseus que levantavam objeções, observem que não tomaram conhecimento do fato glorioso da cura do homem; deliberadamente desconsideraram o que Cristo fizera, mas caíram, como o mergulho fatal do gavião, naquela pequena circunstância insignificante de que tinha sido feito no sábado, e, daí, dedicaram todos os pensamentos e emoções na questiúncula externa. Nada dizem a respeito de o homem ter sido restaurado, mas ficam enfurecidos porque carregava o catre no sábado. Assim acontece de modo bem semelhante com os homens do mundo de hoje. Habitualmente desconsideram o fato da conversão; quando não a negam, consideram-na mera bagatela, uma questão que não merece atenção. Mesmo quando vêem a meretriz tornada casta, e o ladrão ser tornado honesto, e o profano tornado devoto, e o desesperado tornado alegre, e outras transformações morais e espirituais do máximo valor prático, esquecem-se de tudo isso, e atacam algum pormenor específico de doutrina, ou modo de falar, e levantam uma tempestade no tocante a estes. Será que os próprios fatos, se fossem examinados imparcialmente, confirmariam o que eles não desejam crer? Eles se esquecem do fato de que o cristianismo realiza maravilhas no mundo, maiores que qualquer coisa que os críticos tenham feito, mas desse fato você e eu devemos nos lembrar com igual persistência. Devemos falar muito do que Cristo, pelo Espírito Santo, tem feito na nossa natureza ao nos renovar no espírito da nossa mente, e devemos fazer dessa obra da graça uma fonte de argumentos que estabelecerão nossa fé e justificarão nossa conduta. Esse pobre homem fez assim. Não sabia muitas outras coisas, mas sabia de sua cura, e desse fato justificava-se em tudo o que tinha feito. "O homem que me curou me disse: 'Pegue a sua maca e ande' ".

Essa é a verdade a respeito da qual quero falar mais pormenorizadamente nesta manhã - primeiro, ao dizer que a obra de Cristo nos fornece a justificativa para a obediência ao mandamento: "O homem que me curou me disse...". Essa é nossa justificação total para a obra realizada. Em segundo lugar, a obra de Jesus Cristo lança sobre nós a obrigação de fazer tudo o que ele nos manda -- se o homem que me curou me manda pegar a maca e andar, estou obrigado a fazê-lo, e devo sentir a obrigação da sua bondade me pressionando; e, em terceiro lugar, não é somente justificativa e obrigação, mas também esse ato da graça nos constrange à obediência -- o homem que me disse "levante-se" e assim me curou, pela mesma palavra do poder me fez pegar a minha caminha e andar. O mesmo poder que nos salva, também nos leva a obedecer ao Salvador. Não é com as nossas forças que cumprimos a vontade do Senhor, mas com o poder que ele nos dá no mesmo momento. Vocês percebem, portanto, o rumo que nosso argumento vai seguir. Que o Espírito Santo nos leve ao poder dessa verdade, pois estou convencido de que o senso da obra do Senhor em nós é uma grande força, e deve ser exercida e aplicada aos fins mais sublimes.


I. Primeiro, então, essa é a nossa justificação por fazermos o que fazemos quando obedecemos a Cristo. Esse pobre homem não sabia defender a ação de pegar a maca e andar, pois seus inimigos eram eruditos na lei, e ele, não. Você e eu poderíamos facilmente defendê-la, pois nos parece algo factível nessas circunstâncias. O peso da cama não era muito mais do que o de um sobretudo comum, pois não passava de um simples cobertor grosso de lã, ou uma esteira, onde se deitava; realmente não houve violação da lei de Deus quanto ao sábado, e por isso, nada havia para ser desculpado. Mas os rabinos determinavam regras, das quais lhes oferecerei um único exemplo: "É ilícito levar um lenço solto no bolso"; mas se você o prender com alfinete para o lado de fora do seu bolso, ou o amarrar na cintura como cinto, pode levá-lo em qualquer lugar, porque se torna parte das roupas. Para minha mente pouco sofisticada, pareceria que o alfinete aumentaria o fardo, e que então haveria o peso do alfinete como algo mais do que necessário! Segundo as estimativas rabínicas, a questão era de muito peso.

Os regulamentos rabínicos no tocante ao sábado eram totalmente risíveis, na maioria, mas esse pobre homem não tinha condições de dizer assim, e sequer pensar assim, pois sentia, como seus compatriotas, reverente temor pelos escribas e mestres da lei. Esses fariseus e sacerdotes eram por demais reverenciados para esse pobre homem lhes responder à altura; mas ele fez o que você e eu sempre devemos fazer quando nos sentimos um pouco perplexos: escondeu-se atrás do Senhor Jesus, e se defendeu assim: "O homem que me curou me disse: 'Pegue a sua maca e ande' ". Aquilo lhe bastava totalmente, e o citou convicto de que devesse bastar para os interrogadores. E realmente, deveria ter sido assim. Eu, talvez, não possa achar dentro dos meus próprios conhecimentos e capacidade uma autoridade igual à autoridade dos descrentes eruditos, mas minha experiência pessoal do poder da graça me será tão proveitosa quanto a cura do homem era para ele. Raciocinava que devesse haver, no homem que o curou, autoridade suficiente para se comparar com o maior rabino que já existira. Até a mente pobre e fraca desse homem conseguia captar esse fato, e certamente você e eu podemos fazer o mesmo com a defesa da obra graciosa do nosso Salvador, e da autoridade que conseqüentemente lhe pertence.

Existem determinadas ordenanças às quais o homem cristão é obrigado a atender, a respeito das quais o mundo levanta uma tempestade de questões. O mundo repara que esse homem antes era beberrão, e que agora, mediante a graça divina, se tornou sóbrio, e assim veio a ser bom pai, bom marido e bom cidadão. Deixam passar o milagre sem prestar atenção, mas ele será batizado, e imediatamente levantam objeções contra a ordenança, ou ele se tornará membro de uma igreja cristã, e imediatamente zombam dele por ser presbiteriano ou metodista; mas não importa o tipo de nome que lhe aplicam, conquanto seja um homem melhor que eles mesmos, sendo redimido do pecado, e ensinado a ser reto, casto e puro aos olhos de Deus. A obra da graça vale nada para eles, mas só a peculiaridade da seita, ou a peculiaridade do rito religioso é considerada de valor equivalente ao mundo inteiro. São criaturas cegas que desprezam o remédio que cura, por causa da garrafa que o contém, ou por causa da etiqueta que lhe dá um nome. Entretanto, nossa resposta é: "O homem que nos curou", ele nos deu uma ordem, e a cumpriremos fielmente. Não buscamos outra justificativa senão esta: quem operou em nós o milagre da graça nos mandou fazer assim.

Quanto a eu ser batizado como crente, o mesmo Jesus que disse: "Creia" também disse: "Seja batizado"; quem me deu a salvação foi o mesmo que disse: "Quem crer e for batizado, será salvo". Colocamos a autoridade divina de Jesus contra todas as objeções. Aquele por cujo sangue somos purificados, e por cujo Espírito somos renovados, é Senhor e legislador para nós. Seu preceito é autorização suficiente. Se vamos à mesa da santa ceia e os que injuriam dizem: "Para que serve comer um pedaço de pão e beber uma gota de vinho? Por que considerar com tanta seriedade uma questão tão pequena?". Abjuramos o que ele não ordenou, mas nos apegamos a seus estatutos. Se ele tivesse ordenado um rito mais trivial, ou uma cerimônia mais aberta à objeção dos olhos do homem carnal, não ofereceríamos outra defesa senão esta: Jesus, que nos criou de novo, e nos deu a esperança do céu, e nos levou a buscar a perfeita santidade, mandou-nos fazer isso. Essa é nossa resposta final, e embora pudéssemos achar outras justificativas, seriam supérfluas. Seja esta nossa defesa -- o Salvador ordena.

A mesma defesa se aplica a todas as doutrinas do evangelho. Digo de novo: os ímpios não admitem ou, caso admitissem, desconsideram, que o evangelho opera uma mudança maravilhosa no coração humano. Se quiserem comprovação, poderemos levantar casos às centenas e aos milhares, do poder do evangelho de Jesus Cristo para recuperar, enaltecer e purificar. O evangelho opera diariamente milagres espirituais, mas os ímpios se esquecem disso, e passam a pôr defeito nas doutrinas peculiares. Muitas vezes brigam com a doutrina da justificação pela fé. Dizem: "Pois bem, essa é uma doutrina chocante: se vocês ensinarem a pessoas que devem ser salvas pela fé somente, e não pelas obras, naturalmente viverão de modo imoral; se declararem continuamente que a salvação é só pela graça, e não segundo o mérito, o resultado inevitável será que as pessoas pecarão a fim de que a graça sobeje". Achamos uma resposta completa a essa calúnia no fato de quem crer na justificação pela fé e nas doutrinas da graça estão entre os melhores e mais puros homens, e que, na realidade, essas verdades operam a santidade; mas não nos importamos em argumentar assim; preferimos lembrar aos adversários que o mesmo Jesus que nos transformou em regenerados ensinou-nos: quem nele crer será salvo, expressamente declarando: quem nele crê tem a vida eterna. Pela boca de Paulo, ele disse que pela graça os homens são salvos, por meio da fé, e isto não procede deles mesmos, é dádiva de Deus. Ele também nos disse que pelas obras da lei ninguém será justificado, e nos mandou declarar: "os justos viverão pela fé". Ele, que diariamente, mediante o evangelho, faz os homens se voltarem do pecado para a santidade, apresentou o seguinte por soma total do evangelho que devemos pregar: "Voltem-se para mim e sejam salvos, todos vocês, confins da terra" (Is 45.22). Se esse evangelho não melhora as pessoas, nem transforma sua natureza maligna, podem questioná-lo, se quiserem, e não estranharíamos que vocês assim fizessem; mas enquanto ele for a obra de purificação, não enrubesceremos nem gaguejaremos quando declaramos as doutrinas, sua essência e vida. Nossa regeneração nos comprova a autoridade do Senhor, e nela estamos dispostos a basear nosso credo. Para nós, a melhor evidência é sua obra em nós, e nessa evidência colocamos fé implícita.

O mesmo se aplica também a todos os preceitos que o cristão é conclamado a obedecer. Por exemplo, se for leal à sua profissão de fé, manterá distância de todos os prazeres, práticas e políticas pecaminosas do mundo, nos quais os outros se deleitam, e conseqüentemente o mundo ímpio diz que ele é excêntrico, rigoroso, e presunçoso. Essa é a resposta para todos os cristãos: "Quem nos criou, disse-nos: vocês não são do mundo, como eu não sou do mundo. Saiam do meio deles e separem-se. Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei". Se vocês seguirem os preceitos do Senhor Jesus Cristo poderão refutar todas as acusações de excentricidade pela defesa da supremacia do Salvador, cujo poder fez de vocês novas criaturas. Onde estiver sua palavra, ali está um poder diante do qual nos curvamos de imediato. Não cabe a nós questionar o Salvador, mas obedecer. Somos purificados por seu sangue, redimidos por sua morte, e vivemos por sua vida; por isso não sentimos vergonha de tomar sua cruz e segui-lo.

Essa defesa deve bastar até para quem se opõe a nós, pois se eles se sentissem tão gratos quanto nós, também obedeceriam. Deveriam dizer, no mínimo: "Não podemos culpar esses homens por fazerem o que Jesus lhes manda, pois ele fez tanta coisa por eles". Decerto, o pobre homem paralisado durante 38 anos não podia ser criticado por obedecer à ordem de quem, em um só momento, o restaurou à saúde e às forças. Se passasse a ser servo vitalício de Jesus, quem o censuraria? Quem diria que ele se submetera tão facilmente? Semelhante benfeitor não deveria exercer sobre ele uma influência ilimitada? O que poderia ser mais natural e adequado? Ora, vocês inconversos precisam nos desculpar se nós, em obediência ao Senhor Jesus, fazemos muitas coisas que lhes parecem excêntricas, pois, embora não quiséssemos ofendê-los desnecessariamente, não podemos agradá-los a ponto de corrermos o risco de desagradar nosso Senhor. Não devemos tanto a vocês quanto devemos a ele. Não devemos tanto ao mundo inteiro quanto devemos ao Senhor Jesus; realmente, na pura verdade, não nos achamos devedores de coisa alguma ao mundo. Os tempos passados já nos bastaram para o cumprimento da vontade dos gentios, pois quando nos é postulada a pergunta: "Que fruto colheram então dos quais agora vocês se envergonham?" (Rm 6.21), precisamos confessar que não colhemos fruto, a não ser uvas verdes que embotaram nossos dentes. Como os marinheiros que se puseram em alto mar de modo contrário aos conselhos de Paulo, a única coisa que conseguimos são perdas e danos. Ao servirmos ao mundo, achamos esgotante a labuta, e descobrimos que o salário era a morte; mas quanto ao Senhor Jesus Cristo, nós lhe devemos tudo, e assim vocês precisam nos desculpar se o seguirmos em tudo. Parece-nos que este é um pedido de desculpas que devem aceitar da nossa parte, como totalmente abrangente, mas se o recusarem, não ficaremos desiludidos, pois é suficiente para nós; sim, mais do que suficiente, pois nos faz gloriar-nos em tudo o que fazemos. Jesus ordenou? Então a nós nos cumpre obedecer.

Os que levantam objeções podem dizer a respeito de alguma das suas ordenanças, que é imprópria para o clima, indecente, desnecessária etc. Tudo isso não nos preocupa, se Jesus nos mandou fazê-lo, sua ordem substitui, para nós, debates e raciocínios. Quem nos curou, deu suficiente razão para a obediência, no próprio fato da cura. "Oh, isso contraria o que os pais ensinam, e o que a igreja ensina". Não nos vale o estalar dos dedos todos dos pais da igreja e todas as igrejas debaixo do céu, se contrariam o que nosso Senhor ensina, pois eles não nos curaram, e não lhes devemos obrigações do modo que as devemos a Jesus. A autoridade de Jesus é suprema, porque é dos lábios dele que recebemos a palavra que curou a enfermidade do nosso pecado. Assim fica satisfeita a nossa consciência agora, e ficará satisfeita no meio da grave situação da morte. Como poderíamos cometer enganos, se seguirmos as palavras de Jesus em todas as coisas? Meus irmãos, nós poderemos pleitear os preceitos dele como justificativa no último grande dia, diante do Juiz de vivos e mortos. Que melhor defesa poderemos ter do que esta: "Tu nos curaste e nos mandaste fazer isso?". Semelhante justificativa da nossa conduta tornará macio o travesseiro da morte, e brilhante de alegria nossa ressurreição.

Em vez de admitirmos que essa não é uma justificativa abrangente, coloquemos a mesma em prática. Se o mundo nos considerou vis por obedecermos ao Senhor, sejamos mais vis ainda; e visto que quem nos curou disse: "Vão para o mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas", esforcemo-nos por disseminar em todos os lugares o perfume do seu nome, consagrando-nos, de corpo, alma e espírito, à extensão do seu reino. Quem nos curou, ainda curará o mundo inteiro por seu poder maravilhoso. Não temos demonstrado, de modo abundante, que a ordem do Senhor é a justificativa sólida da nossa conduta?

II. E agora, em segundo lugar, a cura levou a uma obrigação: "O homem que me curou me disse: 'Pegue a sua maca e ande' ". O argumento toma a seguinte forma: primeiro, se ele me curou assim, é divino; de outra forma não poderia ter realizado esse milagre; ou, no mínimo, deve ser divinamente autorizado; e se é divino, ou divinamente autorizado, devo obedecer às ordens por ele emitidas. Esse não é um argumento claro que até mesmo a mente pobre e simples do paralítico podia captar e usar? Procuremos sentir pessoalmente a força desse argumento. Jesus, que nos salvou, é nosso Deus; não vamos obedecer a ele? Visto que ele está revestido de poder e majestade divinos, não vamos nos esforçar escrupulosamente para saber sua vontade, e zelosamente nos esforçar para cumpri-la em todos os aspectos, como seu Espírito nos capacitar?

Além do caráter divino que o milagre comprovou e demonstrou, havia a bondade brilhante no ato do poder, que tocou no coração do pobre homem. Seu argumento era: "Preciso fazer o que meu grande Libertador me manda. Como podem pensar de outra forma? Não foi ele quem me curou? Vocês queriam que eu, a quem ele assim restaurou graciosamente, me recusasse a cumprir a vontade dele? Não devo pegar minha maca no momento em que ele me dá forças para fazê-lo? Como poderia fazer de outra forma? Seria essa a recompensa que pago a meu bom Médico: recusar-me a fazer o que ele me pede? Não percebem que tenho uma obrigação, e não cumpri-la seria vergonhoso? Ele restaurou estes membros, e obrigo-me a fazer com eles o que ele me ordenar. Ele diz: "ande", e visto que esses pés, antes mirrados, foram restaurados, não vou andar? Ele me manda enrolar a esteira e, eu sequer poderia usar minhas mãos antes do momento no qual sua palavra lhes deu vida, não vou usá-las para enrolar o cobertor no qual me deito, segundo o pedido dele? Esses meus pobres ombros estavam encurvados com a fraqueza, mas ele me mandou ficar em pé, e visto que ele agora me manda carregar minha cama, não vou jogar o colchão nos meus ombros de suportar o fardo leve que ele coloca sobre mim?". Não existe resposta a semelhante raciocínio. Independentemente da exigência de Jesus sobre outras pessoas, ele claramente tinha o direito indisputável à obediência de quem tornara totalmente são.

Sigam meu argumento, irmãos e irmãs. Se vocês foram salvos pela graça de Deus, a salvação os obriga a fazer, doravante, o que Jesus lhes ordena. Vocês são redimidos? Então, não pertencem a si mesmos, foram comprados por um preço. Como conseqüência do que o Senhor lhes fez, foram resgatados da escravidão a Satanás e adotados na família divina? Segue-se, portanto, claramente, porque são filhos, obediência à lei da família; não é este, pois, um primeiro fruto da filiação, que vocês devem reverenciar o grande Pai da família? O Senhor teve o beneplácito de remover seu pecado, e você está perdoado: mas o perdão não exige melhora? Voltaremos aos antigos pecados dos quais fomos purificados? Viveremos nas iniqüidades das quais fomos lavados pelo sangue de nosso Senhor Jesus? Seria horrível até pensar nisso. Seria diabólico um homem dizer: "Fui perdoado, e por isso pecarei de novo". Não há remissão sem arrependimento. A culpa do pecado permanece no homem em quem o amor ao pecado persiste. Sintamos, de modo prático, o impacto desse fato, e sigamos a pureza e a justiça a partir de agora.

Irmãos e irmãs nos quais Cristo realizou sua grande obra, vocês experimentaram o amor de Deus e, portanto, se Deus assim os amou, estão obrigados a amá-lo por sua vez. Se Deus assim os amou, devem também amar o próximo. Não é verdade que o amor a Deus e o amor ao próximo brotam como conseqüência segura do amor a Deus derramado no seu coração? Não percebem a necessidade de que este tipo de amor siga aquele? Mas o amor é a mãe da obediência: assim, tudo o que envolve nosso Senhor nos deixa obrigados a obedecer-lhe. Não existe uma única bênção da aliança que deixe de envolver o dever correspondente; neste caso não gosto de dizer dever, pois essas bênçãos da aliança fazem do dever nosso privilégio, e da santidade, nosso deleite. Doravante, tendo sido redimidos do pecado, não desejaremos mais viver nele; sendo feitos herdeiros do céu, esforcemo-nos para viver a vida celeste, de modo que enquanto estivermos aqui embaixo, nossa cidadania esteja no céu, de onde esperamos ansiosamente o Salvador, o Senhor Jesus Cristo. Irmãos, quem os curou ordenou que façam isto ou aquilo; aconselho-os a cumprir o mandamento do Rei. Como Maria disse aos atendentes no casamento em Caná, assim lhes digo: "Façam tudo o que ele lhes mandar". Ele manda orar, então orem sem cessar. Ele manda vigiar, além de orar; então vigiem cada ato, pensamento e palavra. Ele manda amar os irmãos? Então, amem-nos fervorosamente, de coração puro. Ele manda servi-los e humilhar-se por amor a ele? Então, façam assim, e se tornem servos de todos. Ele disse: "Sejam santos, pois eu sou santo?". Então, tenham isso por alvo, mediante o Espírito Santo. Ele disse: "Sejam perfeitos, como perfeito é o Pai celestial de vocês" (Mt 5.48). Esforcem-se, portanto, a favor da perfeição, porque quem curou vocês tem o direito de lhes dirigir o caminho, e para vocês será algo seguro e feliz adaptar-se aos seus mandamentos.

III. Quanto a isso, porém, já foi dito o bastante; pois agora, chamamos sua atenção, em terceiro lugar, ao texto, no sentido do constrangimento -- "O homem que me curou me disse: 'Pegue a sua maca e ande' ". Ele o curou ao dizer: "Levante-se, pegue a sua maca". Carregar a maca fazia parte da cura. A primeira parte da palavra da cura foi "Levante-se", mas a segunda foi "pegue a sua maca". Ora, não foi uma palavra que Jesus falou àquele homem -- mera palavra de conselho, advertência, ou ordem; mas foi uma palavra cheia de poder, como a que das trevas criou a luz. Quando o Senhor disse ao pobre homem: "levante-se", este realmente se levantou. Um arrepio de emoção passou por ele; os vasos sangüíneos estagnados sentiam o sangue vital mexer-se e fluir, os nervos adormecidos foram despertados para ter sensações de saúde, tendões e músculos se prontificaram para a ação enérgica, pois a onipotência visitara o homem impotente, e o restaurou. Oh, deve ter sido uma alegria maravilhosa para aquele corpo, longamente debilitado, sem nervos, sem potência, passar a fazer movimentos saudáveis, ser capaz de levar com alegria um fardo. O homem feliz enrolou a cama, colocou-a nas costas, e foi marchando para fora tão bem como qualquer outro. Carregar a maca fazia parte da cura, e servia de comprovação da cura. O paralítico não fora convidado para deliberar se devia colocar-se em pé ou não, mas Jesus disse: "Levante-se", e ele ficou em pé, ereto; a mesma palavra disse: "Pegue a sua maca", e a maca foi imediatamente levantada e, de conformidade com a última palavra: "Ande", o homem andou alegremente.

Tudo isso foi feito pelo poder de uma única palavra emocionante, que não ficou aguardando questionamento, mas cumprimento do propósito para a qual o Senhor a enviara. O homem restaurado carregou a maca de boa vontade, mas mesmo assim, foi constrangido a fazê-lo, pois o mesmo poder que o curara o tornou obediente. Antes de a energia divina ter tocado nele, ele sequer parecia ter a mínima vontade, e o Senhor fez uma busca para achar nele uma vontade, ao perguntar: "Você quer ser curado?". Mas agora, ele possui muita boa vontade para obedecer ao benfeitor, e, na força da ordem dada pelo Senhor, cumpre o que este mandou. Digo que o ato de pegar a maca e andar, foi feito pela capacitação de Cristo, feito mediante o constrangimento por Cristo, e oro para que vocês saibam experimentalmente o que isso significa. Quero que vocês sintam isso: "Não posso deixar de obedecer a Cristo, porque pelo seu Espírito Santo ele me colocou, mediante sua palavra, em uma vida que nunca morrerá e que nunca será vencida. Ele falou uma palavra que tem força contínua sobre mim, e me emociona continua e inteiramente. Não posso deixar de ajudar e obedecer a Cristo do mesmo modo que esse homem não podia deixar de carregar a maca depois de o Senhor, mediante a palavra de poder, ter-lhe ordenado fazer assim".

Irmãos, olhem para isso, e sejam instruídos e advertidos. Vocês se sentem relutantes, nesta manhã, para entrar no serviço do seu Senhor, por causa da fraqueza consciente? O Diabo tentou-os a recuar da obediência, pela falta de preparo? Vocês hesitam? Tremem? Certamente precisam se aproximar do Senhor de novo, e ouvir outra vez sua voz. Peguem a Bíblia, e deixem-no falar-lhes de novo da sua palavra, e que a mesma emoção que despertou vocês do sono mortal os tire da letargia presente. É necessário que a palavra viva de Deus seja aplicada de novo ao mais interior da sua alma com o mesmo poder milagroso que habitava nela no começo. "Senhor, vivifica-me", é a oração de Davi, mas ela é adequada para mim todos os dias, e acho que a maioria do povo de Deus faria bem em usá-la diariamente. "Senhor, traga vida para dentro de mim agora, como fizeste no começo. Incuta poder, força espiritual em mim". "O amor de Cristo nos constrange", diz o apóstolo: esse constrangimento é o que devemos sentir cada vez mais. Precisamos perpetuamente da vida divina a fim de nos levar adiante a ações de obediência. Não desejamos destruir a espontaneidade, mas gostaríamos que ela fosse vivificada até ser totalmente obediente à vontade do Senhor.

Como a arca de Noé na terra seca, a vontade mantém seu lugar pelo próprio peso morto; quem dera que houvesse um dilúvio de graça para a movimentar, para levantá-la, para a sustentar; para levá-la embora por uma correnteza poderosa. Seríamos levados adiante pelo amor de Cristo como um pedacinho de madeira é levado pela corrente do golfo, ou como uma das partículas que dançam ao raio solar seria arrebatada pelo vento impetuoso. Como o impulso que partiu de Jesus achou o pobre homem passivo por estar totalmente incapaz de agir, e depois o impeliu adiante aos movimentos ativos com uma arrancada de poder, assim seja sempre conosco no decurso da vida inteira. Que sempre nos rendamos ao impulso divino! Estar passivo nas mãos do Senhor é um desejo bom, mas ser o que eu chamaria de submissão ativa de boa vontade, bem disposto a abrir mão do nosso desejo, essa é uma atitude espiritual mais sublime. Devemos viver, porém não nós, mas Cristo em nós. Devemos agir, e ao mesmo tempo, devemos dizer: Quem me curou mandou-me fazer essa ação virtuosa, e eu a faço porque o seu poder me instiga a isso. Quando pratico o bem, coloco a seus pés as honrarias; se espero praticar o bem no futuro, é porque tenho esperança de praticar o bem no futuro, por acreditar que ele operará em mim mediante o mesmo poder que me converteu no princípio. Amados, esforcem-se para permanecer sob essa influência. Que o Espírito Santo os leve até essa condição!

Minha última palavra é uma lição. A igreja de Deus na terra, no tempo presente, deseja estender sua influência sobre o mundo inteiro. Por amor a Cristo, queremos o reconhecimento das verdades que pregamos, e a obediência aos preceitos que transmitimos. Mas notemos que nenhuma igreja chegará a ter poder sobre as massas deste país ou de qualquer outro, a não ser à medida que ela lhes praticar o bem. Já passou há longo tempo o dia em que qualquer igreja pense em prevalecer usando do argumento baseado na História. "Olhem para o que éramos", é um apelo vão: os homens se importam somente com o que somos. A seita que se glorifica com ou lauréis murchos dos séculos passados, e se acomoda na inatividade hoje, está chegando perto do fim inglório. No concurso para ver quem é mais útil, os homens se importam hoje menos a respeito do pedigree do cavalo, e mais com sua velocidade ao correr. A história de uma congregação ou de uma seita é de pouca monta em contrapartida com o bem prático realizado. Ora, se qualquer igreja debaixo do céu puder demonstrar que torna os homens honestos, temperados, puros, morais, santos, que procura os incultos e os instrui, que procura os caídos e os recupera, que transforma os ermos morais, e cuida das ervas más e dos espinheiros campestres, transformando-os em preciosas árvores frutíferas, então, o mundo estará disposto a escutar suas alegações e considerá-los. Se a igreja não pode comprovar sua utilidade, terá desaparecido a fonte da sua força moral, e, na realidade, algo pior que isso terá acontecido, pois sua força espiritual desapareceu; pois a igreja estéril fica manifestamente desprovida do fruto do Espírito de Deus.

Irmãos, vocês poderão, se assim quiserem, dignificar seu ministro com o nome de bispo, poderão conceder aos diáconos e presbíteros grandiosos títulos oficiais, poderão chamar de catedral seu local de culto, poderão adorar, se quiserem, com toda a grandiosidade das cerimônias pomposas e os adornos da música e do incenso e coisas semelhantes, mas vocês terão mera semelhança de poder sobre a mente humana a não ser que possuam mais do que essas coisas. Mas se tiverem uma igreja, independentemente do nome recebido, que é devota, santa, que vive para Deus, que pratica o bem na vizinhança, que mediante a vida dos seus membros propaga a santidade e a retidão; resumindo: se vocês tiverem uma igreja que realmente torna o mundo são em nome de Jesus, vocês descobrirão, no fim de contas, que até mais carnais e irrefletidos dirão: "A igreja que está praticando esse bem é digna de respeito, portanto, ouçamos o que ela tem a dizer". A utilidade viva não nos protegerá da perseguição, mas nos deixará livres do desprezo. A igreja santa vai com autoridade até o mundo, em nome de Jesus Cristo seu Senhor, e essa força é usada pelo Espírito Santo para sujeitar corações à verdade. Quem dera que a igreja de Deus acreditasse no poder de Jesus para curar almas doentes! Lembrem-se de que esse homem, sofrendo 38 anos de enfermidade, passou mais tempo enfermo do que durou a vida de Jesus na terra. Antes de Cristo nascer, esse homem já passara sete anos de aflição. E da mesma forma, o pobre mundo tem passado longo tempo de aflição. Anos antes do Pentecoste, ou da igreja visível presente, o pobre mundo pecaminoso jazia à beira do tanque, incapaz de fazer um movimento sequer. Não podemos perder a esperança a esse respeito, pois o Senhor ainda expulsará dele o pecado. Vamos, em nome de Jesus Cristo, e proclamemos o evangelho eterno, e digamos: "Levante-se. Pegue a sua maca e ande", e será feito, e Deus será glorificado, e nós seremos abençoados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

(I Pedro 5:8) (1) 1 Coríntios (3) 1 Pedro (1) 1Pedro (1) 2 Pedro (2) A (1) A palavra da Cruz é Loucura (3) A Parábola do Rico e Lázaro (1) a Semente e os Solos (1) A Volta de Jesus (4) A. W. Tozer (36) A.W Pink (2) Abandonado (1) Aborto (9) Adoração (18) Agostinho (1) Aids (1) Alegria (22) Aliança (1) Alívio (1) Almas (17) Amarás o Próximo (1) Amargura (1) Amém (3) Amizade (5) Amor (70) Anátema (1) Angústia (2) Animais (1) Anjos (3) Anorexia (1) Ansiedade (5) Anticristo (2) Antidepressivo (1) Antigo Testamento (1) Apocalipse (10) Apostasia (5) Apóstolo Paulo (4) Arca de noé (2) Arrebatamento (3) Arrependimento (22) Arrogância (1) Arthur W. Pink (5) As Igrejas de todos os Tipos e para todos os Gostos (1) Ateísmo (4) Ateus (5) Augustus Nicodemus (2) Autoridade (4) Avareza (1) Aviso (2) Avivamento (10) Batalha Espiritual (7) Batismo (4) Bebida Alcóolica (1) Benção (2) Bíblia (49) Boas Novas (1) Bullying (1) Cálice (2) Calvinismo (2) Campanhas no Facebook (1) Cansado (1) Caráter (4) Carnal (1) Carnaval (2) Carne (11) Carta de Deus e do Inferno (2) Carter Conlon (1) Casamento (32) Castigo (1) Catolicismo.Religiao (1) Céu (14) Chamados ao primeiro amor (5) Charles Haddon Spurgeon (274) Cigarro (1) Circo ou Igreja? (1) Cirurgia Plástica (1) Citações Redes Sociais (2) Clodoaldo Machado (1) Cobiça (1) Comunhão (4) Comunidade no Orkut (1) Conhecendo as Histórias da Bíblia (1) Conhecimento (2) Consciência (2) Consolador (3) Copa do Mundo (1) Coração (31) Coragem (4) Corra (1) Corrompidos (1) Cosmovisão Cristã (1) Crer em Jesus (3) Criação (3) Criança (7) Cristãos (60) Cristianismo (19) Cristo (85) Crucificaram (1) Cruz (29) Culto (2) Cultura (4) Cura (6) David Wilkerson (43) Demônio (4) Dennis Allan (23) Denominações (1) Dependência (2) Depravação Humana (11) Depressão (6) Desanimado e fraco (11) Descanso (1) Desejo (1) Desenhos para Crianças (9) Deserto (1) Desigrejados (1) Desonra (1) Desprezado e Rejeitado (3) Desviado (5) Deus (328) Devoção (1) Diabo (9) Dinheiro (11) Discernimento (1) Discipulado (7) Discípulos Verdadeiros (4) Divórcio (9) Divulgue esse Blog (2) Dízimos e Ofertas (3) Dons Espirituais (1) Dor (6) Dores de Parto (1) Doutrinas (5) Dr J.R (1) Drogas (1) Dúvidas (1) Eclesiastes (1) Ego (1) Enganados (1) Envelhecer com Deus (1) Equilibrio (1) Errando (2) Escolha (2) Escolhidos De Deus (10) Escravo por Amor (2) Esforço (1) Esperança (8) Espíritismo (1) Espirito Santo (27) Espirituais (35) Estudo da Bíblia (257) Estudo Livro de Romanos por John Piper (17) Estudo Livro de Rute por John Piper (5) Eternidade (10) Eu Não Consigo (1) Evangelho (76) Evangelho da Prosperidade (13) Evangelho do Reino (1) Evangelismo (5) Evangelizar pela Internet (7) Evolução (1) Exaltação (1) Êxodo (1) Exortação (3) Ezequiel (1) Falar em Linguas (3) Falsos Profetas(Enganação) (17) Família (16) Fariseus (3) (49) Felicidade (6) Festas do Mundo (1) Festas juninas(São João) (1) Fiél (3) Filmes Bíblicos (43) Finais dos Tempos (11) Força (1) Fruto (8) Futebol (1) Gálatas (1) George Müller (1) George Whitefield (2) Glória (44) Graça (47) Gratidão (3) Guerra (4) Hebreus (1) Heresias (3) Hernandes Lopes (110) Hinos (1) Homem (46) Homossexual (6) Honra (1) Humanismo (1) Humildade (9) Humilhado (8) Idolatria (12) Idoso (1) Ignorância (1) Igreja (79) Ímpios (1) Incentivo (1) Incredulidade (2) Inferno (8) Ingratidão (2) Inimigo (2) Inquisição Católica (1) Intercessão (1) Intercessor (1) Intervenção (9) Intimidade (1) Inutéis (1) Inveja (1) Ira (12) Isaías (1) J. C. Ryle (9) James M. Boice (1) Jejum (4) Jeremias (2) Jesus (88) (1) João (4) João Calvino (145) Jogos VIDEO GAMES (2) John Owen (15) John Pipper (587) John Stott (28) John Wesley (1) Jonathan Edwards (92) José (1) Joseph Murphy (1) Josué Yrion (8) Jovens (15) Julgamento (20) Justiça (2) Lave os pés dos seus irmãos Vá em busca dos perdidos e fale do amor de Deus (1) Leão da Tribo de Judá (1) Legalismo vs. Bem-Aventuranças (1) Leonard Ravenhill (52) Liberdade (10) Língua (5) Livre arbítrio (10) Livros (67) Louvor (4) Lutar (7) Maçonaria e Fé Cristã (1) Mãe (2) Mal (18) Maldições Hereditárias (3) Manifestações Absurdas (2) Marca da Besta (1) Mártires (5) Martyn Lloyd-Jones (173) Masturbação (2) Mateus (2) Maturidade (2) Médico dos Médicos (1) Medo (2) Mefibosete (1) Mensagens (372) Mentira (8) Milagres (2) Ministério (10) Misericórdia (13) Missão portas abertas (21) Missões (27) Missões Cristãos em Defesa do Evangelho (1) Monergismo (1) Morrendo (12) Morte (43) Morte de um ente querido que não era crente (1) Mulher (11) Mulheres pastoras (2) Mundanismo (3) Mundo (28) Murmuração (3) Músicas (38) Músicas nas Igrejas.Louvor (8) Namoro ou Ficar (12) Natal (4) Noiva de Cristo (2) Nosso Corpo (1) Novo convertido (10) Novo Nascimento (11) O Semeador (1) O Seu Chamado (13) Obediencia (8) Obras (15) Obreiros (2) Observador (2) Oração (67) Orgulho (10) Orgulho Espiritual (1) Orkut (1) Paciência (7) Pai (1) Pais e Filhos (21) Paixão (3) Paixão de Cristo (2) Parábola Filho Pródigo (2) Parábolas (9) participe do nosso grupo e curta nossa página! (1) Páscoa (1) Pastor (18) Paul Washer (216) Paulo Junior (239) Paz (4) Pecado (106) Pecadores (12) Pedofilia (2) Perdão (16) perse (1) Perseguição (13) Pobre (4) Poder (18) Por que tarda o pleno Avivamento? (3) Pornografia (8) Porque Deus permite o sofrimento dos inocentes (2) Porta Estreita (2) Pregação (24) PREGAÇÕES COMPLETAS INTRODUÇÃO ESCOLA DE OBREIROS (1) Profecias (3) Profetas (3) Prostituição (2) Provação (2) Provar o Evangelho Para Aqueles que Não acreditam Na Bíblia (1) Provérbios (1) Púlpito (3) Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma (1) R. C. Sproul (29) Realidade (1) Rebelde (1) Redes Sociais (2) Reencarnação (2) Refletindo Sobre Algumas coisas (1) Reforma e Reavivamento (1) Reforma Protestante (3) Refúgio (2) Regeneração (16) Rei (3) Relativismo (1) Religião (7) Renúncia (2) Ressuscitou (5) Revelação (1) Ricardo Gondim (1) Richard Baxter (7) Rico (12) Romanos (20) Roupas (1) Rupert Teixeira (4) Rute (5) Sabedoria (12) Sacrifício (3) Salvação (45) Sangue de Cristo (3) Santa Ceia (2) Santidade (34) Satanás (15) Secularismo (1) Segurança Completa (1) Seitas (3) Semente (1) Senhor (10) Sensualidade (2) Sermão da Montanha (2) Servos Especiais (4) Sexo (8) Sinais e Maravilhas (2) Soberba (1) Sofrimento (24) Sola Scriptura (1) Sola Scriptura Solus Christus Sola Gratia Sola Fide Soli Deo Gloria (4) Soldado (1) Sozinho (3) Steven Lawson (12) Submissão (1) Suicídio (2) Televisão um Perigo (8) Temor (4) Tempo (5) Tentação (9) Teologia (2) Teologia da Prosperidade (4) Tesouro que foi achado (4) Tessalonicenses 1 (1) Testemunhos (29) Thomas Watson (17) Tim Conway (38) Timóteo (1) Todo homem pois seja pronto para ouvir tardio para falar tardio para se irar Tiago 1.19 (1) Trabalho (2) Tragédia Realengo Rio de Janeiro (2) Traição (4) Transformados (1) Trevas e Luz (2) Tribulação (10) Trindade (2) Tristeza (5) Trono branco (2) Tsunami no Japão (2) tudo (231) Uma Semente de Amor para Russia (1) Unção (3) Ungir com Óleo (1) Vaidade (3) Vaso (2) Velho (1) Verdade (30) Vergonha (3) Vestimentas (1) Vícios (6) Vida (39) Vincent Cheung (1) Vitória (5) Vontade (1) Votação (1) Yoga (1)

Comentários:

Mensagem do Dia

O homem, cujo tesouro é o Senhor, tem todas as coisas concentradas nEle. Outros tesouros comuns talvez lhe sejam negados, mas mesmo que lhe seja permitido desfrutar deles, o usufruto de tais coisas será tão diluído que nunca é necessário à sua felicidade. E se lhe acontecer de vê-los desaparecer, um por um, provavelmente não experimentará sensação de perda, pois conta com a fonte, com a origem de todas as coisas, em Deus, em quem encontra toda satisfação, todo prazer e todo deleite. Não se importa com a perda, já que, em realidade nada perdeu, e possui tudo em uma pessoa Deus de maneira pura, legítima e eterna. A.W.Tozer

"A conversão tira o cristão do mundo; a santificação tira o mundo do cristão." JOHN WESLEY"

Minha foto

Darliana+ Missões Cristãos em Defesa do Evangelho+✿Apenas uma alma que foi resgatada através da graça e misericórdia de Deus,Dai de graça o que de graça recebeste' (Mt. 10,8). Latim para estar em consonância com as cinco teses que dão sustentação ao “pensamento”e à vida do genuíno cristão reformado: sola scriptura,sola gratia, sola fide,solus christus, soli deo gloria. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8 : 32) "Um cristão verdadeiro é uma pessoa estranha em todos os sentidos." Ele sente um amor supremo por alguém que ele nunca viu; conversa familiarmente todos os dias com alguém que não pode ver; espera ir para o céu pelos méritos de outro; esvazia-se para que possa estar cheio; admite estar errado para que possa ser declarado certo; desce para que possa ir para o alto; é mais forte quando ele é mais fraco; é mais rico quando é mais pobre; mais feliz quando se sente o pior. Ele morre para que possa viver; renuncia para que possa ter; doa para que possa manter; vê o invisível, ouve o inaudível e conhece o que excede todo o entendimento." A.W.Tozer✿

Postagens Populares

Bíblia OnLine - Leitura e Audio

Bíblia OnLine - Leitura e Audio
Alimentar-se da Palavra "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." (Hebreus 4 : 12).Erram por não conhecer as Escrituras, e nem o poder de Deus (Mateus 22.29)Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo. Apocalipse 1:3

Feed: Receba Atualizações Via Email

Coloque o seu endereço de email e receba atualizações e conteúdos exclusivos:

Cadastre seu E-mail.Obs.: Lembre-se de clicar no link de confirmação enviado ao seu e-mail.