Tradutor

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

20 de jul de 2010

Cap 19 - Um Estudo Sistemático de Doutrina Bíblica A LIVRE AGÊNCIA DO HOMEM

http://static.blogstorage.hi-pi.com/photos/odespertamento.arteblog.com.br/images/gd/1259011135/COMO-ESTUDAR-A-BIBLIA.jpg

Pensamento claro é muito mais necessário quando vimos a tratar da livre agência do homem. Alguns a imaginam assunto muito difícil por terem feito dele algo diferente do que é. Pela mesma razão alguns tem acusado que a doutrina de eleição incondicional, doutrina bíblica e batista, destrói a livre agência do homem.
Bem diz Spurgeon: !Em referencia à matéria da predestinação e livre arbítrio, muitas vezes ouvi homens perguntarem: !Como as fazeis concordar?? Acho que há uma outra pergunta apenas tão difícil a solver: !Como as fazeis diferir?? Ambas podem ser feitas tão facilmente colidir como colidir. A mim me parece um problema que não pode ser estabelecido e um assunto que não precisa de solução? (Sermons, Vol. 13, pág. 31).
I. A LIVRE AGÊNCIA DO HOMEM É UMA DOUTRINA BATISTA
A declaração de Fé de New Hampshire, largamente aceita entre os batistas, declara que a eleição é !perfeitamente coerente com a livre agência do homem?.
O falecido George W. McDaniel, quando presidente da Convenção Batista do Sul, disse numa carta pessoal ao autor deste livro: !A posição batista tanto reconhece a soberania divina como a livre agência moral?.
Spurgeon diz: !A predestinação de Deus não destrói a livre agência do homem nem alivia a responsabilidade do Pecador? (Sermons, Vol. 13, pág. 30).
D. F. Estes (Seminário Teológico de Hamilton e Universidade de Colgate) diz: !A liberdade moral do homem foi claramente sustentada por Paulo e não menos positiva e tenazmente por causa de certas outras idéias que ele sustentou e que a alguns parecem estar inconsistentes entre si (New Testament Theology, pág. 104).
Diz W. W. Hamilton: !Deus uniu certos grandes fatos na salvação e nós devemos, segurissimamente, angustiar-nos se deixarmos de o reconhecer. Soberania e livre arbítrio vêem-se intimamente relacionados quando Pedro disse no grande revivamento do Pentecostes: !Sendo Ele entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, pelas mãos ímpias de injustos vós O matastes? (Bible Evangelism, pág. 90).
J. M. Pendleton diz: !Não há verdades mais claramente reveladas na Bíblia do que a que Deus é soberano e o homem é livre? (Christian Doctrines, pág. 103).
E. Y. Mullins diz: !O livre arbítrio no homem é uma verdade tão fundamental como qualquer outra Evangelho e não deve ser jamais cancelada em nossas disposições doutrinárias; sem ela o homem não seria homem e Deus jamais nos rouba de nossa verdadeira virilidade moral em salvar-nos? (Baptist Beliefs, pág. 26).
J. P. Boyce diz: !O livre agência pertence à natureza de uma criatura moral inteligente. Deve ter ela liberdade de escolha, ou não seria responsável por sua ação. A própria essência da responsabilidade consiste no poder de ação contrária, assim quisera alguém? (Abstract of Systematic Theology, pág. 224).
A. H. Strong diz: !Livre agência ... tem-se mostrado ser consistente com os decretos (de Deus)? (Systematic Theology, pág. 177).
Está manifesto pelas citações supra que a livre agência, segundo o seu uso entre autores batistas, deve ter significado diferente daquele que muita gente entende ser. Spurgeon, Estes, Pendleton, Mullins, Boyce e Strong são todos claros no seu ensino da eleição incondicional. Isto nos leva então a considerar.
II. DEFINIDA A LIVRE AGÊNCIA
1. PELOS DICIONÁRIOS.
Funk e Wagnall?s Desk Standard Dictionary define a livre agência como !a faculdade ou capacidade de agir livremente, isto é, sem constrangimento da vontade?.
Webster?s New International Dictionary, ao definir o termo !livre?, na sua aplicação aos atos de um ser moral, diz: !Não determinado por algo além de sua própria natureza ou ser; não necessitado por uma causa ou agência externas; escolhendo ou capaz de escolher por si mesmo; como um livre agente?.
2. PELOS ESCRITORES TEOLÓGICOS PADRÕES.
N. L. Rice diz: !A livre agência não é nada mais ou menos do que agir sem compulsão e de acordo com os próprios desejos e inclinações de alguém? (God Sovereign and Man Free, pág. 58).
J. M. Pendleton repete a definição de André Fuller, que é como segue: !Um livre agente é um ser inteligente que está em liberdade para agir segundo sua escolha, sem compulsão ou restrição? (Christian Doctrines, pág. 104).
A. H. Strong diz: !Livre agência é a faculdade de autodeterminar-se em vista de motivos ou poder de o homem (a) escolher entre motivos e (b) dirigir sua atividade subseqüente conforme com o motivo assim escolhido? (Systematic Theology, pág. 176).
Lutero negou o !livre arbítrio? como era empregado pelo seu grande oponente Erasmo e também pelos pelagianos e sofistas; e, com toda a sua perspicácia, supondo erradamente que o uso feito de !livre arbítrio? pelos arroistas supra era o único sentido da expressão, opôs-se ao seu emprego. Não obstante, ele atribuiu à vontade uma liberdade tal como é atribuída por outros aqui citados, definindo-a nas seguintes palavras: !Vontade, quer divina ou humana, faz o que faz, seja bem ou mal, não por qualquer compulsão senão por mero querer ou desejo, como se fossem totalmente livres? (Cativeiro da Vontade, pág. 41).
John Gill, que é muitas vezes falsamente acusado de antinomianismo, diz: !Uma determinação da vontade para uma qualquer coisa, não é contrária à escolha, porque a vontade humana de Cristo, como a dos anjos e dos santos glorificados estão determinadas somente para o que é bom e, todavia, tanto escolhem como fazem o bem livremente ... Além disso, nem a impotência do homem, nem a influência eficaz da graça, de modo algum impedem a liberdade das ações humanas. Um ímpio que está sob a mais forte das parcialidades, poder e domínio da sua concupiscência, age livremente; como o faz também um homem bom ao fazer o que é espiritualmente bom e nunca mais assim do que quando ele está sob as mais poderosas influências da graça divina? (Causa de Deus e Verdade, págs. 184-5).
Jonathan Edwards considerou a livre agência como a !faculdade, oportunidade ou vantagem que qualquer um tem de fazer como lhe apraz? (Freedom of the Will, pág. 17).
De indústria reservamos para o fim a definição que é a mais explícita de todas, porque resume todas as outras e as estabelecem em maior minúcia e de um modo mais facilmente compreensível. Esta definição é de E. Y. Mullins: !A liberdade no homem não implica insenção da operação de influências, motivos, hereditariedade, ambientes: antes significa que o homem não está sob compulsão e suas ações são em último caso determinadas do interior. Ele é auto-determinado no que faz. Alguns sustentam que a liberdade no homem significa a habilidade de transceder-se e agir contra o seu caráter. (É isto o sentido errôneo de vontade livre, como crida por todos os pelagianos e arminianos e como contrariada por Lutéro e muitos outros). A vontade é assim considerada, não como uma expressão do que o homem é no seu caráter essencial. É livre no sentido de ser capaz de escolhas sem relação a escolhas passadas, hábitos adquiridos e tendências hereditárias. Isto é uma idéia insustentável da liberdade: faz da vontade mera aditiva à natureza do homem antes que uma expressão dela. A liberdade exclui a compulsão externa como também exclui o mero capricho e arbitrariedade. Liberdade é auto-determinação? (The Christian Religion in its Doctrinal Expression, págs. 258-9).
Submetemos agora que todos esses grandes escritores estão em harmonia uns com os outros na sua idéia dessa liberdade que o homem possui, conquanto alguns deles negassem que liberdade fosse chamada tanto livre agência como vontade livre. Contudo, se houvesse em todo o universo uma coisa tal como livre agência, mesmo no caso de Deus, a liberdade do homem afirmada no precitado é livre agência.
Para tornar isto mais manifesto, tomamos como nossa próxima proposição:
III. O HOMEM TÃO LIVRE AGENTE COMO DEUS
Notamos que o Dr. A. H. Strong diz: !A livre agência é a faculdade de auto-determinação?. Outros a definem como a faculdade que alguém tem de agir segundo sua escolha, fazer como lhe apraz. Vimos que livre agência não implica habilidade de transcender-se e de agir contrário ao seu caráter; não exclui a determinação tanto para o bem como para o mal; exclui compulsão e restrição do exterior da natureza de alguém e exclui também apenas tão seguramente o mero capricho e a arbitrariedade.
Que mais do que isto se pode afirmar de Deus? Que menos pode ser afirmado do homem? Deus é auto-determinado, assim o homem, em todos os tempos. Deus sempre age segundo Sua escolha e faz como Lhe apraz,(?) assim também o homem. Deus não pode transceder-se e agir contrário ao Seu caráter(?). Nem o homem o pode. Deus está sempre determinado para o bem. O homem natural está sempre determinado para aquilo que é espiritualmente mau. Um homem regenerado está determinado, em geral, para aquilo que é bom. Quando ele comete o mal, ele está, no momento, determinado para o mal. A vontade de Deus não está nunca compelida ou restringida por algo fora de Sua própria natureza. O mesmo é verdade quanto ao homem. Deus jamais age caprichosa ou arbitrariamente, isto é, sem causa suficiente. Nem o homem. Deus sempre age de acordo com a Sua preferência, considerando as coisas como um todo, mas não sempre segundo a Sua preferência em si, considerando as coisas separadamente e aparte do Seu plano perfeito (?). Por exemplo, Deus prefere emanentemente a santidade em todos os tempos, mas, em consideração ao Seu plano como um todo, Ele propôs permitir o pecado; porque o pecado, de algum modo, é necessário à consecução do Seu plano. É isto análogo ao fato de o homem ter preferências conflitivas, mas seguir sempre a sua mais forte preferência e, em assim fazendo, ser sua vontade inteira e absolutamente livre.
A posição da vontade de Deus e a natureza e leis de sua ação são as mesmas como no caso da vontade do homem; cada uma está sujeita à natureza do seu possuidor, ambas expressam a natureza do seu possuidor em vista de motivos. Tanto o homem como Deus são livres em todos os tempos para agiram nos seus mais dominantes desejos e suas inclinações. Deus não é, verdadeiramente, um livre agente mais do que o homem é.
Que a livre agência do homem em todos os tempos pode ser mais manifestada, consideraremos:
IV. LIVRE AGÊNCIA DO HOMEM NATURAL
O homem não pode fazer diferente que continuar no pecado por tanto tempo quanto está no seu estado natural (Jeremias 17:9; Provérbios 4:23; Jó 14:4; Jeremias 13:23; João 6:65; Romanos 8:7,8; I Coríntios 2:14). Mas sua continuação no pecado não se deve a compulsão ou restrição exterior senão ao seu próprio caráter que lhe causa escolher as trevas mais que a luz (João 3:19). Ele continua no pecado pela mesma razão por que um porco se espoja no lamaçal; continua no pecado pela mesma razão porque Deus continua na santidade. Assim ele é completamente um livre agente.
V. A LIVRE AGÊNCIA E O ENDURECIMENTO E O OBUMBRAMENTO DIVINOS
No endurecimento e obumbramento dos pecadores, que iniludivelmente se atribuem a Deus na Escritura (Romanos 9:18; João 12:40), não há força externa trazida a influenciar a vontade do pecador. Enquanto se diga que Deus cega e endurece o pecador, diz-se que o pecador se obnubila e endurece a si mesmo. João 12:40 é uma citação de Isaías 6:10, onde o profeta Isaías é mandando fechar os olhos do povo. Então, em Mateus 13:14,15, há uma outra citação livre desta mesma profecia e em Mateus diz-se terem os pecadores fechado os seus próprios olhos. Então, ainda outra vez, em 2 Coríntios 4:3,4, temos um cegamento de pecadores atribuído ao diabo. Todas estas passagens se referem à mesma coisa e todas elas são verdadeiras porque estão na Palavra de Deus. Temos o cegamento dos pecadores atribuído a Deus, ao diabo, ao profeta e aos pecadores mesmos. Cabe-nos achar, se pudermos, a harmonia entre estas afirmações. Ei-la: O obumbramento se atribui a Deus porque Ele decretou, se permissivamente, se eficientemente, todas as circunstancias que tornam o pecador cego; atribui-se ao diabo porque ele é o autor do pecado pelo qual o pecador se obumbra; é atribuído ao profeta porque sua pregação da Palavra gera e faz o cegamento do pecador ativo na sua rejeição da Palavra. Então, finalmente, é atribuído ao pecador mesmo porque ele ama mais as trevas que a luz e manifesta sua escolha das trevas rejeitando a Palavra. Isto deixa o homem natural como livre agente. Se Deus, ou o diabo, ou o profeta, por um poder fora da natureza do pecador pudesse compelir o pecador contra sua escolha, ele não mais seria um agente livre, conquanto Deus continue a operar nele !tanto o querer como o efetuar, segundo a Sua boa vontade? (Filipenses 2:13); mas esta obra, como a de vivificar, não força a vontade.
VII. A LIVRE AGÊNCIA E A LIBERDADE CRISTÃ
Alguns se tornam confusos a respeito da livre agência em vista da afirmação de Cristo em João 8:32: !Conhecereis a verdade e a verdade vos livrará?. Cristo aqui se referiu à liberdade da natureza do cativeiro do pecado e não à livre agência. Tornar-se-á isto evidente a qualquer estudante esclarecido sobre uma consideração do precitado tratamento da livre agência. A posição da vontade, a natureza e as leis de sua ação são as mesmas antes e depois da conversão. Em ambos os casos o homem é auto-determinado em vista de motivos. Tanto antes como depois da regeneração a vontade expressa o caráter de alguém. A diferença entre os estados irregenerados e regenerados não é em consideração à liberdade da vontade senão no fato que, antes da regeneração, o homem é o !escravo do pecado? (João 8:34), enquanto que, depois, os crentes são pelo poder da nova vida !servos da justiça? (Romanos 6:18). Em ambos os casos os homens são servos e a vontade está sujeita ao caráter, sendo tão livre num caso como no outro.
VIII. A LIVRE AGÊNCIA E A SOBERANIA DE DEUS
Sem a mínima reserva de hesitação subscrevemos a Confissão de Fé de Filadélfia na sua declaração que !Deus decretou em Si mesmo, desde toda a eternidade, pelo sapientíssimo e santíssimo conselho de Sua própria vontade, que, tudo quanto seja, livre e imutavelmente aconteça. Isto inclui o mal tão bem e tão completamente como o bem, conquanto num sentido diferente e é sustentado tanto pela razão como pela revelação. Vide o capítulo !A Vontade de Deus?. Vide também Daniel 4:35; Isaías 46:10; Romanos 9:19; Efésios 1:11.
Quando os homens dizem que a soberania absoluta de Deus não pode reconciliar-se com a livre agência por mentes finitas, indicam um mal entendido quer da livre agência, quer da soberania de Deus, ou de ambas. A livre agência está em harmonia perfeita, completa e manifesta com a soberania absoluta de Deus. O laço de união entre ambas jaz no fato que a vontade está sujeita ao caráter do seu possuidor. Deus determinou o caráter de cada homem por meio de qualquer dos Seus decretos, positivo ou permissivo, positivo no caso de todo o bem e permissivo no caso de todo o mal. E Deus, tendo determinado todas as circunstancias, controla os motivos que influenciam a vontade. Assim Deus controla as ações humanas e todavia os homens agem em todos os tempos livremente como Deus mesmo faz. Se não houvesse Deus, o homem não podia agir mais livremente do que age.
Vemos esta harmonia entre Deus e Sua soberania e a livre agência do homem incisivamente exemplificada na crucificação de Cristo. Deus determinou que Cristo fosse crucificado (Atos 2:23; 4:27-8). E Deus determinou que uns certos o fariam, mas Ele fez isto permissivamente. Todos quantos tomaram parte na crucificação estiveram somente representando suas próprias naturezas e nunca foram mais livres em qualquer ato, nem Deus foi jamais livre em qualquer ato. Através de motivos ímpios escolheram matar o Senhor da glória. Mataram-nO porque O odiaram. Mataram-nO porque Ele os repreendeu por seus pecados. Mataram-nO porque Ele retirou a glória que tinha sido deles. Deus não os causou faze-lo, mas decretou permitir-lhes seguir suas próprias inclinações e desejos em faze-lo.
IX. A LIVRE AGÊNICA E O PODER DA AÇÃO CONTRÁRIA
Será notado que a expressão sobre livre agência citada de J. P. Boyce implica que o poder da ação contrária é essencial à livre agência. Isto é verdade se o poder da ação contrária é definido como Boyce o define, isto é, como o poder que se tem de fazer diferente do que se faz, tivesse assim querido. Isto é só dizer que o homem é livre da necessidade externa e da compulsão em suas ações. Se em qualquer momento não tivera alguém querido proceder como procedeu, podia o tal ter procedido diferentemente, se alguém é sempre livre para fazer como lhe apraz; quer dizer, sem dúvida, como lhe apraz no todo. Segue o seu desejo mais forte.
Ou, se o poder da escolha contrária é usada para significar o poder da alma de fazer escolhas contrárias ao seu propósito previamente regente, ele ainda está implicado na livre agência. Os motivos despertam tendências latentes na alma a assim a alma pode agir contrária ao seu propósito previamente regente. Na conversão a alma age contrária ao seu propósito previamente regente, mas, neste caso, não é devido ao despertamento de tendências latentes senão à implantação da nova vida.
Mas, se alguém supõe que o poder de ação contrária significa que é possível a alguém agir em qualquer momento diferentemente do modo no qual ele age, individuo e motivos permanecendo os mesmos, ele supõe uma contradição e uma necessidade, porque isto é supor que alguém escolha aquilo que não pode escolher. Toda a ação é o resultado de uma necessidade interna de conseqüências mas não de uma necessidade externa, nem de uma necessidade de compulsão. Em outras palavras, a ação de qualquer individuo em qualquer tempo não podia ter sido diferente sem o indivíduo ou os motivos serem diferentes. Doutra maneira não haveria nenhuma causa para a ação da vontade e todo o senso comum proíbe a suposição de uma coisa finita sem uma causa. Assim, os atos da vontade procedem de uma necessidade interna. Mas o indivíduo é livre e espontâneo. Não há forças que compila a vontade, porque a vontade é simplesmente a faculdade de escolha da alma. De fato, nenhum poder pode compelir ou coagir a vontade: necessariamente livre e não seria vontade sem isto.

Autor: Thomas Paul Simmons, D.Th.
Digitalização: Daniela Cristina Caetano Pereira dos Santos, 2004
Revisão: Charity D. Gardner e Calvin G Gardner, 05/04

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

(I Pedro 5:8) (1) 1 Coríntios (3) 1 Pedro (1) 1Pedro (1) 2 Pedro (2) A (1) A palavra da Cruz é Loucura (3) A Parábola do Rico e Lázaro (1) a Semente e os Solos (1) A Volta de Jesus (4) A. W. Tozer (36) A.W Pink (2) Abandonado (1) Aborto (9) Adoração (18) Agostinho (1) Aids (1) Alegria (22) Aliança (1) Alívio (1) Almas (17) Amarás o Próximo (1) Amargura (1) Amém (3) Amizade (5) Amor (70) Anátema (1) Angústia (2) Animais (1) Anjos (3) Anorexia (1) Ansiedade (5) Anticristo (2) Antidepressivo (1) Antigo Testamento (1) Apocalipse (10) Apostasia (5) Apóstolo Paulo (4) Arca de noé (2) Arrebatamento (3) Arrependimento (22) Arrogância (1) Arthur W. Pink (5) As Igrejas de todos os Tipos e para todos os Gostos (1) Ateísmo (4) Ateus (5) Augustus Nicodemus (2) Autoridade (4) Avareza (1) Aviso (2) Avivamento (10) Batalha Espiritual (7) Batismo (4) Bebida Alcóolica (1) Benção (2) Bíblia (49) Boas Novas (1) Bullying (1) Cálice (2) Calvinismo (2) Campanhas no Facebook (1) Cansado (1) Caráter (4) Carnal (1) Carnaval (2) Carne (11) Carta de Deus e do Inferno (2) Carter Conlon (1) Casamento (32) Castigo (1) Catolicismo.Religiao (1) Céu (14) Chamados ao primeiro amor (5) Charles Haddon Spurgeon (274) Cigarro (1) Circo ou Igreja? (1) Cirurgia Plástica (1) Citações Redes Sociais (2) Clodoaldo Machado (1) Cobiça (1) Comunhão (4) Comunidade no Orkut (1) Conhecendo as Histórias da Bíblia (1) Conhecimento (2) Consciência (2) Consolador (3) Copa do Mundo (1) Coração (31) Coragem (4) Corra (1) Corrompidos (1) Cosmovisão Cristã (1) Crer em Jesus (3) Criação (3) Criança (7) Cristãos (60) Cristianismo (19) Cristo (85) Crucificaram (1) Cruz (29) Culto (2) Cultura (4) Cura (6) David Wilkerson (43) Demônio (4) Dennis Allan (23) Denominações (1) Dependência (2) Depravação Humana (11) Depressão (6) Desanimado e fraco (11) Descanso (1) Desejo (1) Desenhos para Crianças (9) Deserto (1) Desigrejados (1) Desonra (1) Desprezado e Rejeitado (3) Desviado (5) Deus (328) Devoção (1) Diabo (9) Dinheiro (11) Discernimento (1) Discipulado (7) Discípulos Verdadeiros (4) Divórcio (9) Divulgue esse Blog (2) Dízimos e Ofertas (3) Dons Espirituais (1) Dor (6) Dores de Parto (1) Doutrinas (5) Dr J.R (1) Drogas (1) Dúvidas (1) Eclesiastes (1) Ego (1) Enganados (1) Envelhecer com Deus (1) Equilibrio (1) Errando (2) Escolha (2) Escolhidos De Deus (10) Escravo por Amor (2) Esforço (1) Esperança (8) Espíritismo (1) Espirito Santo (27) Espirituais (35) Estudo da Bíblia (257) Estudo Livro de Romanos por John Piper (17) Estudo Livro de Rute por John Piper (5) Eternidade (10) Eu Não Consigo (1) Evangelho (76) Evangelho da Prosperidade (13) Evangelho do Reino (1) Evangelismo (5) Evangelizar pela Internet (7) Evolução (1) Exaltação (1) Êxodo (1) Exortação (3) Ezequiel (1) Falar em Linguas (3) Falsos Profetas(Enganação) (17) Família (16) Fariseus (3) (49) Felicidade (6) Festas do Mundo (1) Festas juninas(São João) (1) Fiél (3) Filmes Bíblicos (43) Finais dos Tempos (11) Força (1) Fruto (8) Futebol (1) Gálatas (1) George Müller (1) George Whitefield (2) Glória (44) Graça (47) Gratidão (3) Guerra (4) Hebreus (1) Heresias (3) Hernandes Lopes (110) Hinos (1) Homem (46) Homossexual (6) Honra (1) Humanismo (1) Humildade (9) Humilhado (8) Idolatria (12) Idoso (1) Ignorância (1) Igreja (79) Ímpios (1) Incentivo (1) Incredulidade (2) Inferno (8) Ingratidão (2) Inimigo (2) Inquisição Católica (1) Intercessão (1) Intercessor (1) Intervenção (9) Intimidade (1) Inutéis (1) Inveja (1) Ira (12) Isaías (1) J. C. Ryle (9) James M. Boice (1) Jejum (4) Jeremias (2) Jesus (88) (1) João (4) João Calvino (145) Jogos VIDEO GAMES (2) John Owen (15) John Pipper (587) John Stott (28) John Wesley (1) Jonathan Edwards (92) José (1) Joseph Murphy (1) Josué Yrion (8) Jovens (15) Julgamento (20) Justiça (2) Lave os pés dos seus irmãos Vá em busca dos perdidos e fale do amor de Deus (1) Leão da Tribo de Judá (1) Legalismo vs. Bem-Aventuranças (1) Leonard Ravenhill (52) Liberdade (10) Língua (5) Livre arbítrio (10) Livros (67) Louvor (4) Lutar (7) Maçonaria e Fé Cristã (1) Mãe (2) Mal (18) Maldições Hereditárias (3) Manifestações Absurdas (2) Marca da Besta (1) Mártires (5) Martyn Lloyd-Jones (173) Masturbação (2) Mateus (2) Maturidade (2) Médico dos Médicos (1) Medo (2) Mefibosete (1) Mensagens (372) Mentira (8) Milagres (2) Ministério (10) Misericórdia (13) Missão portas abertas (21) Missões (27) Missões Cristãos em Defesa do Evangelho (1) Monergismo (1) Morrendo (12) Morte (43) Morte de um ente querido que não era crente (1) Mulher (11) Mulheres pastoras (2) Mundanismo (3) Mundo (28) Murmuração (3) Músicas (38) Músicas nas Igrejas.Louvor (8) Namoro ou Ficar (12) Natal (4) Noiva de Cristo (2) Nosso Corpo (1) Novo convertido (10) Novo Nascimento (11) O Semeador (1) O Seu Chamado (13) Obediencia (8) Obras (15) Obreiros (2) Observador (2) Oração (67) Orgulho (10) Orgulho Espiritual (1) Orkut (1) Paciência (7) Pai (1) Pais e Filhos (21) Paixão (3) Paixão de Cristo (2) Parábola Filho Pródigo (2) Parábolas (9) participe do nosso grupo e curta nossa página! (1) Páscoa (1) Pastor (18) Paul Washer (216) Paulo Junior (239) Paz (4) Pecado (106) Pecadores (12) Pedofilia (2) Perdão (16) perse (1) Perseguição (13) Pobre (4) Poder (18) Por que tarda o pleno Avivamento? (3) Pornografia (8) Porque Deus permite o sofrimento dos inocentes (2) Porta Estreita (2) Pregação (24) PREGAÇÕES COMPLETAS INTRODUÇÃO ESCOLA DE OBREIROS (1) Profecias (3) Profetas (3) Prostituição (2) Provação (2) Provar o Evangelho Para Aqueles que Não acreditam Na Bíblia (1) Provérbios (1) Púlpito (3) Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma (1) R. C. Sproul (29) Realidade (1) Rebelde (1) Redes Sociais (2) Reencarnação (2) Refletindo Sobre Algumas coisas (1) Reforma e Reavivamento (1) Reforma Protestante (3) Refúgio (2) Regeneração (16) Rei (3) Relativismo (1) Religião (7) Renúncia (2) Ressuscitou (5) Revelação (1) Ricardo Gondim (1) Richard Baxter (7) Rico (12) Romanos (20) Roupas (1) Rupert Teixeira (4) Rute (5) Sabedoria (12) Sacrifício (3) Salvação (45) Sangue de Cristo (3) Santa Ceia (2) Santidade (34) Satanás (15) Secularismo (1) Segurança Completa (1) Seitas (3) Semente (1) Senhor (10) Sensualidade (2) Sermão da Montanha (2) Servos Especiais (4) Sexo (8) Sinais e Maravilhas (2) Soberba (1) Sofrimento (24) Sola Scriptura (1) Sola Scriptura Solus Christus Sola Gratia Sola Fide Soli Deo Gloria (4) Soldado (1) Sozinho (3) Steven Lawson (12) Submissão (1) Suicídio (2) Televisão um Perigo (8) Temor (4) Tempo (5) Tentação (9) Teologia (2) Teologia da Prosperidade (4) Tesouro que foi achado (4) Tessalonicenses 1 (1) Testemunhos (29) Thomas Watson (17) Tim Conway (38) Timóteo (1) Todo homem pois seja pronto para ouvir tardio para falar tardio para se irar Tiago 1.19 (1) Trabalho (2) Tragédia Realengo Rio de Janeiro (2) Traição (4) Transformados (1) Trevas e Luz (2) Tribulação (10) Trindade (2) Tristeza (5) Trono branco (2) Tsunami no Japão (2) tudo (231) Uma Semente de Amor para Russia (1) Unção (3) Ungir com Óleo (1) Vaidade (3) Vaso (2) Velho (1) Verdade (30) Vergonha (3) Vestimentas (1) Vícios (6) Vida (39) Vincent Cheung (1) Vitória (5) Vontade (1) Votação (1) Yoga (1)

Comentários:

Mensagem do Dia

O homem, cujo tesouro é o Senhor, tem todas as coisas concentradas nEle. Outros tesouros comuns talvez lhe sejam negados, mas mesmo que lhe seja permitido desfrutar deles, o usufruto de tais coisas será tão diluído que nunca é necessário à sua felicidade. E se lhe acontecer de vê-los desaparecer, um por um, provavelmente não experimentará sensação de perda, pois conta com a fonte, com a origem de todas as coisas, em Deus, em quem encontra toda satisfação, todo prazer e todo deleite. Não se importa com a perda, já que, em realidade nada perdeu, e possui tudo em uma pessoa Deus de maneira pura, legítima e eterna. A.W.Tozer

"A conversão tira o cristão do mundo; a santificação tira o mundo do cristão." JOHN WESLEY"

Minha foto

Darliana+ Missões Cristãos em Defesa do Evangelho+✿Apenas uma alma que foi resgatada através da graça e misericórdia de Deus,Dai de graça o que de graça recebeste' (Mt. 10,8). Latim para estar em consonância com as cinco teses que dão sustentação ao “pensamento”e à vida do genuíno cristão reformado: sola scriptura,sola gratia, sola fide,solus christus, soli deo gloria. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8 : 32) "Um cristão verdadeiro é uma pessoa estranha em todos os sentidos." Ele sente um amor supremo por alguém que ele nunca viu; conversa familiarmente todos os dias com alguém que não pode ver; espera ir para o céu pelos méritos de outro; esvazia-se para que possa estar cheio; admite estar errado para que possa ser declarado certo; desce para que possa ir para o alto; é mais forte quando ele é mais fraco; é mais rico quando é mais pobre; mais feliz quando se sente o pior. Ele morre para que possa viver; renuncia para que possa ter; doa para que possa manter; vê o invisível, ouve o inaudível e conhece o que excede todo o entendimento." A.W.Tozer✿

Postagens Populares

Bíblia OnLine - Leitura e Audio

Bíblia OnLine - Leitura e Audio
Alimentar-se da Palavra "Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração." (Hebreus 4 : 12).Erram por não conhecer as Escrituras, e nem o poder de Deus (Mateus 22.29)Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo. Apocalipse 1:3

Feed: Receba Atualizações Via Email

Coloque o seu endereço de email e receba atualizações e conteúdos exclusivos:

Cadastre seu E-mail.Obs.: Lembre-se de clicar no link de confirmação enviado ao seu e-mail.